ESTUDANTES E PROFESSORES

Estudantes protestam contra demissões em massa na Uniritter no RS

Na semana passada, estudantes e professores foram noticiados sobre 100 demissões na faculdade privada Uniritter, com campus em Porto Alegre e em Canoas no Rio Grande do Sul. Além disso, as grades curriculares de vários cursos foram modificadas, excluindo algumas disciplinas antes lecionadas pelos agora demitidos. Inconformados com a situação, estudantes protestaram e reitora foi substituída.

terça-feira 19 de dezembro de 2017| Edição do dia

Na semana passada, a faculdade privada Uniritter, no Rio Grande do Sul (RS), noticiou a demissão em massa de cerca de 100 professores ao Sindicato dos Professores do Ensino Privado no RS (Sinpro). A faculdade que possui três campi, dois em Porto Alegre e um em Canoas, não quis informar à mídia o número exato de demissões. Os números seguem a tendência de diversas universidades do Brasil que estão demitindo em massa após a aprovação da Reforma Trabalhista.

Os professores do curso de Direito foram convidados à uma reunião onde seriam instruídos sobre a mudança na grade curricular dos cursos que também está sendo implementada. Chegando lá, receberam a ordem de demissão. Segundo o presidente do Sinpro, as demissões ainda podem chegar a 150.

A mudança da grade curricular foi informada aos estudantes através de um comunicado. Ela inclui a junção entre diversas disciplinas nos cursos, de forma que disciplinas distintas antes lecionadas por professores distintos agora necessitam de apenas um. Ou seja, a mudança está sendo usada como desculpa para a demissão em massa, como foi repassado pela reitoria da faculdade ao próprio sindicato.




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Universidade   /    Professores

Comentários

Comentar