Estudante de São Gonçalo (RJ) sofre racismo em loja por usar mascara contra a COVID-19

O estudante de Relações Internacionais na UFRJ, Carlos Paulo Falcão de 21 anos, acusa um centro Comercial no bairro de Alcântara em São Gonçalo (RJ) de injuria Racial por ter sido abordado de forma discriminatória durante a tarde do dia 8 de Abril.

sexta-feira 10 de abril| Edição do dia

Ao tentar entra na loja, o estudante, que estava vestindo o moletom da universidade para se proteger da chuva, uma bandana e uma mascara (para se proteger da COVID-19), foi abordado de forma agressiva pelo segurança do centro comercial que lhe disse que era proibido andar de capuz na loja.

— Ele me constrangeu porque gritou comigo no meio da loja. Depois, voltei lá com os meus pais e eles ficaram todos indiferentes. A gerente da loja só me perguntou se eu queria um pedido de desculpas e me pediu para ligar para o SAC. Não souberam contornar o problema — disse o estudante ao jornal O GLOBO.

Durante a pandemia do coronavírus o racismo fica muito mais evidente, serão os negros os mais afetados com a doença que se prolifera rapidamente em casas com mais pessoas e terão que recorrer a um sistema de saúde que não da conta de todas as pessoas, também irão sofrer mais com o autoritarismo do Estado. Por isso, é necessário a defesa de testes massivos para que o isolamento social de qualidade seja garantido àqueles que não tem condição de fazer isso em casa, assim como a garantia de equipamentos e contratação de profissionais da saúde para o SUS, que nos últimos anos vem sofrendo um grande desmonte.




Tópicos relacionados

Coronavírus e racismo   /    Racismo   /    Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar