Sociedade

CRISE NA SAÚDE

Exames de HIV estão paralisados por falta de kits no Ministério da Saúde

Após cortes orçamentários, faltam kits para exame de carga viral, e o atendimento aos pacientes com AIDS está paralisado nos 14 centros de referência de São Paulo. Os testes são fundamentais para o tratamento da doença.

quinta-feira 10 de agosto| Edição do dia

Desde junho a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo não tem recebido os kits para exame de carga viral distribuídos pelo Ministério da Saúde. Por conta da carência desses kits, os 14 centros de referência de São Paulo para tratamento de HIV estão com seus atendimentos afetados, e não há previsão de retorno dos exames, que foram suspensos pelo Governo Federal.

Os pacientes em tratamento do vírus da AIDS devem fazer os testes a cada seis meses para monitorar a infecção. O exame de carga viral é necessário para calcular a quantidade de vírus no sangue e controlar o tratamento com antirretrovirais. Mas em SAEs (Serviço de Atendimento Especializado) como a do M’Boi Mirim há pacientes que esperam há três meses pelo atendimento.

Segundo a Prefeitura, com a falta de testes gestantes e crianças têm tido prioridade no atendimento. No entanto, nenhuma medida de contenção é capaz de minimizar o problema de saúde pública que tal negligência pode gerar.

Segundo o Boletim Epidemiológico de HIV e Aids de 2016, 827 mil pessoas vivem com HIV/Aids no Brasil, com cerca de 41,1 mil casos novos por ano. Entre homens e jovens, a taxa de contaminação tem subido.

A falta desses kits vai na contramão do combate à contaminação por HIV no país. A maior dificuldade no tratamento está em garantir que os pacientes frequentem as unidades de saúde regularmente para controlar sua doença, e a falta de suporte para o tratamento pode levar ao seu abandono. A transmissão do vírus só ocorre a partir de uma determinada carga viral no paciente, e a falta de informação sobre essa carga impede que aqueles que estão passando pelo tratamento saibam do atual estado da sua doença.

Ativistas ligados a ONGs e redes de pessoas com HIV e Aids marcaram um ato em frente à Prefeitura de São Paulo nesta quinta-feira (10) para cobrar que os exames sejam regularizados. Na terça-feira, dia 8, o Ministério da Saúde afirmou em nota no seu site que foi realizada nova compra de exames de carga viral, que devem chegar aos estados até o final da primeira quinzena de agosto, e a segunda remessa, até o final do mês.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar