Internacional

UNIÃO ESTUDANTES-TRABALHADORES

FRANÇA: grevistas vão às universidades para convidar estudantes para a batalha!

Embora as políticas das diretções sindicais busquem isolar os grevistas da RATP e da SNCF, a coordenação da RATP-SNCF decidiu, nesta semana, recorrer às universidades, um setor que está borbulhando e com o qual eles têm todo interesse em se unir.

terça-feira 28 de janeiro| Edição do dia

Há 54 dias,os trabalhadores ferroviários da SNCF e os funcionários da RATP começaram uma dura luta contra a reforma previdenciária. Embora hoje se encontrem isolados por causa da política das lideranças sindicais que não chamaram à generalização da greve, alguns deles optam por recorrer às universidades nas quais a indignação cresce.

De fato, diante da falta de um plano das direções sindicais, a reunião de coordenação do RATP-SNCF decidiu quinta-feira passada uma agenda para visitar estudantes de universidades da região de Paris e convidá-los a participar da mobilização. O setor da educação aparece hoje como um potencial reverberador da mobilização, principalmente no ensino superior, no qual professores-pesquisadores estão mobilizados contra a reforma previdenciária, mas também contra a Lei de Programação Plurianual de Pesquisa (LPPR). No lado estudantil, apesar das dificuldades de mobilização desde 5 de dezembro, as Assemblias Gerais estão surgindo na maioria das universidades.

Cientes do impacto que a entrada do movimento estudantil teria na batalha, nesta segunda-feira, os grevistas entraram em contato nas Universidades de Nanterre, Paris 8, Bobigny, Evry e Paris 5.

Na Universidade de Nanterre, trabalhadores ferroviários de Chatillon, maquinistas dos depósitos de Asnières e Nanterre atenderam à chamada e passaram o dia conversando em aulas para explicar aos alunos a importância de sua entrada na batalha. ainda mais em um contexto em que a mobilização entre estudantes de doutorado e professores explodiu por vários dias. Como explica Clément, trabalhador ferroviário de Chatillon: "Se há uma coisa que a burguesia e os empresários odeiam, é o coquetel explosivo de jovens e trabalhadores juntos na rua!" Segundo Elsa, estudante de direito em Nanterre e ativista da Revolução Permanente, "é uma questão de responsabilidade que a juventude se juntem à batalha".

Em resposta, centenas de estudantes de Nanterre reuniram-na assembléia geral realizada para apoiar Alex e Ahmed, maquinistas em greve desde 5 de dezembro e convocados ao conselho disciplinar na segunda-feira, 3 de fevereiro, e prestaram uma solidariedade muito sensível a François , um mecânico no depósito de Vitry, ameaçado de demissão por sua gerência e que tentou acabar com sua vida nesta manhã.

Da mesma forma, na Universidade de Paris VIII (Saint-Denis), uma boa delegação de ferroviários de Le Bourget e maquinistas de Saint-Denis, da linha 3, e de Flandres em greve intermitente fora, à Assembléia Geral dos estudantes.

No meio de um anfiteatro lotado, Jamel da linha 3 enviou uma excelente mensagem de apoio aos grevistas da RATP reprimidos e ameaçados por seus dirigentes: "Saudamos Ahmed, Alex e François, hoje viemos na Universidade Paris 8 atrás de apoio de acadêmicos, professores e alunos. A universidade do P8 apoia você, eles estarão lá prestando apoio quando vocês forem chamados nos conselhos disciplinares. François, estamos com você, apoiamos você e não desistiremos! ".

Na Universidade Paris 5, Yassine, um mecânico do depósito de Malakoff também intervém na Assembléia Geral dos estudantes para defender a necessidade da união: "Temos que atacar juntos, porque, atacando separadamente, não conseguiremos vencer infelizmente. ".

Em Bobigny, vários grevistas fizeram a viagem para participar da Assembléia Geral organizada pelos estudantes e professores da Universidade Paris 13. No entanto, a reitoria da universidade assumiu o microfone para tentar impedir qualquer encontro entre os grevistas RATP e os setores universitários. De fato, ela usara um dispositivo excepcional de "segurança" implantado em todas as entradas da universidade para impedir a entrada de qualquer pessoa sem o cartão da universidade. Diante dessa humilhação, a reação da Assembleia Geral de funcionários e estudantes, que reuniu uma centena de pessoas, foi votar a mudança da AG para a grade da universidade. Esse gesto de resistência, que deu ainda mais eco a essa união sem precedentes de estudantes e trabalhadores, levou a reitoria a liberar a entrada dos grevistas e a Assembleia Geral finalmente pôde se apresentar na sala de palestras onde havia começado, dando origem a uma troca muito rica entre trabalhadores e estudantes.

Essas iniciativas progressistas podem ter um papel importante na agitação dessa juventude que tenta se mobilizar desde 5 de dezembro. Razões não faltam para tal, os grevistas da RATP e da SNCF mostram o caminho, eles lutam acima de tudo pelo futuro de seus filhos.

Os grevistas da coordenação do RATP-SNCF já planejaram um calendário para continuar nas universidades durante a semana: eles estarão terça-feira às 14h na Universidade Paris 5 (centro de Boulogne), às 17h em Tolbiac, e na quinta-feira estarão às 12h na Sorbonne, enquanto uma delegação estará presente às 12h na Universidade Paris 7.




Tópicos relacionados

Greve Geral na França   /    França   /    Movimento Estudantil   /    Internacional

Comentários

Comentar