DENÚNCIA

Folha de S. Paulo recusa-se a publicar artigo da Adusp em resposta a editorial que citou depreciativamente a entidade

quarta-feira 30 de novembro| Edição do dia

A Associação dos Docentes da USP (Adusp) foi nominalmente citada pela Folha de S. Paulo no editorial “O futuro da USP”, publicado na edição de 1/11/16. No texto, a direção do diário paulista comenta a contratação indireta e sem licitação da consultoria McKinsey pela Reitoria da USP, supostamente financiada por “ex-alunos”, grandes empresários que permanecem incógnitos — e cujas finalidades estariam relacionadas a um projeto denominado “USP do Futuro”.

Aparentemente baseado na entrevista concedida pelo reitor M.A. Zago ao jornal Valor Econômico, publicada em 25/10/16, o editorial refere-se à Adusp de modo jocoso e depreciativo.

“É mais fácil um camelo passar pelo olho de uma agulha do que um bem-sucedido ex-aluno da USP alcançar a anuência de uma certa classe de professores para ajudar a instituição que o formou”, principia o editorial da Folha. “A glosa vem a propósito das suspeitas que a associação dos docentes (Adusp) tem lançado contra o projeto USP do Futuro, patrocinado pelo reitor Marco Antonio Zago. Trata-se de consultoria da empresa McKinsey sobre a gestão da universidade que foi paga por um grupo de antigos estudantes por meio da organização Comunitas”.

Prossegue: “Querendo tanta distância de empresários quanto o demônio da cruz, os críticos se alvoroçam diante do que julgam ser um espectro da privatização da USP — enfrentam fantasmas enquanto a instituição tem problemas bem reais”.

Assim, a par de aceitar de modo irrefletido o discurso do reitor sobre a situação financeira da USP, o texto da Folha procura desqualificar o entendimento da Adusp quanto às questões que envolvem o financiamento da universidade, como se a privatização da universidade não fosse realidade óbvia e como se o próprio reitor não a defendesse rotineiramente.

Mais ainda, o editorial trata de desdenhar as críticas da Adusp ao comportamento da Reitoria, parecendo ignorar que esta conduziu clandestinamente as tratativas com a McKinsey e a Comunitas (à revelia até mesmo Conselho Universitário) e até a presente data vem se recusando a divulgar o Plano de Trabalho da consultoria, documento essencial para entender-se as reais motivações do projeto em curso, entre as quais estaria, segundo denúncia anônima, proposta de eventual cobrança de mensalidades.

Mensalidades

Coincidentemente, mais adiante o editorial defende essa cobrança: “A discussão”, assinala, “não deveria partir de tabus, como o que se levanta contra a cobrança de mensalidades por quem possa pagar. Só 34,6% dos quase 11 mil alunos ingressantes na USP em 2016 fizeram o ensino médio em escolas públicas — os outros dois terços provavelmente não precisariam ter seus estudos financiados pela sociedade”.

Em resumo: são todas afirmações inconsistentes, a respeito de tema tão relevante para a sociedade paulista e brasileira. Por este motivo, a Adusp solicitou à Folha, em 3/11/16, a publicação, na página 3 (Tendências/Debates), de artigo intitulado “O futuro da USP deve ser transparente”.

Porém, a entidade recebeu do coordenador de artigos e eventos do jornal, Marco Almeida, em 5/11/16, a seguinte resposta: “Avaliamos aqui que não seria o caso de artigo na página 3. A Adusp é citada apenas em um parágrafo do editorial. Sugiro que escrevam uma carta para publicação no Painel do Leitor.”

Depois de tentativas frustradas de um contato com o coordenador, a Adusp decidiu enviar correspondência à ombudsman da Folha, a jornalista Paula Cesarino Costa, o que ocorreu em 22/11/16. A ombudsman respondeu em 25/11, limitando-se a ratificar as escolhas do jornal: “Agradeço a mensagem e a confiança depositada. No entanto, a decisão de publicar ou não um artigo cabe à Redação, e a ombudsman não pode interferir neste processo. Entendo que gostariam de publicar o artigo, mas lembro que o Painel do Leitor é uma seção de muita leitura do jornal. No mais, fico à disposição”.

Diante dessa resposta que lhe parece totalmente insuficiente, a Adusp deu o caso por encerrado, não sem antes dirigir-se novamente à ombudsman, fazendo ver que esperava dela maior independência e postura crítica: “Agradecemos por responder tão rapidamente à nossa mensagem. Porém, indo ao mérito, gostaríamos de deixar registrado nosso desapontamento com a sua leitura do episódio. Parece-nos que, uma vez mais, a dimensão política e social da questão do financiamento das universidades públicas recebe tratamento dúbio: o jornal se reserva o direito de abordá-la em editorial, e mesmo de citar depreciativamente a Adusp; mas garante a resposta apenas no Painel do Leitor, com seus meros 500 caracteres com espaços por carta. De fato, esperávamos da ombudsman uma posição mais contundente em defesa do direito de resposta”.




Tópicos relacionados

Associação dos Docentes da USP (Adusp)   /    USP

Comentários

Comentar