RACISMO

Família de coronel agride jovem negra aos gritos de "Negra tem que morrer", em Manaus

Na madrugada do dia 25 de junho no bairro Parque Dez, na zona Centro-Sul de Manaus a família de um coronel agrediu violentamente uma jovem negra que passeava com seu cachorro, como de costume, quando a esposa do Coronel iniciou um linchamento juntamente com 7 outras pessoas.

terça-feira 30 de junho| Edição do dia

Foto: Rebeca Beatriz/G1 AM

Dayse Brilhante, de 22 anos é mais uma vítima de racismo do qual o caso vem a público nos últimos meses. As câmeras de segurança flagraram toda a agressão em que a jovem é atacada pela família do coronel, que estava fazendo uma festa no local.

Conforme boletim de ocorrência registrado por ela no mesmo dia, no 23º Distrito Integrado de Polícia (DIP), ao passar pela frente da casa de um coronel do Corpo de Bombeiros, onde acontecia uma festa, ela notou que estava sendo filmada por mulheres de dentro da residência, supostamente alcoolizadas.

Segundo a universitária, comentários de teor racista foram direcionados a ela, como “essa negra não deveria estar passando por aqui” e "preta". Dayse relatou que se aproximou do local e perguntou os motivos de estar sendo filmada e xingada, mas não foi respondida. A jovem seguiu em direção à casa onde mora, mas, após poucos passos, foi surpreendida com agressões feitas pela esposa do coronel.

A mãe da jovem ao chegar no local para socorre-la perguntou a filha estava sendo agredida e porque estava sendo filmada enquanto isso,a esposa do militar gritou "Essa negra não era pra estar passando por aqui" enquanto outros membros da família diziam que negro tinha que morrer. Durante a situação os pais de Dayse foram brutalmente agredidos e Dayse teve seu celular quebrado.

Em relato ao G1 a jovem declarou:

"É algo que parece que já não existe. Nunca pensei que alguém pudesse se motivar a agredir outra pessoa simplesmente pela cor da pele. Só estava passeando com o meu cachorro. Não teve explicação o que eles fizeram comigo", contou Dayse.

Casos como este se tornam cada vez mais comuns e difíceis de serem acobertados pelo estado com tamanha brutalidade do racismo que vem a toma de forma crescente em conjunto com a ascensão de regimes de extrema direita e autoritários. O assassinato de George Floyd nos EUA ,João Pedro no Brasil e a agressão da jovem Dayse pela família do coronel são a prova viva de que o racismo é incapaz de morrer pelas mãos desse estado putrefato que é o estado capitalista, e que ele se torna cada vez menos acobertavel na medida em que as crises econômicas avançam.

A frase "essa negra não deveria estar aqui" simboliza muito bem onde que as elites brasileiras querem que negros esteja, ou seja, nos postos de trabalhos mais precários, nos locais de moradia mas insalubres e ganhando salários miseráveis enquanto pagam pela crise gerada pelos capitalistas com a reforma trabalhista e a reforma da previdência, além das suas vidas sendo a parcela da população que mais morre em meio a crise sanitária.




Tópicos relacionados

Coronavírus e racismo   /    Racismo   /    Racismo   /    [email protected]

Comentários

Comentar