Evasão de divisas e lavagem de dinheiro na Igreja Universal

Alfredo Paulo Filho, ex-bispo da Igreja Universal relatou ao jornal Folha de São Paulo um esquema de evasão de divisas e lavagem de dinheiro promovido pela igreja e pela Rede Record, do qual participou entre 2002 e 2009. Nesse período, cerca de 5 a 6 milhões de dólares foram enviados ilegalmente de Angola para Portugal todos os anos.

segunda-feira 15 de agosto| Edição do dia

Alfredo declarou que a campanha de arrecadação de dinheiro da Igreja Universal em Angola rendia cerca de 13 milhões de dólares por ano. Desse valor, quase a metade era enviado para a África do Sul sem ser declarado e tributado, escondido em portas, pneus e estepes de carros. Na África do Sul, o dinheiro era embarcado no jatinho particular de Edir Macedo, fundador da Universal e dono da Rede Record, e enviado para Portugal. Lá, o dinheiro era trocado por Euros e depositado na conta da igreja, como se fosse oriundo do dízimo dos fiéis portugueses. Esse dinheiro seria usado para sustentar filiais da Record e da igreja na Europa.

Edir Macedo tinha conhecimento do esquema, segundo o ex-bispo. O dono da rede de televisão, inclusive, teria chegado a viajar no jatinho com algumas das remessas de dinheiro, e se beneficiado de seu passaporte diplomático para que as malas com o dinheiro não declarado não fossem revistadas.

A Igreja Universal, fundada por Macedo em 1977, hoje possui mais de 7000 endereços, espalhados por mais de 100 países. A isso se soma uma rede midiática composta pela Rede Record e suas afiliadas, emissoras de rádio e jornais impressos; além de grandes ligações com o PRB (Partido Republicano Brasileiro), do reacionário candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomano (que há anos é apresentador de um programa de “defesa do consumidor” na Record).

O império criado por Macedo vai muito além de suas supostas intenções religiosas. É um enorme aparelho político e midiático dos patrões e das parcelas mais conservadoras da sociedade. Além de ser uma empresa altamente lucrativa, a Rede Record expõe cotidianamente seu posicionamento retrógrado. Frequentemente os apresentadores dos “programas policiais” fazem exaltações às atitudes repressoras das polícias e incitações à pena de morte para os “marginais”. Nos programas ditos de entretenimento não foge à regra das outras emissoras, objetificando o corpo feminino.

Não obstante, o PRB foi um dos partidos que apoiou o golpe institucional no país, votando a favor do impeachment, que abriu espaço para ataques ainda mais duros que os já praticados anteriormente pelo PT.

A denúncia apresentada por Alfredo Paulo Filho mostra como essa rede “religiosa”/comunicativa/política se constrói: apoiando se na corrupção. Mas também servindo-se largamente de ideias reacionárias e do golpista PRB.




Tópicos relacionados

Corrupção

Comentários

Comentar