Juventude

NORDESTE CONTRA A PEC

Estudantes ocupam Escolas públicas em Sergipe

Em Sergipe também temos ocupações em escolas públicas. As duas primeiras escolas a serem ocupadas pelos estudantes foram a Escola Estadual Felisbelo Freire, no Município de Itaporanga D’Ajuda e o Colégio Estadual Dr. Carlos Firpo no município de Barra dos Coqueiros no Estado.

quarta-feira 26 de outubro| Edição do dia

Seguindo o exemplo dos estudantes de outros estados como o Paraná com mais de mil ocupações, os estudantes das duas unidades escolares protestam contra as Medida Provisória (MP) 746 que institui a reforma no Ensino Médio e as PEC 241 aprovada ontem pela segunda vez na Câmara dos deputados e a PEC 257. Outros pontos da pauta das ocupações das duas escolas do interior sergipano são: a regularização do transporte escolar, segurança e falta de estrutura das escolas.

As ocupações permitem que ressurja a luta por uma educação pública de qualidade. Esse movimento tem a característica de ser independente da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), a USES (União Sergipana dos Estudantes Secundaristas) e União Nacional dos Estudantes, (UNE) que seguindo a política do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) se encontram imobilizadas, paradas com a sua estrutura burocrática não organizando nenhuma luta séria.

A escola situada em Itaporanga foi a primeira a ser ocupada pelos estudantes e foi a consequência de uma ação conjunta dos estudantes do Ensino Médio e universitários.

Os ocupantes afirmam na sua página no facebook Itaporanga por mais Educação que: “Lutamos pela melhoria do transporte escolar que sofreu reduções na frota e opera em condições precárias de estrutura e segurança. A reforma do ensino médio propõe um ensino integral que limita os turnos disponíveis (se hoje o colégio Felisbelo Freire funciona nos 3 turnos, com a MP provavelmente só será possível uma turma em dois turnos, ou seja, diminui as vagas em um terço) e limita as matérias estudadas na escola. Ao mesmo tempo, a PEC 241 congela os gastos com educação e impossibilita não só o aumento do salário dos professores, mas também as verbas para melhorar a estrutura das escolas e abrir novas. Com este cenário, o que vemos para o futuro de Itaporanga são jovens sem os ônibus para as escolas do município, as universidades e ensino técnico. Escolas com menos vagas, menos verbas e menos estrutura”.

Os estudantes da Barra dos Coqueiros também explicitaram os motivos pelos quais ocuparam a escola na sua página no facebook Ocupe o Firpo que: “Nesta segunda feira, 24, nós alunos do Colégio Estadual Doutor Carlos Firpo, ocupamos a nossa escola para denunciar o descaso e a falta de respeito que nos deparamos diariamente. A mais de vinte anos a nossa escola não passa por uma reforma, somos expostos a marginalidade, nossa segurança sendo colocada em risco, sofremos um abandono, e com esse governo ilegítimo e golpista vemos nossos direitos sendo comercializados, a mais de uma semana estamos debatendo o pacote de maldades do governo temerário (PEC 241, MP 746 que pauta a reformulação do ensino médio e o projeto de escola sem partido), e acreditamos que a saída para todo esse retrocesso é a nossa luta, a educação publica não é mercadoria, não aceitaremos que ela seja comercializadas, não compactuamos com esse projeto de governo neoliberal que retira diretos da classe trabalhadora, não aceitaremos nenhum direito a menos, nosso nome é estudante, mas, podem nos chamar de resistência!”.

Desde Esquerda Diário nos solidarizamos ativamente com as ocupações em curso e entendemos que é preciso coordenar as lutas para barrar os ataques do governo golpista institucional aos trabalhadores e a juventude.




Tópicos relacionados

Educação   /    Juventude

Comentários

Comentar