Mundo Operário

GREVE DOS PETROLEIROS

Faça parte da campanha "Somos todos petroleiros"

Contra as demissões e as privatizações do governo Bolsonaro, em cada local de estudo e trabalho, precisamos dizer: Somos Todos Petroleiros! Faça parte dessa campanha!

quinta-feira 6 de fevereiro| Edição do dia

Há quase uma semana, a greve nacional dos petroleiros contra as demissões, a privatização da Petrobrás e o ataque a suas condições de trabalho é uma luta de toda a classe trabalhadora brasileira, que cresce a cada dia. Bolsonaro, Guedes e o Congresso de Maia, de mãos dadas a grandes monopólios como a Shell, querem avançar ainda mais com o desmonte da empresa e a entrega de nossos recursos naturais, fazendo com que a população pague do seu bolso pelo gás de cozinha e pelos combustíveis cada vez mais caros.

Em resposta, uma vitória dos petroleiros contra as mil demissões no Paraná e esse projeto privatista, de joelhos ao imperialismo de Trump, toca a todos os trabalhadores e trabalhadoras, aos desempregados, à juventude e ao conjunto do povo pobre no país.

Os trabalhadores de cada estatal ameaçada de privatização, dos Correios à Caixa Econômica Federal, a juventude que vê seus sonhos de entrar na universidade pública rifados pelos interesses dos grandes monopólios privados e lhe resta somente a precarização dos empregos de aplicativo, podem se apoiar em uma vitória dos petroleiros. É uma vitória que pode fortalecer cada categoria atacada e precarizada, cada luta contra demissões e contra as reformas ajustadoras, pelo direito à moradia, à educação, contra o machismo e o racismo. Por isso, #SomosTodosPetroleiros.

Esse lema ficou marcado na história pela icônica greve de 1995, enfrentando o projeto neoliberal privatista de Fernando Henrique Cardoso e desafiando a repressão do Estado, que se valeu do Exército nas refinarias. Essa luta conseguiu frear o ímpeto das privatizações na Petrobrás, não em todo o país, mas deixando uma marca que dificultou o avanço dos ataques neoliberais.

A história das lutas dos petroleiros é parte da poderosa tradição da classe trabalhadora brasileira. Hoje levantarmos novamente esse lema que diz respeito não somente a relembrar essa história, mas a reafirmar o papel que essa categoria pode cumprir. Diante do governo da extrema direita, que se fortaleceu com o golpe institucional a serviço do entreguismo da Lava Jato, podemos dar início a uma potente reorganização de forças para passar à ofensiva com o gigante operário brasileiro, que nunca aceitou passivamente satisfazer os lucros dos grandes capitalistas às custas de seu suor e sangue.

Nós, do Esquerda Diário, que colocamos todas as nossas forças para furar o bloqueio midiático e retratar cada medida dessa greve também dizemos #SomosTodosPetroleiros. Estamos de Norte a Sul do país em cada piquete nas refinarias, ato, panfletagem, acampamento, colhendo depoimentos, denúncias e desmascarando a repressão da empresa e do Judiciário, que mais uma vez demonstra de que lado está.

Pode te interessar: Trabalhadores da USP, metroviários e professores do Mov. Nossa Classe vão aos piquetes dos petroleiros

[VÍDEO] Juventude Faísca vai a piquete de petroleiros em Mauá

A mídia que não fala da luta dos petroleiros, mesmo que possa em vários momentos se "indispor" com os discursos de Bolsonaro nos temas ideológicos, da cultura e dos costumes, está unificada na necessidade desse governo em levar adiante seus ataques. Há hoje um grande "consenso nacional" em torno da continuidade e do aprofundamento das reformas para que os explorados e oprimidos paguem pela crise dos capitalistas. Esse consenso vai de Bolsonaro, Guedes, FIESP, Globo e Folha, que declararam seu apoio a reforma da previdência federal para que trabalhemos até morrer; aos governadores do PT e PCdoB, que se dizem da oposição, enquanto que ativa ou passivamente apoiaram a mesma reforma e agora estão levando adiante as reformas da previdência estaduais. Fizeram isso em troca dos recursos advindos do entreguismo, com os leilões do pré-sal.

É necessário romper esse consenso. Somos Todos Petroleiros porque defendemos a unidade da classe trabalhadora, junto à juventude, às mulheres, aos negros e LGBTs, contra as reformas e todos os ataques. As centrais sindicais, que vieram construindo passividade nos locais de trabalho, sem plano de luta, enquanto os ataques passam, deveriam batalhar para romper o bloqueio das mídias fazendo com que a população veja e apoie essa importante luta. Não só com campanhas de solidariedade, mas é urgente que as centrais como a CUT e a CTB se apoiem nisso, chamando atos e ações de luta em defesa dos petroleiros, fortalecendo os piquetes nas unidades, organizando panfletagens, para enfrentar todas as demissões, contra efetivos e terceirizados, os ataques e as privatizações nas categorias em que estão.

Batalhamos pela solidariedade das categorias e fizemos esse chamado, a partir do movimento Nossa Classe, em assembleias de trabalhadores, como os metroviários, propondo que o sindicato do maior sistema de transportes do país panflete para a população em solidariedade à greve, ou em professores, contra a burocracia da Apeoeosp, que se recusa a dar voz a essa greve enquanto busca desmoralizar a força de uma categoria que sempre colocou medo nos governos. Cada Centro Acadêmico, com a juventude Faísca, está a serviço de fazer reverberar essa luta nas universidades, que seguem na mira de Weintraub, e é fundamental que a UNE e demais entidades estudantis façam o mesmo. Chamamos as organizações da esquerda, como o PSOL e seus parlamentares, que poderiam estar incansavelmente buscando impor que os grandes meios falem dessa greve, e PSTU, que tem influência em alguns sindicatos petroleiros, a mudarem sua orientação e impulsionarem essa campanha.

Em cada local de estudo e trabalho, precisamos dizer: Somos Todos Petroleiros! Faça parte dessa campanha!




Tópicos relacionados

Petrobras   /    Privatização da Petrobras   /    Greve dos Petroleiros   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar