Educação

Faculdade em São Caetano barra direito de alunos se formarem ao não aceitar a rematrícula dos inadimplentes

A Faculdade Paulista de Serviço Social de São Caetano do Sul - FAPSS voltou as aulas filtrando a permanência dos alunos, para os inadimplentes não há renegociação, tirando o direito de se formar.

segunda-feira 20 de agosto| Edição do dia

Os estudantes inadimplentes que estão no último e de outros períodos do curso de Serviço Social da FAPSS de São Caetano ainda não conseguiram se matricular devido a exigência de negociação da faculdade que chega a pedir até 50% da dívida e não abre dialogo para outra negociação. Os estudantes não matriculados são afetados por uma crise orgânica que se alastra desde parte do governo do PT, onde o partido priorizou encher o bolso dos donos das faculdades privadas com os programas de financiamentos de ensino superior ao invés de investir na construção de universidades publicas e garantir o acesso da classe trabalhadora.

Em declaração a este jornal um estudante da universidade, que preferiu não se identificar, afirmou que vem desde o meio do ano, época para rematrículas, tentando se rematricular para concluir o curso, mas que a universidade vem com a proposta de pagamento de 50% de sua renegociação para que isso seja possível. Essa exigência não dialoga nem de longe com a realidade da maioria dos estudantes e trabalhadores que seguem no desemprego ou com empregos precários. Fruto da reforma trabalhista, está cada dia mais difícil manter em dia as contas e a falta de diálogo da universidade tira do estudante o direito de formar numa clara mercantilização do ensino.

Os sonhos de se formar dos estudantes de serviços social da FAPSS estão indo água a baixo assim como os sonhos de milhares de estudantes de centenas universidades privadas, que iniciam o curso superior e não conseguem concluir devido os aumentos abusivo das mensalidades, a negação de bolsas de estudos, e a falta de negociação com os estudantes.

Por isso é necessário exigir imediatamente a rematrícula de todos os estudantes, e organizar o movimento estudantil para defender que todos possam garantir o acesso e a permanência à faculdade sem que haja restrições.




Tópicos relacionados

Educação   /    ABC paulista

Comentários

Comentar