Roda de conversa na FAPSS-SCS.

FAPSS-SCS direito ao aborto legal, seguro e gratuito

quinta-feira 9 de agosto| Edição do dia

No dia 07/08 aconteceu na FAPSS - Faculdade Paulista de Serviço Social de São Caetano do Sul, no ABC Paulista, um debate sobre a legalização do aborto. Estudantes de Serviço Social e Pedagogia, além de professores compuseram a roda e debateram a importância de tratar o aborto no seu devido lugar, ou seja, como um caso de saúde pública.

Taciana estudante de Pedagogia e membro do grupo de mulheres Pão e Rosas abriu o debate expressando a importante luta na Argentina e como elas são um exemplo para o conjunto das mulheres na América Latina, o direito ao corpo é um direto elementar e democrático que sua proibição tem causado 4 mortes por dia de mulheres vítimas de aborto clandestino.

A legalização trata-se de uma medida que busca tratar o aborto como um caso de saúde pública e responsabilizar o estado pela tarefa de Educação Sexual, métodos contraceptivos e caso ela opte o aborto. Terminou dizendo que eram necessárias as mulheres se unificarem ao ato que acontecerá hoje em SP, pois é parte de um chamado internacional de apoio às argentinas.

Muitas falas expressaram o machismo estrutural dessa sociedade e a necessidade de fazer o debate do aborto também pela perspectiva de classes, pois as mulheres negras e pobres são as que mais morrem vítimas de aborto clandestino.
Os professores fizeram falas tentando mostrar o papel do estado, do judiciário e da religião e sua pressão mesmo sendo um país que se diz laico, é justamente nesses momentos em que podemos medir até onde vai essa “separação”. E na prática profissional é necessário separar nossas crenças daquilo que é necessário e direito de cada mulher.

O debate serviu como um pontapé para vários outros debates e a necessidade de pensar a organização das mulheres nos locais de trabalho e estudo, pois, a grande mobilização das mulheres na Argentina e mesmo a luta das mulheres ao longo da história foram para permitir a ampliação dos nossos direitos, pois do estado, patrões e reitorias não podemos esperar nada, nossos direitos devem ser conquistados pela nossa classe e com os métodos dela. Os estudantes de Serviço Social da FAPSS-SCS demonstraram em outra oportunidade a disposição para o debate e também para a aproximação dos movimentos sociais como forma de qualificar o processo formativo e a futura prática profissional.




Comentários

Comentar