Educação

GREVE UNICAMP

Estudantes e trabalhadores em greve protestam no "tapetão" em defesa da saúde e educação públicas

quinta-feira 30 de junho de 2016| Edição do dia

Ao meio dia desta quinta feira (30) trabalhadores e estudantes da Unicamp realizaram um protesto fechando o tapetão, principal via de acesso do centro de Campinas para Barão Geraldo, onde se localiza um dos campi da universidade, para mostrar suas pautas à população e cidade.

Os estudantes levavam faixas relacionadas à reivindicação de cotas raciais e permanência estudantil, que são pautas da greve e ocupação da reitoria, junto com a denúncia dos cortes orçamentários que atingem diversas áreas da universidade, incluindo ensino e serviços como o hospital universitário, que sofrerá um corte de verbas de cerca de 10 milhões, aumentando ainda mais as filas e os problemas com falta de leitos.

Os trabalhadores, em uma luta conjunta pela qualidade da educação e saúde públicas, reivindicam reajuste salarial de acordo com a inflação, além de também lutarem pelas políticas de acesso e contra os cortes.

Os estudantes seguem com sua forte mobilização nos cursos e ocupando a Reitoria, que até agora tem se demonstrado intransigente no que se refere às negociações, e joga com ameaças de reintegração de posse, multas e interditos proibitórios. As pautas ligadas à ampliação da moradia e o debate de cotas avançaram, no entanto, a Reitoria segue se negando a rever ou mesmo debater os cortes e não se compromete a não punir os que lutaram.

Hoje, além desse ato que demonstrou a vontade de diálogo com a população para a defesa dos interesses públicos, ainda aconteceu nesta tarde uma manifestação contra ações racistas de professores que se referiram a estudantes em greve como "primatas" ou mesmo estudantes que atacaram grevistas a partir da repercussão e um vídeo.

A Reitoria promete dar uma resposta à contraproposta enviada pelos estudantes depois de sua última assembleia ainda hoje, os estudantes mantém sua mobilização e devem se reunir para decidir sobre os próximos passa e luta.




Tópicos relacionados

Greve das estaduais paulistas   /    Unicamp   /    Educação   /    Campinas

Comentários

Comentar