Internacional

Eva Copa alerta possível autogolpe contra ultimato militar

O comandante das Forças Armadas, Sergio Orellana, em uma entrevista coletiva pela manhã, declarou que darão o prazo de uma semana para a Assembléia Legislativa Plurinacional (ALP) ratificar "promoções". A presidente do Senado, Eva Copa, alerta sobre possível golpe de Estado. É urgente lutar por uma solução independente para os trabalhadores, camponeses, indígenas e populares.

segunda-feira 25 de maio| Edição do dia

Foto: redes sociais

Hoje mais cedo foram ouvidos rumores de um autogolpe, depois que o comandante das Forças Armadas, Sergio Orellana, acompanhado por uma delegação do Alto Comando Militar, vestindo uniformes camuflados, entrou na Assembléia Legislativa Plurinacional (ALP) para entregar uma carta exigindo que fossem ratificadas as promoções. Essas promoções foram adiadas por vários meses.

Conforme estabelecido no artigo 172, número 19, da Constituição Política do Estado (CPE), o presidente pode propor promoções do alto comando militar, mas, para serem efetivos, devem ser ratificados pelo Senado (art. 160, número 8, CPE).

Orellana, depois de ter entregue a carta, em uma conferência de imprensa na Plaza Murillo, deu um ultimato à ALP para que, em uma semana, o Senado proceda a essa ratificação. Caso contrário, declarou que essas promoções seriam feitas por decreto, pois, em suas palavras, a ALP deve ratificar apenas a decisão do executivo. Da mesma forma, ele afirmou que a ALP não pode "aprovar ou rejeitar", mas deve simplesmente ratificar, como se fosse um procedimento administrativo. Ele observou que "a ALP não está tratando as instituições armadas com o devido respeito". É bom lembrar que foram as Forças Armadas que colocaram Jeanine Áñez com a gangue presidencial, ignorando a ALP, dando a ela, hoje, um ultimato.

A pressa por parte dos altos comandos militares de ratificar as promoções propostas pela auto-nomeada Áñez, deve-se à necessidade de os oficiais do golpe se cobrirem com maiores garantias de poder e impunidade diante dos assassinatos produzidos nos massacres de Sacaba, Ovejuyo e Senkata. Isso mostra sua preocupação com a situação indefinida e fluida da crise política que o país está passando, o que faz com que os altos funcionários temam seu próprio futuro.

Da mesma forma, como os líderes sindicais denunciaram, em uma conferência de imprensa na cidade de El Alto, a proposta de promoção enviada por Áñez violaria os regulamentos internos das próprias instituições armadas, para favorecer os militares claramente comprometidos com o seu governo e ficarem de fora as promoções para os oficiais "não confiáveis". No mesmo sentido, nas redes sociais, se multiplicam supostas cartas de militares solicitando a suspensão das promoções, revelando uma profunda crise nas instituições armadas.

Para tentar salvar essa situação, Áñez apresentou, na semana passada, ao Tribunal Constitucional Plurinacional (TCP) uma ação de conformidade para obrigar os senadores a ratificar promoções militares, ignorando que é uma atribuição do Senado determinar se aceita ou rejeita as propostas de nomeação. (art. 160, número 8, CPE).

A gravidade das declarações de Sergio Orellana, pressionando a ALP para que as promoções fossem viabilizadas em uma semana, motivou a rejeição da presidente do Senado, Eva Copa.

Copa, antes desta ultimato, em sua conta no twitter, ratificou o que ele já havia dito nos últimos dias e que as redes sociais também ecoavam: que o governo de Áñez e as instituições repressivas estavam preparando um golpe.

Da mesma forma, na conferência de imprensa acima mencionada, de organizações sociais, de bairro e de camponesas na cidade de El Alto, liderada pelo líder da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Mineração da Bolívia (FSTMB), Orlando Gutiérrez, exigiu a convocação imediata de eleições e rejeitou a possibilidade de um golpe, lembrando que seus irmão também estavam dentro das Forças Armadas e da polícia. Alertaram que podem acontecer algumas ações se o governo, de fato, não proceder às convocações, evidenciando assim a pressão social significativa de que as burocracias sindicais e os movimentos sociais - que eram massivos e deram o golpe em 10 de novembro - , estão sentindo desde então.

Os golpistas resistem em convocar eleições

Os rumores de golpe de Estado começaram após que a ALP, levando em consideração o prazo sugerido no projeto de lei apresentado por Salvador Romero, presidente do Supremo Tribunal Eleitoral (TSE), definiu o intervalo para as eleições em um período de 90 dias, cuja data máxima seria em 3 de agosto próximo. Dada a recusa da presidente em promulgar a lei aprovada pela ALP, foi promulgada pela presidente do senado, Eva Copa, com o apoio de 2/3 do MAS no parlamento e protegida pelo artigo 163 , número 11, do CPE.

