Internacional

DECLARAÇÃO DA CRT

Estado Espanhol: Anistia JÁ para os presos políticos! Todos às ruas: greve geral na Catalunha e mobilizações em todo o Estado!

"Com a decisão do TS e sentenças de prisão de até 13 anos para dirigentes soberanistas, que se somam à onda de criminalização na Catalunha, o Regime de 78 pretende liquidar o movimento democrático catalão. É preciso levantar um plano de luta independente para estender e massificar a resposta contra a repressão e pelo direito à autodeterminação."

segunda-feira 14 de outubro| Edição do dia

A sentença do Tribunal Supremo aos líderes soberanistas presos é um ponto de inflexão na ofensiva judicial e policial contra o movimento de independência da Catalunha. É também uma aberrante violação das liberdades democráticas. O regime monárquico de 78 procura liquidar definitivamente as aspirações democráticas de milhões de pessoas e envia uma mensagem a todos aqueles que se atrevem a se mobilizar nas ruas para expressar seu descontentamento.

O golpe institucional na Catalunha, iniciado com a aplicação do artigo 155 pelo governo do PP, com o apoio do PSOE, Ciudadanos e o apoio da Monarquia como principal garantidora da unidade territorial, assume uma nova dimensão. Após um julgamento político que, desde a sua criação, provou ser uma farsa, as sentenças aplicadas aos ex-consellers, ao ex-presidente do Parlamento da Catalunha e aos líderes do ANC e Òmnium procuram ser exemplares.

A decisão estabelece que a declaração de independência foi "simbólica e ineficaz" e os juízes argumentam que o referendo foi "uma revolta tumultuada incentivada para converter as decisões judiciais do Tribunal Constitucional e do Superior Tribunal de Justiça da Catalunha em papel molhado". Ou seja, uma vez que reconhecem que não houve violência e foi uma mobilização maciça, condenam um ato que consideram "simbólico" sem grandes consequências, com sentenças de até 13 anos de prisão. Hoje, muitos perguntam, não apenas na Catalunha, mas em todo o Estado espanhol, o que podem esperar trabalhadores que ocupam fábricas, estudantes que cortam estradas, mulheres que saem às ruas contra violência sexista ou vizinhos que impedem despejos a partir de agora, uma vez normalizada a aplicação da "doutrina criminal do inimigo" a um movimento democrático como o catalão.

Desde a celebração do Referendo de Autodeterminação de 1-O e, mais ainda, após o discurso de “por eles” de Felipe VI em 3 de outubro de 2017, a ofensiva repressiva do Regime de 78 tem sido entendida em todas as áreas do Sociedade catalã. Golpeando com maior dureza à Esquerda Independentista, como visto durante a "operação Judas" e a detenção de ativistas do CDR. Um Estado que criminaliza através da Lei da Mordaça ou a Lei Antiterrorista a juventude catalã e basca, como também vimos no caso Altsasu.

O governo interino de Pedro Sánchez assumiu a liderança nesta cruzada repressiva contra o movimento pela independência, depois de declarações nas quais ele "advertia" que "seu pulso não tremerá" se nas próximas semanas ele tiver que aplicar um novo 155 na Catalunha. Poucas horas depois que a sentença foi divulgada, ele apareceu perante a imprensa, assegurando que este "era um processo judicial realizado com todas as garantias e absoluta transparência". Mentiras. Isso foi questionado por inúmeros juristas que sustentam que o direito à defesa foi violado, uma causa funcional foi construída para a sentença que deveria ser resolvida e que as motivações são políticas.

O governo de Sánchez quer aproveitar essa sentença infame para reafirmar-se como o partido do Estado e pilar do regime que sempre foi, tentando também buscar apoio para sua investida à direita do arco político.

