Cultura

DANÇA

Expansão do Sentir

Nesta sexta-feira, no teatro do sesc campinas, a companhia de dança sensorium apresentou sua montagem Expansão do Sentir.

domingo 14 de agosto| Edição do dia

Uma apresentação extremamente sensível desenvolvida pela bailarina e coreógrafa Claudete B. Takahashi e sua Cia. Ela vai contar com a brincadeira com os tecidos e movimentos inspirando-se nas obras da expressionista alemã Pina Bausch (1940- 2009) e nas referências aos trabalhos de Eutonia Gerda Alexander (1908-1994) para em torno de diversas emoções levar o espectador a uma viagem pelas emoções e controvérsias da vida contemporânea.

Uma obra que vai brincar o tempo inteiro com os sentimentos e com a vida contemporânea, sendo extremamente reflexivo sobre vários aspectos, desde o despertar ao amar, e te trazer diversos sentimentos a cada movimento, diversas emoções. É um completo mergulho nesse mundo do sentir...

Não se trata de qualquer concepção cênica, o espetáculo vai trazer a percepção da forma como os elementos da dança existem nela mesmo, todo o aspecto de relação com espaço, harmonia, controle do bailarino, a forma que o espectador se enxerga na obra e se insere ali. Em torno de todos esses aspectos a Cia. Sensorium vai ressignificando as ações, gestos em cada cena que se mostram em sua intimidade e cumplicidade. Nessa performance que combina um pouco de tudo: dança, elementos cênicos, personagens, criatividade, diálogos vai levar o espectador a viajar pelas diversas sensações como medo, alegria, agonia, saudade entre outros tantos...

A história de cada bailarino e a personalidade da coreógrafa com suas histórias, vivências e experiências dão a cada cena algo único, seja para imprimir leveza, peso, alegria, tristeza para aquilo que pretendem retratar. As emoções, em expansão do sentir, se conectam de forma que deixa a ideia de algo inacabado, o que o faz transcender a ideia dos paradigmas da vida contemporânea e dos sentimentos.

A cada cena você se sente de diversas formas, a apresentação vai te envolvendo de forma sútil e te transpondo a uma viagem para se aproximar daquilo que Pina e Gerda mais gostavam de retratar: a alma humana.




Tópicos relacionados

Dança   /    Cultura

Comentários

Comentar