O recurso de inconstitucionalidade apresentado pelo governo e o de nulidade apresentado pelo ex-senador e atual ministro das agroindústrias, Oscar Ortíz, foram acompanhados pelas denúncias do ministro do governo, Arturo Murillo, de que o MAS estava preparando um golpe de Estado. Murillo fez essa afirmação se apoiando na crescente tensão social causada por uma quarentena militarizada generalizada e a fome que começa a transbordar em vastos setores populares e precários do país. Isso foi expresso em mais de uma dúzia de pontos de bloqueio (K’ara K’ara em Cochabamba, Macha no Norte Potosí, Yapacaní em Santa Cruz, Senkata, Río Seco e em El Alto) e por panelaços maciços nas últimas semanas, que já tinham, sem exceção, a demanda por eleições como um de seus pontos centrais, juntamente com o pedido de relaxamento da quarentena para poder exercer o direito de trabalhar.

Diante das acusações de Murillo, Eva Copa e representantes de organizações sociais responderam que não havia plano de golpe em andamento. Eva Copa, em recente entrevista ao conhecido jornalista Jhon Arandia, e com lágrimas nos olhos, denunciou que o governo acusa o MAS de todos os protestos por causa da fome, reconhecendo o que vários líderes estavam dizendo: que estavam sobrecarregados e que os protestos não foram incentivados pelo partido de Evo Morales. Assim, ele devolveu o golpe a Murillo, afirmando que, na realidade, é o governo de Áñez que prepara um autogolpe para fechar a ALP e encerrar o papel de supervisão que estaria cumprindo.

A recusa do bloco golpista em fixar uma data de eleição, argumentando que é um risco à saúde, não tem fundamento, pois a quarentena está sendo quebrada a cada hora, cada vez mais. A força dos fatos contradiz e prejudica o discurso e as medidas dos golpistas diante da pandemia. Por um lado, pressionados pelos protestos de fome, eles são forçados a relaxar a quarentena. Tanto é que, a partir desta segunda-feira, por exemplo, em La Paz, onde vários municípios ainda eram considerados áreas de alto risco, começará a flexibilização. Em outras palavras, a realidade em si torna a quarentena mais flexível, e isso dificulta que os líderes do golpe se apoiem nesse argumento para continuar adiando as eleições.

Dessa forma, o que discutimos a partir desta linha editorial é confirmado: foi muito difícil para o bloco agroindustrial, administrativo, policial e militar, que havia ensanguentado o país consolidando o golpe de Estado, decidir passar o poder para as urnas, ao menos que pudessem, de alguma maneira, garantir, até por meio de fraude, uma certa vitória. No entanto, isso está se tornando mais difícil a cada dia, porque é graças à sua administração repleta de casos embaraçosos de corrupção, onde foi abertamente despojado que eles assumiram o poder de impor uma agenda de renúncia aberta aos nossos recursos e privatizações, que também acompanhou medidas crescentes de repressão, perseguição e violações de liberdades e direitos básicos, como a liberdade de expressão, colocando Áñez e Murillo como os líderes de campanha do MAS. E onde, cada vez mais, setores da classe média estão começando a reavaliar criticamente o movimento cívico que começou em outubro do ano passado.

É urgente a mais ampla unidade operária, camponesa, indígena e popular para enfrentar o golpismo

A gravidade das declarações do comandante das Forças Armadas que ameaçam aprofundar a virada reacionária que continua avançando, desde o golpe de novembro, deve ser fortemente condenada por trabalhadores, camponeses, indígenas, estudantes, mulheres e organizações populares.

O golpe de estado pretende avançar sobre todas as liberdades democráticas, para pavimentar o caminho para a imposição de um plano de ajuste brutal, com dezenas de milhares de demissões, de cortes salariais, de cortes nos direitos trabalhistas e para facilitar a entrega de todos os recursos naturais ao voraz capital transnacional. Além de avançar em sua campanha de enriquecimento acelerado, como evidenciado pelos casos escandalosos de corrupção no país. A vida dos trabalhadores, dos povos e das comunidades indígenas e camponesas, e de todos os setores populares estão em perigo.

A profunda situação da crise sócio-sanitária, política e econômica em andamento é prolongada graças à colaboração permanente que o MAS vem fornecendo do Parlamento aos líderes do golpe. Primeiro, foi a fuga de Evo Morales e García Linera sem luta; depois vimos a sessão parlamentar de 17 de novembro que legitimava o autoproclamado governo de transição de Áñez, estabelecendo uma nova data de eleição, usando como moeda de troca os sangrentos massacres de Ovejuyo e Sacaba, e o que facilitou o massacre de Senkata dois dias depois.

