Cultura

HIP HOP

“Expresso Hip Hop” reúne artistas e lutadoras em Marília/SP

Expresso Hip Hop, rolê que ocorreu no Centro de Marília, com a proposta de fortalecimento da cultura hip hop, ao mesmo tempo evidenciando o protagonismo das minas nos espaços do movimento.

sexta-feira 2 de setembro| Edição do dia

"As minas rima, risca, dança, grafita, não se limita...", como canta a Mc Tássia Reis em uma de suas letras, serve muito bem de exemplo para descrever o Expresso Hip Hop, rolê que ocorreu no Centro de Marília, cidade do interior paulista, especificamente no Espaço Cultural, com a proposta de fortalecimento da cultura hip hop, ao mesmo tempo evidenciando o protagonismo das minas nos espaços do movimento, onde vemos cada vez mais mulheres ocupando esses espaços e criticando a existência de muito machismo.

As intervenções que marcaram o domingo do dia 28 na cidade começaram com discotecagem do DJ Ciro (Marília), seguida da DJ PAUL da cidade de Assis. O Projeto Raízes junto com o Coletivo Negras Ginga e AfroDandara todos de Marília, vieram na sequência com o debate sobre as questões da vivência de ser uma mulher negra numa sociedade racista e realizaram uma oficina de turbantes divulgando conhecimento e valorização da cultura afro. Após a oficina, ocorreu a batalha de BBoy’s e BGirl’s onde quem levou a premiação de 1° lugar foi o BBoy João Pedro da cidade de Bauru, ficando o 2° e o 3° lugar, respectivamente com o Bboy Amendoin (Marília) e o Bboy Ronny (Marília).

Duas estudantes da Unesp Marília, Thainá Pedroso e Babi Bulgare, fizeram um debate sobre o feminismo negro, abordando questões da vida de pessoas negras, tanto no passado escravista quanto no presente, marcado pela dupla opressão que as mulheres negras passam, e de como é importante afirmar-se e empoderar-se, para o fortalecimento da autoestima e para o combate a opressão, ao mesmo tempo que só o empoderamento em si, e de maneira individual também não será a solução para superar o racismo. Empoderar-se é tornar consciência de si e de seus semelhantes como resultado de uma coletividade, fazendo com que esse movimento se torne uma parte fundamental de uma transformação maior, para além do individuo.

A Biblioteca Móvel, coletivo de cidade de Bauru, que visa arrecadar livros para fazer com que o conhecimento transite com mais facilidade pela quebrada, por meio de bancas de livros montadas em praças e ruas ou eventos ligados ao movimento hip hop, trincou no rolê com a doação do livro “Nelson Triunfo, do Sertão ao Hip Hop”, que fala sobre a caminhada do bboy Nelson Triunfo, um dos pioneiros do Hip Hop no Brasil, para ser rifado durante o evento, e como forma de ajudar a custear o transporte das irmãs e irmãos que vieram de Bauru, organizada pela Frente Feminina do Hip Hop também de Bauru.

Rolou também a batalha de mc’s, com a intermediação de Mc Shaman, nas regras estavam proibidos ataques com termo opressores, o que renderia a desclassificação dos Mc’s. O primeiro lugar ficou para o Mc Cauê Boal e o segundo com Mc Biju. Após a batalha tivemos a apresentação dos grupos de RAP: Harmonia D’Rua, Dom Black e Ouro D’Mina da cidade de Bauru, junto com o Ideologia Mc’s, Lirica e SBV de Marília.

O corre do rolê foi organizado pela conexão Bauru-Marília, idealizados e realizados pelas mc’s Lirica de Marília e Maloka de Bauru, tudo de maneira independente, o que foi muito importante para incentivar com que mais minas se envolvam cada vez mais no movimento Hip Hop, e exigindo um dos maiores lemas do Rap, o respeito! Afinal "respeito é pra quem tem".

