Juventude

Estado Espanhol

Estado Espanhol: a extrema direita, o "mal menor" e a luta pela república operária e socialista

A luta para abolir a monarquia e por processos constituintes para decidir tudo, como parte de uma estratégia para acabar com o capitalismo e conquistar uma Federação Livre das Repúblicas Socialistas Ibéricas.

quarta-feira 19 de dezembro de 2018| Edição do dia

A irrupção de Vox no parlamento da Andaluzia e as projeções que mostram uma tendência que pode se repetir nas próximas eleições gerais alarmaram milhões de mulheres, jovens, imigrantes, trabalhadores e trabalhadores do Estado Espanhol.

Vox levanta as bandeiras do espanholismo repressivo e anti-catalão, do machismo mais conservador, do racismo e da homofobia, acompanhados por um programa econômico neoliberal. Seus sócios do PP e do Citizens já estão escorados à direita - ainda mais, se possível - para consolidar o novo bloco conservador.

Diante dessa dinâmica de crescimento do bloco de direita com extrema direita, multiplicam-se as vozes que se propõem optar pelo "mal menor", representado pelo "governo neoliberal progressista", monarquista e espanhol do PSOE. Mas o Vox nasce das entranhas deste Regime e não surge casualmente na Andaluzia, justamente depois de 40 anos do governo dos liberais sociais do PSOE!

Não apenas a extrema direita e a direita promovem uma política repressiva, mantém os líderes do movimento independentista catalão na prisão e perseguem milhares de ativistas. O mesmo acontece com o PSOE, que defende a monarquia, faz parte do bloco espanhol do 155 [artigo constitucional que desencadeia a coerção contra a independência das nacionalidades] e está predisposto a um novo ataque contra o povo catalão. Frente a eles dizemos: Abaixo o 155! Liberdade de todos os presos políticos! Pela defesa do direito à autodeterminação de todos os povos do Estado Espanhol!

Com o crescimento dos partidos de extrema direita e direita que buscam aumentar a xenofobia aberta contra os imigrantes, não vamos escolher "o mal menor" de um partido que desde o governo faz demagogia falar de direitos humanos, mas expele imigrantes todos os dias nas fronteiras e mantém as CIEs abertas, verdadeiras prisões racistas.

Diante da ameaça da extrema direita, que quer governar para os ricos baixando os impostos, não vamos optar pelo "mal menor" de um governo que mantém reformas trabalhistas, insegurança no trabalho e regras para o IBEX 35 [index referência do mercado acionário do Estado Espanhol] e bancário, respeitando os ditames da austeridade da União Europeia. Neste trimestre, o Estado Espanhol teve um histórico de despejos, principalmente para famílias que não podem pagar o aluguel. Milhares de pessoas desabrigadas, enquanto os bancos acumulam milhares de casas vazias. Devemos expropriar os expropriadores, nacionalizar o sistema bancário sob o controle de trabalhadores e usuários e disponibilizar essas casas para um mercado de aluguel social.

Frente aos partidos da direita e da extrema direita que junto com a Igreja reacionária querem cortar os direitos das mulheres, não vamos optar pelo "mal menor" do governo do PSOE que continua financiando a educação religiosa e concertada e mantém intacta a Concordata com o Vaticano. Lutamos para eliminar as influências religiosas nas escolas, uma rede única de educação pública, eliminar qualquer contribuição pública para o financiamento da Igreja e financiar um plano contra a violência de gênero baseado em impostos sobre grandes fortunas. Pela separação da Igreja do Estado!

O Unidos Podemos propõe catalisar todo o mal-estar social no apoio parlamentar ao PSOE, e sustentam que, por meio de acordos governamentais, um "freio à direita" pode ser colocado. É a velha armadilha de escolher entre um "mal menor" antes do "mal maior". Mas esse foi o discurso que manteve o PSOE por 40 anos, apoiando o regime bipartidário de 78, contra o qual emergiram os 15M com o grito de "PSOE-PP a mesma merda é".

Nós não podemos cair de volta nesses antigos golpes. Temos que construir uma grande força da esquerda anticapitalista, junto com as mulheres, a juventude e a classe trabalhadora, para lutar por uma saída, independente de todos os partidos do regime político.

