Política

Ex-secretário admite que Cabral e Pezão receberam propinas em seus governos

sexta-feira 2 de março| Edição do dia

Sergio Cortez, ex-secretário da Saúde do governo de Sérgio Cabral (PMDB), nessa sexta-feira, em depoimento ao juiz Marcelo Bretas, declarou que o empresário Ronald Carvalho teria oferecido conteinners para o governo e imediatamente se tornado "contribuinte" do governo de Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Para o ex-secretário, as contribuições de empresários aos governo de Cabral e Luiz Fernando Pezão, na realidade são propinas. Ele ainda admiriu ter recebido propinas, mas negou os superfaturamentos.

A investigação "Fratura Exposta", acusa o ex-governador de desviar 300 milhões da pasta da Saúde do Estado, o que significaria cerca de 10% do valor dos contratos nacionais e internacionais.

Na divisão de propinas, Sérgio Cabral ficaria com 5% e Sérgio Côrtes com 2%. O restante seria dividido entre o subsecretário de saúde, Cesar Romero, e o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Vale lembrar que Sergio Contez têm uma longa lista de envolvimentos em escândalos de corrupção. Um deles é a chamada "Farra dos Guardanapos", episódio ocorrido em 2009, em Paris, em que algos políticos do Estado do Rio comemorava a escolha do Rio para cediar as olimpiadas em 2016, mesmo sem isso ao menos ter sido anunciado na época.

Teria ocorrido uma compra de votos para o Rio sediar as Olimpíadas, na época estavam presentes não só Sergio Cortez, mas também ex-chefe da Casa Civil do Rio de Janeiro, Régis Fichtner, o empresário Georges Sadala (ambos presos hoje) e o empresário Fernando Cavendish.




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Sérgio Cabral   /    Política

Comentários

Comentar