As organizadoras do rolê mandaram seu depoimento pro Esquerda Diário:

Maloka, MC, Rapper e militante da C. HIP HOP:

"Desde meu recente contato com a cidade de Marília, venho me envolvendo nos roles de Rap e Hip Hop e vendo que o maior número de mulheres são de admiradoras e não de praticantes de algum elemento da cultura. A partir disso comecei a refletir sobre o que poderia ser feito para que quebrasse essa realidade e mudar a cena, tendo como representantes mais mulheres. Daí então o salve foi dado a irmã Lírica, que com total disposição topou em somar na construção, fazendo parte de 100% dos corres desde a idéia até a realização do projeto. A idéia geral do evento foi trazer o protagonismo feminino na cena do hip hop, incentivar mais membros da cultura a fazer cada vez mais movimentos nas ruas e também trazer o conhecimento sobre questões da etnia negra, expondo o racismo, o preconceito, a discriminação e trazendo idéias que fortifiquem essas pessoas para quebrar e superar combatendo tais opressões. Partindo daí começam os corres para a realização da 1° Edição do Expresso Hip Hop, contando com o apoio de DJ Ciro, DJ Paul, Mc Shaman, BBoys Pedro Def Kingz, Welton e BGirl Frahm Metanoia Crew como jurados da Batalha de Breaking, Frente Feminina de Bauru, Biblioteca Móvel 5° Elemento, Negras Ginga, Projeto Raízes, Thaina Pedro e Babi Bulgare, Taís Silva (Afrodandara), Grife Di Manno, Grupos Ideologia Mc’s, Harmonia D’Rua, Lírica, Dom Black, SBV, Ouro D’Mina, Secretaria da Cultura e Espaço Cultural da cidade de Marília. Espero que através deste incentive cada vez mais pessoas a se envolverem com o Hip Hop e trazendo cada vez mais pessoas a se envolverem também, e conectar-se as suas essencias. Satisfação total e agradeço a todos que somaram e marcaram presença no role.

Lírica, rapper e militante da cultura Hip Hop:

“Meu envolvimento efetivo na cultura HIP HOP é um processo recente, apesar da música, o canto e a escrita fazerem parte da minha vida desde pequena, assim como os elementos da cultura hip hop. Tudo começou em 2014 quando decidi colocar minhas poesias e letras pra rodar. Desse despertar encorajado surgiu o grupo Pé na Porta, encabeçado por mim, DJ Paul, DJ Meg e Gabriela Carvalho, três parceiras de Assis, cidade na qual nós residíamos na época. Neste processo, construímos o Projeto Pé na Porta com o intuito de fomentar as relações dentro do movimento hip hop em Assis, tal como fortalecer o protagonismo feminino nos elementos da cultura - e nós nos fortalecendo nessa construção. Fiquei imensamente feliz em somar com a Maloka, já mais experiente no movimento, representante da Frente Feminina de Bauru, na produção de um evento tão grandioso como foi o Expresso Hip Hop, que abordou não só a questão do empoderamento feminino na cultura, levando reflexões importantíssimas sobre identidade negra, racismo, feminismo negro, entre outras. Agradeço a Amanda pela amizade e oportunidade de nos fortalecermos, e à todos que colaboraram e compareceram!! 1° Edição do Expresso Hip Hop, Agradecemos o apoio de DJ Ciro, DJ Paul, Mc Shaman, BBoys Pedro Def Kingz, Welton e BGirl Frahm Metanoia Crew como jurados da Batalha de Breaking, Frente Feminina de Bauru, Biblioteca Móvel 5° Elemento, Negras Ginga, Projeto Raízes, Thaina Pedro e Babi Bulgare, Taís Silva (Afrodandara), Grife Di Manno, Grupos Ideologia Mc’s, Harmonia D’Rua, Lírica, Dom Black, SBV, Ouro D’Mina, Secretaria da Cultura e Espaço Cultural da cidade de Marília.

RESISTÊNCIA!”




Tópicos relacionados

Hip Hop   /    Questão Negra   /    Mulher   /    Marília   /    Cultura

Comentários

Comentar