Gênero e sexualidade

DEPUTADO-PASTOR REACIONÁRIO

Feliciano diz ’o que define o homem é o que ele tem entre as pernas’

Em debate de vídeo com youtuber Feliciano, deputado do mesmo partido de Bolsonaro, defende a cura gay, deixa implícito seu incentivo a violência homofóbica, mesmo que tendo cuidado para não deixar explícita suas ideias, deixa escapar algumas de suas pérolas medievais, entre elas argumenta que "o que define o homem é o que ele tem entre as pernas".

terça-feira 5 de julho de 2016| Edição do dia

O youtuber Felipe Neto falou no Twitter que o deputado-pastor Feliciano (PSC, mesmo partido de Bolsonaro) era um "lixo humano" ao que foi respondido pelo reacionário com um chamado a porrada.

Depois marcaram um debate em vídeo. Um debate que deixou a desejar nos esperados xingamentos que tantos LGBTs, mulheres, e negros em especial os de religião de matriz africana gostariam de dizer a este porta-voz de posições retrógradas na própria Idade Média. Porém, como não poderia deixar de ser Feliciano proferiu uma boa quantidade de ideias reacionárias no debate, por mais civilizado que seu interlocutor quis ser.

Segundo Feliciano os homossexuais são abusados sexualmente, tem transtornos psicológicos e ecoando idéias profundas de um ex-candidato a presidente, o que definia a sexualidade das pessoas seria segundo suas ideias profundas o que encaixa onde. Segundo as profundas palavras do reacionário deputado-pastor: "90% dos homossexuais, que ele conhece, tem esse tipo de vida porque foram abusados ou tiveram sérios problemas na vida, transtornos (...) encaixa e não encaixa, aqui entra e nada sai".

Seguindo seu conhecido incentivo a violência LGBTfóbica o pastor condenou relações homo-afetivas em público e nas TVs, ou seja, do contrário seria sujeito a violência, fica-se subentendido. Nas palavras do reacionário: "Um beijo gay não precisa entrar na casa de um brasileiro, sendo que aquela emissora é paga com dinheiro público. Senhoras podem ser lésbicas, mas não precisam mostrar isso pra todo mundo, não precisa ficar se esfregando, não precisa ficar transando no meio da rua". Beijo na rua não pode. Condenação a violência e assassinatos na rua como aconteceu com estudante negro gay na UFRJ isto não é alvo da raiva do reacionário deputado.

Veja o vídeo completo do debate abaixo:




Tópicos relacionados

Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar