Internacional

INTERNACIONAL

Estado espanhol: estende-se o movimento democrático contra a monarquia

No dia 23 de junho o distrito de Vallecas fez uma consulta e a maioria (6.490 de 7.270 pessoas) disse ‘sim’ à República. Agora é a vez de Vicálvaro, enquanto outras consultas estão sendo preparadas em bairros e universidades como a UAM. O movimento antimonárquico se estende.

Diego Lotito

Madri | @diegolotito

quarta-feira 31 de outubro| Edição do dia

A imagem da monarquia está em franco retrocesso. Além dos conluios para encobrir as últimas armadilhas de Juan Carlos I, o declínio da última sequela da monarquia Bourbônica - já com 40 anos de existência - é imparável. Até mesmo uma jornalista de direita e pró-monarquista como Carmen Remírez de Ganuza, que acaba de publicar um livro sobre Leonor, relata esta questão em um artigo publicado no El Mundo sobre a estréia formal da princesa das Astúrias, em que ela diz que "A história nos obriga a ser cauteloso sobre o futuro da monarquia na Espanha. Resume com autoconfiança uma exaltação do PP: ’Carlos IV foi exilado, Fernando VII retornou do exílio, Isabel II exilada, Alfonso XII retornou do exílio, Alfonso XIII exilado, Juan Carlos I retornou do exílio. Felipe VI teria que ir para ou exílio e Leonor acharia muito difícil voltar e reinar...’.”

Nesse contexto, amostras de desafeto com a coroa são cada vez maiores e mais frequentes. Desde o referendo para a independência da Catalunha, o 1-0 2017, o que implicava a ruptura aberta com o regime espanhol e sua monarquia, seguido pelas vaias generalizadas para Felipe VI em agosto do ano passado em Barcelona durante uma manifestação contra o terrorismo após os ataques às Ramblas e Cambrils, as manifestações de rejeição à casa real não pararam de se multiplicar.
Há poucos dias, dois excelentes estudantes de Oviedo citaram os reis na cerimônia dos prêmios Princesa de Astúrias dizendo que "a universidade pública não tem nada a ver com a empresa Bourbon", enquanto as Marchas da Dignidade encheram as ruas novamente em rejeição aos "fartãos”.

Anteriormente o Parlamento catalão havia condenado a posição da casa real antes do 1-O, uma afronta simbólica que o governo de Pedro Sánchez planeja levar para o constitucional. E posteriormente, um jovem que participou do trabalho de reconstrução após a enchente mortal de Mallorca, preferiu oferecer ao rei uma vassoura ao invés de cumprimentá-lo.

Até no campo da arte e da música, os Bourbons estão cada vez mais no topo,
como ficou evidente na música do rapper Valtonyc, "Os Bourbons são ladrões" - pelos quais ele foi sentenciado a 3 anos de prisão pelo Supremo Tribunal Nacional e hoje é exilado na Bélgica - ou a última música do Ska-P, com um videoclipe contra a monarquia e a "terceira república".

A insatisfação com a instituição monárquica parece um processo inexorável que vem avançando em ritmo sustentado nos últimos 20 anos. A última vez que surgiu a pergunta que avaliava de 0 a 10, a confiança na Monarquia no Barômetro Político - como é feito com os Conselhos Municipais, a Polícia, os Sindicatos ou o Tribunal Constitucional entre outras instituições e organizações - foi em abril de 2015.
Esse foi o primeiro teste demográfico de Felipe e com 4,34 pontos ele melhorou a nota em relação à última que seu pai Juan Carlos conseguiu (3,73) um ano antes. Mas esses números estão longe do notável 7,7 que a casa real obteve nos anos 90, quando as capas das revistas pegaram um casamento após o outro, batismos, primeiro dia de escola das crianças ou os namoros fugazes do herdeiro.
Hoje, ao contrário, todas as últimas pesquisas deixam a monarquia no chão. De acordo com o último painel on-line da Electomania, preparado com uma amostra de 2075 respostas em todo o território nacional, a monarquia na Espanha não é bem vista entre os eleitores de todas as partes, inclusive os da direita.

Uma pesquisa realizada pelo Podemos mostra resultados semelhantes: 54% da população é a favor de um referendo para decidir entre Monarquia ou República e apenas 31% dos entrevistados (a partir de uma amostra de 1.014 entrevistas on-line em todo o estado) se opõem a uma consulta sobre a chefia de Estado.
Ao mesmo tempo, uma campanha com a recolhimento de assinaturas promovida pelo Público já tem mais de 140.000 adesões pedindo um referendo entre "Monarquia ou República" dentro dos mecanismos legais e constitucionais, algo impensável há apenas 10 anos.

De Vallecas a Vicálvaro pelo "direito de decidir"

Entre essas várias manifestações, também começaram a se desenvolver processos de participação popular, entre os quais se destaca a consulta popular realizada no bairro de Vallecas, em Madri, no dia 23 de junho. Uma espécie de ensaio local do referendo republicano em que, de acordo com os dados oferecidos por Vallekas Decide, a plataforma organizadora, em torno de 7.270 pessoas votaram, das quais 6.490 disseram "sim" à República.

(O regime monárquico de 78 não é capaz de resolver os problemas reais das classes populares e sua única resposta é a repressão. É urgente lançar um Processo Constitutivo participativo. # VotamosIIIRepública)

Seguindo o rastro da experiência Vallecana, o distrito de Vicálvaro está agora se preparando para sua própria consulta. Em 24 de novembro, os moradores de Vicálvaro também poderão decidir a forma de estado que preferem, monarquia ou a república.

"Somos cada vez mais pessoas que acreditam ser necessário e urgente abrir um processo constituinte que nos permita acabar com a monarquia, que sobrevive do dinheiro dos nossos bolsos graças à repressão e que nos mostra a cada dia sua essência patriarcal e corrupta", diz a comunicação oficial da consulta divulgada pela plataforma organizadora, Vicálvaro Decide.

Para Vicálvaro Decide, "o caminho não será fácil e para alcançar um bom porto será necessário combinar o maior número de forças. O primeiro passo é conhecer a opinião de nossas vizinhas e vizinhos. Daí a ideia de realizar essa consulta republicana, uma das muitas que estão sendo realizadas nos bairros e nas cidades como um primeiro passo rumo a uma República, semeando a ideia da necessidade de um processo constituinte participativo”.

Cartazes ao longo de Vicálvaro anunciando a assembleia aberta desta quinta-feira #VicálvaroDecide

Com um conteúdo semelhante à consulta feita em Vallecas, a votação marcada para o próximo 24 de novembro diz: "O atual regime monárquico é incapaz de resolver os problemas reais das pessoas. Somente através de um processo constituinte participativo poderemos garantir os direitos das classes populares, mulheres e do povo”. E oferece a possibilidade de responder "sim" ou "não" às perguntas: "Você quer ser capaz de decidir entre monarquia e república?" e "Em caso afirmativo, decidiria por república?"

Uma inovação interessante em relação à experiência vallecana tem sido o apelo por uma assembleia popular aberta a vizinhos e vizinhos realizada em 18 de outubro, na qual os organizadores propuseram fortalecer a participação dos cidadãos na consulta de 24 de novembro.

Nos bairros de Madrid, 43 anos após a restauração Bourbônica

Com a comemoração de duas datas de alto conteúdo simbólico, os 43 anos da restauração borbónica imposta por Franco e os 40 anos da Transição e a Constituição de 78, vários bairros de Madri e localidades da região também se preparam para votar em um consulta sobre Monarquia ou República em 2 de dezembro.

"É uma monarquia corrupta, herdeira de todos os males dos Bourbons", explica o jornal Público, Luis Gimeno Lopesinos, um dos promotores do referendo popular que busca que os cidadãos de Madri possam opinar sobre a forma de Estado e se preferem uma monarquia ou uma república.

Embora ainda não seja conhecida a lista definitiva dos locais onde a consulta se realizará, o processo será realizado no primeiro fim de semana de dezembro em vários bairros de Madri, como Aluche, Carabanchel, Arganzuela, bem como em localidades da Comunidade, como Leganés, Parla Alcobendas, Getafe e San Sebastián de los Reyes.

(Assembleia de bairros do centro de Madri para a Consulta Popular Monarquia ou República. No dia 2 de dezembro, colocamos mesas nas ruas. Monarquia ou República?)

A consulta é um projeto diferente do de Vallecas ou Vicálvaro, centrado em uma maior extensão do que em concentração, mas evidentemente é parte de um movimento cada vez mais amplo que está em pleno desenvolvimento.

Também na UAM: "estamos fartos de uma Constituição votada sob chantagem, muito antes de nascermos"

E, se faltavam expressões, os estudantes também se somam à onda anti-monárquica e convocam um referendo sobre a monarquia na Universidade Autônoma de Madri. A consulta popular, a qual está chamada a participar todo o conjunto da comunidade universitária", será realizada no dia 29 de novembro, no campus de Cantoblanco.
Estudantes de várias faculdades desta universidade decidiram impulsionar um referendo sobre a monarquia "para tornar visível qual é a opinião dos jovens sobre serem súditos de uma instituição anacrônica, corrupta e ligada ao regime de Franco", para a qual eles formaram a plataforma Referendo UAM.
O questionamento a Coroa e a Constituição está crescendo entre as novas gerações. "Os jovens estão cansados de usar a inviolabilidade de uma Constituição votada sob chantagem, muito antes de nascermos e sobre a qual nem nossos pais puderam decidir", diz Marcos, estudante de história e ativista do grupo de jovens Contracorriente.

