Internacional

CORONAVÍRUS

Estados Unidos-China: rumo a uma nova guerra fria?

A China está se preparando para votar uma nova lei de segurança nacional com a qual espera reprimir os protestos em Hong Kong e enviar uma mensagem a um Taiwan apoiado pelos EUA. Enquanto isso, surgem tensões econômicas e políticas entre as duas potências, com a crise do coronavírus em segundo plano.

Claudia Cinatti

Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

quarta-feira 27 de maio| Edição do dia

Enquanto grande parte da humanidade ainda luta entre a saída do confinamento e a perspectiva ameaçadora da crise econômica, social e política que o coronavírus está deixando, as mobilizações e a repressão voltaram às ruas de Hong Kong. Milhares de manifestantes desafiaram as proibições impostas desde o início da pandemia e saíram para protestar contra a nova lei de segurança nacional que a China imporá com a cumplicidade do impopular governo de Carrie Lam, para "restaurar a ordem" e liquidar o movimento que desde No ano passado, enfrentou a ofensiva do regime chinês sobre liberdades e autonomia democráticas e também a crescente desigualdade em um dos principais centros capitalistas.

Esta nova legislação liberará o Partido Comunista Chinês e sua contraparte de Hong Kong para acusar qualquer oponente político de "terrorismo", "separatismo" ou "agente de interferência estrangeira".

Internamente, é evidente que, com essa medida, o governo de Xi Jinping procura transmitir uma mensagem disciplinar não apenas aos ativistas de Hong Kong, mas principalmente aos trabalhadores da China, onde aumenta a probabilidade de conflito social e crise política. na sombra do coronavírus e do desemprego. Em suma, busca fortalecer seus traços bonapartistas e, aliás, renovar sua base social, apelando ao nacionalismo mais reacionário.

A outra dimensão dessa medida pelo governo chinês é geopolítica, e sua leitura é incompreensível para além da escalada da disputa com os Estados Unidos. O que a China fez foi esclarecer quais são suas "linhas vermelhas": a ofensiva de semi-autonomia de Hong Kong, garantida pelo acordo China-Grã-Bretanha de 1997, é um tiro de elevação em Taiwan - que A China reivindica como seu próprio território - e um aviso aos líderes das potências ocidentais, em particular Donald Trump, que ameaça reconhecer Taiwan como um país independente.

A lei é uma das votações mais importantes a ocorrer no legislativo chinês, que está em sessão nesta semana. Este pseudo parlamento, composto por 3.000 delegados do Partido Comunista Chinês, incluindo empresários e outros membros da burocracia dominante, condensa a elite política e sua função é validar a ditadura Bonapartista executiva. Seu valor reside em fornecer o cenário para a exibição simbólica do poder de Xi Jinping perante o público interno - começando pelo próprio PCC - e perante concorrentes, aliados, vassalos e parceiros comerciais do segundo poder econômico e principal rival dos Estados Unidos.

Esta sessão despertou interesse particular em ser a primeira exposição pública da política do estado a enfrentar os estragos que o coronavírus vem causando, incluindo uma queda no PIB de 6,8% no primeiro trimestre do ano (a primeira queda em quatro décadas) e o aumento do desemprego, que, segundo dados oficiais, é próximo de seis pontos. Os objetivos da burocracia dominante, expressos no discurso de abertura do primeiro-ministro, são ajustados aos tempos atuais: o eixo foi estabelecido para o desemprego, não havia metas anuais de crescimento do PIB (algo que não ocorria desde 1990), nem mesmo referências à eliminação da pobreza, objetivo estabelecido em 2010 e que seria atingido este ano. Esses números limitam o triunfalismo ao relativo (e questionado) sucesso da burocracia chinesa em controlar a expansão do coronavírus.

Mas seus rivais não são muito melhores.

O impacto econômico e de saúde de Covid19 nos Estados Unidos, agravado pela política negacionista e irrealista de Trump, deteriorou ainda mais a liderança mundial na América do Norte. E essa orfandade hegemônica é a oportunidade que a China aprove para se candidatar em substituição, apelando ao "poder brando", que inclui fazer doações generosas à Organização Mundial da Saúde ou enviar suprimentos para ajudar os países ocidentais devastados pela pandemia, como a Itália e, aliás, colocar um berço na União Europeia.

Por razões estratégicas e políticas eleitorais, Trump está em uma brutal cruzada anti-chinesa, de acordo com seu slogan de campanha "America First".

A guerra comercial, que havia parado em janeiro, voltou em uma versão recarregada com Huawei no centro da disputa. Washington procura dar o impulso final que pode ter consequências no setor de tecnologia, se a China decidir, por exemplo, afetar empresas norte-americanas com investimentos significativos em seu território, como a Apple.

O secretário de Estado Mike Pompeo foi encarregado de espalhar a teoria de que o vírus - que Trump continua chamando de "vírus chinês" - foi criado em um laboratório em Wuhan e se espalhou por acidente (ou mesmo deliberadamente). Evidentemente, ele não tem evidências desse "conto chinês", nem Collin Powell, secretário de estado do governo George W. Bush, quando usou a mentira de armas de destruição em massa para justificar a guerra e ocupação do Iraque.

O presidente americano acusa o governo de Xi Jinping de ser responsável pela pandemia de coronavírus e, consequentemente, pela depressão econômica global causada pelo confinamento. O interesse de Trump é duplo: na política externa, ele procura aliados para condenar a China e fazê-la pagar um custo econômico e político. Até agora, alinhava parcialmente com essa linha seus aliados tradicionais na região: Austrália e Japão. Internamente, pressionado pela campanha eleitoral, ele tenta culpar a China pelas 100.000 mortes e 40 milhões de desempregados que os Estados Unidos têm até agora e está competindo com seu rival democrata, Joe Biden, para ver quem é o mais anti-chinês.

Essa hostilidade renovada levou o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, a denunciar que os Estados Unidos estão levando os dois países à beira de uma nova guerra fria.

Sem dúvida, a analogia é tentadora, embora imprecisa. A primeira grande diferença é ideológica, para nomear de alguma forma. A China não representa um sistema alternativo ao capitalismo, pois, a seu modo, apesar da burocratização e das tendências restauracionistas, representava a União Soviética. É outro tipo de capitalismo, com forte liderança estatal, mas capitalismo no fim. O segundo é econômico e deriva quase mecanicamente do primeiro: as economias da China e dos Estados Unidos são altamente interdependentes, mesmo depois de quatro anos em que Trump tentou desacoplar a economia americana pela força de tarifas e políticas protecionistas. Enquanto a União Soviética e os Estados Unidos praticamente não mantinham relações comerciais, a China permanece atrás do Japão como principal detentor de títulos do Tesouro dos EUA e é uma parte essencial das cadeias de suprimento e valor de inúmeras empresas imperialistas.
Isso torna a disputa de outra natureza.

A Casa Branca lançou um novo documento que sintetiza a política dos EUA em relação à China, de acordo com a estratégia de segurança nacional de 2017 que colocou o gigante asiático em primeiro lugar no pódio de ameaças à segurança dos EUA, seguido de longe pela Rússia. Este documento, enviado ao Congresso em 20 de maio, contém a rubrica de todas as agências do estado norte-americano - nas áreas econômica, diplomática, de defesa e segurança - que fecharam fileiras por trás de uma política que tem como princípio de ordem, hostilidade e competição, com consequências econômicas, políticas e militares. E no nível estratégico, em que a liderança imperialista está em jogo, não há diferença entre democratas e republicanos.




Tópicos relacionados

Guerra comercial EUA x China   /    Internacional

Comentários

Comentar