Educação

LUTA DOS ESTUDANTES DO RJ

Estudantes ocupam a SEEDUC por algumas horas, mas UBES e AERJ manobram para desocupar

A Secretaria Estadual da Educação do RJ foi ocupada durante algumas horas ontem (5) pelos estudantes das escolas estaduais ocupadas. Alguns professores em greve estiveram presentes apoiando os estudantes.

sexta-feira 6 de maio| Edição do dia

Foto: Reprodução/ Facebook

Os capangas da SEEDUC, responsáveis por organizar visitas às escolas ocupadas em favor do “movimento” #desocupajá, estão há meses tramando para acabar com as ocupações, desde organizar invasões às escolas para tentar intimidar os estudantes, ou pela via da cooptação, tentando cooptar estudantes negociando separado com algumas escolas para enfraquecer e confundir o movimento.

Além disso, a SEEDUC decretou férias nas escolas ocupadas, com isso bloqueando Rio Card (que “misteriosamente” parava de funcionar alguns momentos), uma clara estratégia de tentar sufocar as ocupações. A última da SEEDUC foi a proposta de liberação de recursos de 15 mil reais para reformas em cada escola ocupada. Uma piada pronta diante da realidade de escolas sem ar-condicionado, faltando professores, com diretores que são indicados ninguém sabe de onde e que na verdade deveriam ser eleitos por voto universal pela comunidade escolar. Acharam que podiam enganar os estudantes e se deram mal, porque além das questões de estrutura, as ocupações revelaram o descaso com a educação por parte do estado, quando os estudantes descobriram livros, uniformes, computadores e até instrumentos musicais lacrados dentro da própria escola. A luta dos estudantes não é só pela reforma de algumas salas, reivindicam também mais professores de sociologia e filosofia e apóiam a greve dos professores porque entendem que o problema é o abandono da educação de conjunto por parte do estado.

A SEEDUC foi obrigada a reconhecer o comando de greve dos estudantes e marcar data para negociação. No site da Anel podemos ver o documento assinado.. Marcar uma reunião sem sinalizar que vai ceder em nada é muito pouco, perto do que a SEEDUC vem fazendo contra as ocupações. No mínimo, deveriam garantir o funcionamento dos Rio Card e parar de perseguir os estudantes dentro das escolas, esse é o pressuposto de qualquer diálogo.

Porém, a SEEDUC contou com a ajuda da UBES, da AERJ e da ANEL para fazer com que os estudantes desocupassem neste mesmo dia. O acordo foi apresentado aos estudantes que ocupavam a SEEDUC como uma vitória por estas duas entidades estudantis. Para a UBES, entregar a luta dos estudantes para os governos é um procedimento padrão, sendo que a União da Juventude Socialista (PCdoB) que dirige esta entidade era uma importante aliada do PMDB até um mês atrás. Por causa desta prática foram rechaçados das ocupações estudantis em SP.

As três entidades apresentaram a proposta de desocupação, fazendo valer um voto por escola apenas, uma forma de calar os estudantes que queriam seguir ocupados até que o governo ceda as suas pautas, porque diminuía o peso destes estudantes na decisão. A ANEL confunde os estudantes ao colaborar com o discurso da UBES e AERJ, porque em sua página no facebook faz parecer que a assinatura de um papel dizendo que haverá uma negociação, sem nenhuma sinalização de que o governo vai ceder é uma vitória por si só. Isto acontece porque a juventude do PSTU que está na Anel enxerga vitórias em tudo, até no golpe parlamentar..

Resumindo, após anteciparem a decisão do comando de ocupar na próxima segunda-feira e depois manobrarem a situação em favor da desocupação, com a avaliação de objetivo cumprido ao receberem um comunicado da SEEDUC de compromisso na construção do calendário, mas que na pratica não garante nada, essas mesmas entidades passaram a acusar os professores presentes de tentar manipular parte dos estudantes na tentativa de cooptar a ocupação para o movimento grevista. Dentre esses, membros do comando de greve do Sepe, que foram ao local por disposição pessoal prestar apoio, já que a entidade não tirou nenhum encaminhamento para isso.

Diante desta situação em que entidades como UBES, AERJ e ANEL passam por cima das decisões dos estudantes, é preciso fortalecer o comando de escolas ocupadas, aonde todos representantes devem ser eleitos em assembleias de escolas ocupadas, e este comando é que deve tomar a dianteira do movimento, organizando atos unificados e descentralizados, fortalecendo as ocupações que precisam de ajuda e ajudando novas escolas à ocupar, para derrotar os cortes deste governo.




Tópicos relacionados

Ocupação escolas RJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Juventude

Comentários

Comentar