Processos constitutivos para decidir tudo e trabalhar na república

Nesse contexto, um grande debate público sobre a forma do Estado foi aberto. Consultas populares dos bairros e referendos da juventude nas universidades, juntamente com iniciativas nos parlamentos regionais e câmaras municipais têm colocado na agenda política a questão que devemos acabar com a monarquia anacrônica e reacionária. Na juventude o sentimento republicano cresce e até o Podemos foi forçado a incorporar a questão como parte de sua agenda nas últimas semanas. Um movimento que se une e simpatiza com o movimento democrático catalão e sua aspiração de exercer o direito de autodeterminação e estabelecer sua própria república.

Mas para que tipo de república nós lutamos? Para uma república como na França ou nos Estados Unidos? A V República Francesa ou a "democracia exemplar" norteamericana são democracias liberais completamente anti-democráticas: a figura presidencial desempenha o papel de um "rei", as leis eleitorais beneficiam os partidos mais conservadores, o Judiciário defende os interesses dos grandes capitalistas e parlamentos são um ninho de "lobbies" para os poderosos. São democracias para pessoas ricas que cada vez mais mostram sua degradação e sua verdadeira face, usando forças repressivas contra manifestações, imigrantes e trabalhadores.

Muitos se perguntam se uma uma república social mais democrática não é possível, mesmo no âmbito do sistema capitalista. Isso, sem ir mais longe, é o que o Podemos oferece: uma "administração progressista" do capitalismo espanhol, a "regeneração" da democracia. Como se fosse possível obter uma democracia substantiva (e não meramente formal) em uma sociedade onde um punhado de super-ricos vivem no luxo mais extremo, enquanto milhões apenas sobrevivem a cada dia, onde centenas de milhares de pessoas perderam suas casas e muitas famílias trabalhadoras que conhecemos não sabem como vão pagar o aluguel no próximo mês? Um sistema social predatório de seres humanos, que os considera material descartável, e destruidor do próprio planeta em que vivemos.

Nós que militamos na CRT lutamos para transformar radicalmente essa realidade, para acabar com este sistema capitalista e patriarcal que reproduz todas as formas de violência contra as mulheres e a maioria das pessoas que trabalham, com base no sistema operacional, insegurança, pobreza e opressão a milhões de pessoas. Queremos acabar com este regime monárquico e repressiva e lutar por um verdadeiramente democrático, trabalho e república socialista: uma federação das Repúblicas Socialistas Ibéricas, expropriando os expropriadores e novas agências com base em trabalhadores e de auto-organização popular. Muitos dizem que é irrealista lutar por esses objetivos, mas o que não é realista é pensar que é possível humanizar o capitalismo.

Estamos conscientes de que ainda somos uma minoria que defende essa perspectiva, enquanto a maioria dos trabalhadores ainda tem ilusões nos mecanismos do sufrágio universal como forma de alcançar uma democracia "mais generosa". Por isso defendemos a luta pela abertura dos processos constitucionais, a maneira concebível deliberação mais democrático dentro da democracia representativa: assembleias constituintes livres e soberanas constituintes em todo o Estado, sem qualquer impedimento ou “cortafogos” do regime, para decidir tudo. Portanto, propomos que, para conquistar processos constitucionais verdadeiramente democráticas, de ser com os métodos da luta de classes e sobre as ruínas deste regime decadente, não com acordos e pactos por cima com seus agentes como o PSOE, como propõe Unidos Podemos.

Os capitalistas se oporão à resistência máxima ao desenvolvimento de assembleias constituintes livres e soberanas que possam tomar medidas radicais que afetem seus benefícios e privilégios. Mas com isso a experiência das massas com os limites da democracia representativa será desenvolvida e mais rapidamente eles chegarão à conclusão de que é necessário construir um verdadeiro poder do povo trabalhador.

Como parte dessa mobilização e com foco no desenvolvimento do trabalho e sempre que possível a auto-organização operária e popular, continuamos a aumentar os nossos objetivos finais, procurando convencer destas ideias a mais jovens, trabalhadores e trabalhadoras, a quem convidamos para somar-se ao desafio de construir uma grande organização revolucionária e anticapitalista no Estado Espanhol, como parte da luta por um partido mundial da revolução socialista.




Tópicos relacionados

Juventude

Comentários

Comentar