A partir daí, eles aprovaram todas as leis propostas por Áñez para decretar um estado de emergência sanitária sem aprovar disposições que permitam que o mais humilde dos trabalhadores desfrute de um salário de quarentena equivalente à cesta básica da família, permitindo que Áñez e Murillo tenham as mãos livres para militarizar o país, levando vastos setores populares ao desespero, por fome.

Apesar de o candidato do MAS, Arce Catacora, declarar que está disposto a impor impostos sobre grandes fortunas para financiar um salário mínimo para toda a população, seus parlamentares não adotaram nenhuma medida a esse respeito, deixando claro que eles estão apostando apenas no demagogia eleitoral. Dos pontos de bloqueio que ocorreram na semana passada, vários foram suspensos e suspensos graças à colaboração de diálogo dos líderes do MAS contra a vontade de lutar contra suas próprias bases mobilizadas. Com esse pano de fundo, não se pode excluir que o MAS acabe aprovando as promoções das Forças Armadas propostas por Áñez.

Enquanto a ofensiva do golpe continua ameaçando até esses mesmos conciliadores com o fechamento do ALP, os líderes do MAS estão pedindo a realização de eleições que, com certeza, não sabem quando acontecerão, ignorando que as pessoas estão com fome hoje. Os empregos estão sendo perdidos hoje, os salários estão caindo hoje, os transgênicos estão chegando hoje, o lítio está sendo entregue hoje. Muitos trabalhadores rurais e urbanos aguardam as eleições como a maneira mais concreta de aliviar as dificuldades que estão enfrentando.

Nós, da LOR-CI, não damos apoio político ao MAS, nem antes nem agora, no entanto, defendemos o direito democrático dos setores populares que exigem eleições. No entanto, dizemos a eles para não deixarem essa importante demanda nas mãos de Eva Copa ou Arce Catacora, pois, como estamos vendo, eles as deixam nas mãos de Áñez e Murillo. Somente organizando e lutando pelas bases é que poderemos impor um processo eleitoral ao bloco de golpe que não é condicionado pelas Forças Armadas ou pelo imperialismo, a OEA ou os golpistas.

Chamamos urgentemente sindicatos, operários, camponeses, organizações sociais, indígenas, mulheres, organizações de bairros e pessoas pobres a discutir urgentemente medidas para enfrentar este brutal ataque capitalista que querem nos impor com uma faca no pescoço.

Há uma necessidade urgente de discutir a coordenação de todas as manifestações de descontentamento e resistência, bem como a demanda imediata de que sejam entregues aos trabalhadores as empresas ou fábricas que forem fechadas ou nas que tenham demissões em massa, como Altifibers, Fidalga e outras.

A quarentena está se flexibilizando e a curva de contágio continua a aumentar, o risco de contágio para trabalhadoras e trabalhadores está aumentando. Basta deles se enriquecerem às custas da saúde das pessoas. Deve-se prender todos os responsáveis ​​pelos casos escandalosos de corrupção que testemunhamos nas últimas semanas. Devemos exigir imediatamente a centralização de todos os sistemas de saúde.

Todos os hospitais e clínicas particulares devem ser nacionalizados para acabar com os grupos particulares de saúde e colocar todos esses recursos nas mãos dos profissionais de saúde: em primeiro lugar, das enfermeiras; das trabalhadoras e trabalhadores de limpeza; e das cozinheiras . Somente dessa maneira podemos garantir testes massivos para mapear a rota do vírus e poder isolá-lo efetivamente, além de garantir o fornecimento de suprimentos e de materiais de biossegurança, entre outras necessidades urgentes para enfrentar a pandemia.

Dizem que não há dinheiro, mentira! Basta de pagar a dívida externa contratada por Evo Morales e agravada pelo governo de Áñez. Impostos progressivos sobre empresários e agroindustriais, financiadores do golpe e da repressão.

Da Liga Revolucionária dos Trabalhadores para a Quarta Internacional (LOR-CI), consideramos que, no calor desta luta, poderemos convencer a grande maioria trabalhadora de que a solução abrangente de todos esses problemas econômicos, de saúde e sociais só será alcançada efetivamente com um Governo dos trabalhadores em uma poderosa aliança de operários, camponeses, indígenas e todo o povo pobre. Esta é a única maneira de não pagarmos pela crise desta vez, que ela seja paga pelos ricos e pelos capitalistas.




Tópicos relacionados

Crise Política na Bolívia   /    Eleições 2020 Bolívia   /    Jeanine Añez   /    Quarentena   /    COVID-19   /    pandemia   /    Golpe de Estado Bolívia   /    Evo Morales   /    Internacional

Comentários

Comentar