(Somos estudantes da UAM e realizaremos um referendo sobre
a monarquia no próximo dia 29 de novembro.Porque não estamos
dispostos a herdar esse regime imposto
e porque queremos decidir tudo!
Participe da nossa campanha escrevendo-nos
pelo MD ou referendumuam@gmail.com!)

Vale lembrar que Felipe VI ocupa a presidência honorária da Universidade Autônoma e que o reitor Rafael Garesse o considerou como o mais ilustre ex-aluno da universidade em um vídeo em que o parabenizou por seus 50 anos.
"Alguns de nós têm uma visão menos medieval e mais modernizadora da universidade do que o reitor", disse Andrea Barberá, representante estudantil no Conselho de Direção através da lista de Revoluciona tua Universidade, também impulsionadora da consulta.

A iniciativa saúda os dois estudantes de Oviedo "que se recusaram a participar dos prêmios concedidos pela Fundação Princesa de Astúrias", bem como iniciativas semelhantes que já foram convocadas em bairros de Madrid, como Vicálvaro ou Vallecas, enquanto esperam que "essa experiência seja um exemplo que se espalhe para o restante das universidades públicas".

"Enquanto o rei aumenta seu salário, o dos pesquisadores permanece congelado e seguem os cortes em a pesquisa e em educação", denuncia a pesquisadora contratada Lucía Nistal, porta-voz do Pan y Rosas, "é hora de decidir se queremos continuar mantendo esta instituição absolutamente antidemocrática e patriarcal ".
Em um comunicado divulgado na terça-feira, a plataforma UAM Referendum faz um chamado às associações estudantis, sindicatos e instituições universitárias para que apoiem esta iniciativa, a qual espera-se que seja "um primeiro passo na luta para conquistar processos livres e soberanos, onde podemos decidir a forma do Estado, a separação da Igreja e do Estado ou a autodeterminação dos povos, entre muitas outras questões sobre aqueles que querem evitar que nos pronunciemos ".

A crise da monarquia é a crise do regime

O fim do curso político foi marcado por um novo capítulo de crise para a monarquia com as declarações de Corinna zu sayn-wittgenstein, ex-mulher de Juan Carlos I, revelando o negócio turbulento e corrupto de Bourbon.

Após o esgotamento do reinado de Juan Carlos I e a abdicação em favor de seu filho Felipe VI, os escândalos de corrupção que implicaram e levaram a uma condenação do cunhado do rei, Iñaki Urdangarín, e as manifestações contra a coroa que ocorreram em Madrid em 2013 e 2014, foram minando cada vez mais a legitimidade do novo monarca.

Mas foi claramente a radicalização da questão nacional catalã que desencadeou uma insatisfação generalizada com uma instituição reacionária que não foi eleita por ninguém.

Se na Catalunha o rei é repudiado pela maioria da população, especialmente depois de ter encabeçado a ofensiva repressiva contra o referendo de 1-O e o golpe institucional de 155, esta dinâmica se estende cada vez mais ao conjunto do Estado, enquanto como contrapartida as saídas de extrema-direita para a crise do regime se fortalecem.

A ofensiva reacionária da direita e da extrema-direita não pode ser enfrentada dentro da estrutura do regime monárquico de 78 de cujas entranhas saem o Abascal. A política de regenerar o regime a partir de dentro, sem contestar seus pilares fundamentais, não é apenas uma utopia reacionária, mas abre caminho para o fortalecimento do direito, ao mesmo tempo em que desarma a classe trabalhadora e os setores populares do Estado espanhol para enfrentá-la. Basta ver a situação no Brasil, onde a política de acordos parlamentares com os golpistas e setores da burguesia não impediu a ascensão da extrema direita, racista e misógino Bolsonaro.

A perspectiva de lutar pela abertura de assembleias constituintes livres e soberanas como uma saída democrática na qual a soberania popular pode ser verdadeiramente expressa para decidir tudo se torna cada vez mais urgente.

(Por quanto tempo vamos suportar a corrupção e os privilégios de uma instituição antidemocrática, herdeira do regime de Franco e que esteve a frente do golpe de 155? Lutemos por um referendo sobre a monarquia
#AssembliesConstituyentes)

Tradução: Milena Bagetti




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar