Internacional

ESTADO ESPANHOL

Feministas x clima: “o planeta não é e nosso corpo tão pouco”

Mulheres de diferentes associações e coletivos do Estado espanhol formaram uma nova plataforma para participar de greves e manifestações contra a crise climática.

sábado 21 de setembro| Edição do dia

No prédio La Ingobernable, em Madri, uma das maiores salas foi ocupado por uma centena de mulheres nessa sexta-feira de setembro. Uma nova plataforma os agrupa: feministas pelo clima. Com poucos dias de existência, ele já recebeu muito apoio entre o ativismo feminista e as redes sociais. A iniciativa reúne mulheres de grupos feministas, associações ambientais e assembléias de bairro.

Em Madri, elas farão parte da manifestação do próximo 27S, para denunciar que “o planeta não é seu é nosso corpo tão pouco” e exigir “medidas urgentes para colocar a vida no centro e mudar a dinâmica destrutiva com o planeta”.

As feministas pelo clima querem denunciar que "esse sistema mata" e que "estamos vivendo um momento de extrema emergência climática que afeta especialmente as mulheres".

Dizem que é necessária uma visão feminista da crise climática, porque as mulheres são muito mais afetadas pelas mudanças climáticas (80% dos refugiados climáticos são mulheres). Além disso, o “aumento global da temperatura causa mais pobreza, injustiças sociais e desequilíbrios políticos, que afetam especialmente os grupos mais vulneráveis, incluindo as mulheres devido à distribuição patriarcal de papéis”, argumentam.

Vicky, membro de Ecologists em Ação e de outras associações ecofeministas, explica suas razões para participar: “O ecofeminismo propõe uma linha de análise que nos faz ver que esse capitalismo não apenas nos mata, mas também destrói o planeta. Temos que pensar não de maneiras diferentes de consumir, mas de maneiras diferentes de habitar, e é colocando o cuidado e a vida no centro. ”

A escritora feminista María Pazos, autora de Contra o Patriarcado, também aderiu à iniciativa. Ele diz que as mulheres "atualmente estão liderando não apenas movimentos contra as mudanças climáticas, mas todos os movimentos sociais". E pensa que, a partir do movimento das mulheres, é necessário “trazer a mudança de modelo necessária para renunciar a tudo o que está poluindo e fortalecer tudo o que não está poluindo”. Ela tem uma proposta concreta: “Todos os empregos que devem ser perdidos nos setores poluidores devem ser substituídos por serviços sociais limpos, não poluentes, de utilidade social etc. Seria necessário promover o cuidado em empregos públicos, cuidado à dependência, educação infantil, cultura, educação, saúde, tudo o que é serviço público, cuidar da natureza ”. E acrescenta que “a divisão sexual do trabalho está no centro desse modelo perverso que está nos levando ao desastre. É capitalismo, mas o capitalismo depende enormemente do patriarcado. ”

As vozes das mulheres migrantes e racializadas também estão presentes. María Eugenia García é colombiana, faz parte da 8M e do Café Feminista. Perguntamos a elas por que as mulheres precisam participar da greve climática global.

"As mulheres já estamos vinculadas, porque o tema do extrativismo, a desapropriação de território, tudo o que tem a ver com a pilhagem de recursos e os efeitos que tem sobre as culturas indígenas e afro-descendentes em nossos países é sanguinário".

“Nos movimentos que defendem o território e os elementos básicos da subsistência, ali estão as mulheres. Eles estão envolvidos, pela divisão sexual do trabalho, com tudo o que é o ambiente e os recursos de sobrevivência. Estamos cientes de que o nível de consumo e produção no norte global tem muito a ver com a desapropriação do sul global, que afeta principalmente as mulheres ”, explica ela. E ressalta que empresas multinacionais, em coalizão com governos e capitais locais, estão realizando essa desapropriação.

Os mais jovens também estão muito presentes neste novo movimento, onde convergem plataformas e associações ambientais do movimento de mulheres. Andrea, de Pan y Rosas, é estudante de filosofia na Universidade Autônoma de Madri. Ele também tem razões muito claras para participar das ações da greve climática global:

“A crise climática me parece uma das razões mais óbvias para as militar e a organizar-se, e é fundamental ver a luta coletivamente, não individualmente, apontando para o sistema capitalista. É por isso que devemos pensar estrategicamente sobre a necessidade de uma aliança com o restante dos setores oprimidos e explorados, que são as principais vítimas dessa crise climática. Eu sou uma mulher, jovem, estudante, um futuro precário, e acredito que a luta para impedir que o capitalismo arque com o nosso planeta é fundamental. ”
Feministas pelo clima participarão na frente do Congresso dos Deputados na sexta-feira, 20 de setembro e em todas as ações da semana de mobilização global pelo clima.




Tópicos relacionados

greve global pelo clima   /    Internacional

Comentários

Comentar