Por sua vez, o líder do Podemos, Pablo Iglesias, publicou esta manhã uma mensagem pedindo para "assumir" e "acatar" a lei e esta sentença infame, que condena não apenas os presos políticos, não apenas o povo catalão e seu direito de decidir, mas é um ataque às liberdades democráticas de todos os trabalhadores e dos povos do Estado espanhol. É por isso que é inédito que uma organização como o Podemos proteger, endossar e chamar para "assumir" um ataque desse tipo. Embora não surpreenda ninguém, pois é o destino de uma formação que foi totalmente integrada ao regime monárquico como sua "perna esquerda". Durante as negociações com o PSOE para um governo de coalizão, a Podemos garantiu há alguns meses que aceitaria a aplicação de um novo 155 na Catalunha "aceitando a posição de liderança do PSOE" em questões estatais.

Impulsionemos assembleias contra a repressão nos centros de estudo e trabalho.

Construamos um grande movimento de solidariedade em todo o Estado diante da decisão da Suprema Corte e da atual ofensiva de criminalização e repressão na Catalunha, é imprescindível aumentar a mobilização social do movimento independentista de forma independentemente dos partidos soberanistas e seu roteiro visando o retorno ao autonomismo.

A plataforma Democrática Tsunâmica, assim como a Assembleia Nacional da Catalunha e o Òmnium Cultural, juntamente com inúmeras organizações sociais e políticas, convocaram ações e marchas que começaram na Catalunha na manhã desta segunda-feira. Os estudantes paralisaram as aulas e se mobilizaram massivamente. Por sua vez, os sindicatos de esquerda IAC e a Intersindical CSC convocaram um dia de greve geral para sexta-feira, 18 de outubro, e os CDR também chamam a mobilização. Dezenas de milhares de pessoas já estão se mobilizando. Para ampliar o movimento, será necessário dotá-lo de uma organização democrática pela base, para que sejam os trabalhadores, estudantes e todo o povo catalão que possam decidir as ações a seguir e o curso político.

No resto do Estado espanhol, por sua vez, são chamadas concentrações em diferentes cidades, a partir desta segunda-feira. A partir da Corrente Revolucionária de Trabalhadores e Trabalhadores, juntamente com as agrupações juvenis que impulsionamos, nos somaremos decididamente a todas essas iniciativas. Mas acreditamos que, diante da situação atual, é urgente elaborar um plano de luta que tenha continuidade além desta semana e que esteja caminhando para uma mobilização permanente em resposta à ofensiva do regime contra o povo catalão, colocando de pé um grande movimento democrático em todo o Estado para exigir anistia imediata aos presos políticos.

Isso é algo totalmente alheio às pretensões da liderança soberanista que, temendo que as ruas possam transbordar como se passou no dia 3O, confiam na intervenção da ANC, Òmnium e Tsunami Democrático como uma maneira de canalizar os protestos massivos, bem como Partidos do regime, que buscam canalizar tudo rapidamente para as eleições do 10N.

Diante disso, é necessário que a esquerda independentista e a esquerda sindical se coloquem a frente de exigir dos sindicatos majoritários a convocação de uma greve geral e promover assembleias e paralisações em todos os locais de trabalho e nas salas de aula dos centros educacionais que transbordem a Catalunha durante o dia 18 e os dias seguintes. Algo que a UGT e a CCOO vem se opondo desde o início.

Para responder de forma organizada contra a sentença e a repressão, é vital ampliar a base social do movimento de independência e que a classe trabalhadora esteja no centro da luta, como muitos setores de trabalhadores entenderam em 3 de outubro após a repressão do dia 1O. Para isso, é necessário vincular a luta democrática pelo direito de decidir com a luta por um programa para resolver outros problemas sociais, como são o desemprego, a precariedade, as pensões ou os serviços públicos.
Da mesma forma, é necessário que essa onda repressiva em relação ao povo catalão cause impacto no restante do Estado. A sentença e a criminalização do movimento pela independência nada mais são do que o prelúdio de um salto autoritário do Regime dos 78 contra os direitos e liberdades democráticas em todo o Estado.

Anistia para presos políticos!
Basta de repressão e criminalização!
Por uma greve geral na Catalunha!
Por um grande movimento em todo o Estado contra o Regime de 78 e pelo direito de decidir!




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar