Mundo Operário

PORTO ALEGRE

Fome ou exposição ao coronavírus: rodoviários dispensados sem salário e ticket em casa

terça-feira 31 de março| Edição do dia

Diversas denúncias de trabalhadores rodoviários da grande porto alegre são enviadas ao esquerda diário relatando a suspensão de salário e tickets alimentação durante a pandemia.

Denúncias relatam que as empresas privadas de transporte estão dispensando os funcionários sem remuneração para ficar em casa até 10 dias sem salário e ticket alimentação. A própria Carris já suspendeu o ticket de diversos trabalhadores. Um ataque brutal que deixa claro o desinteresse da patronal com a vida dos trabalhadores que ou morrem de fome em suas casas sem salário, ou no trabalho expostos ao vírus sem nem direito a testes. Inclusive alguns trabalhadores já apresentam sintomas da gripe, mas têm medo de se afastarem e ficarem sem salários em casa.

Essa medida absurda das empresas vai de encontro com a MP da morte de Bolsonaro. Eles colocam seus lucros acima da vida dos trabalhadores e deixam claro que as medidas tomadas são por um corte de gastose não uma medida de prevenção à saúde – que seria disponibilizar testes massivos para todos os trabalhadores para saber quem pode continuar indo trabalhar com devidos elementos de proteção: máscara, luvas, álcool gel e higienização adequada dos ônibus, enquanto os trabalhadores já afetados pudessem realizar um isolamento efetivo e com remuneração para que nenhuma família sofra com a fome.

Veja também denúncia absurda no transporte do Rio de Janeiro

É inegável que a situação dos funcionários do transporte é de extrema exposição ao vírus. Eles lidam com a população diretamente e diariamente, contato com dinheiro, funcionários da saúde, pessoas que estão indo até hospitais, pessoas que também estão indo trabalhar em contato com a população sem realizar testes. Mas também é inegável a extrema exposição à fome que estão os trabalhadores no país com essa realidade genocida da MP da morte, ficar em suas casas sem remuneração e uma proteção adequada faz com que de nada valha se proteger do vírus, o pânico de não ter como pagar as contas e colocar comida na mesa faz com que até mesmo os funcionários que apresentam sintomas da Covid-19 continuam indo trabalhar.

Enquanto desempregados e autônomos poderão receber 600,00 reais como ajuda para pagar as suas contas e se alimentar, o que é totalmente insuficiente, a população empregada está à deriva da “livre negociação” com a patronal que só pensa nos seus próprios lucros e acha que a população se alimenta de vento deixando famílias sem renda alguma. É importante lembrarmos que nossa vida vale mais que o lucro desses capitalistas, a cada dia se torna mais urgente a realização de testes massivos para que todos que seguem trabalhando, pessoas com sintomas ou que tiveram contato com contaminados pelo vírus e em regiões mais afetadas serem realizados indiscriminadamente devido ao número de assintomáticos.

É dever do sindicato garantir que o salário dos trabalhadores sejam pagos, que realizem um fundo para garantir renda para essas centenas de funcionários que foram liberados sem remuneração ou perderam o direito aos seus tickets, sem esquecer da extrema urgência de testes para todos que seguem trabalhando para sua própria proteção e da população em conjunto.




Tópicos relacionados

Precarização do Transporte Público   /    rodoviários   /    Marchezan   /    transporte público poa   /    rodoviários poa   /    Porto Alegre   /    Transporte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar