CAMPANHA RUMO À GREVE DO DIA 30

Esquerda Diário e MRT lançam campanha "Tomar a greve geral nas nossas mãos"

Conheça a campanha que o Esquerda Diário e o Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT) estão lançando para que os trabalhadores tomem em suas mãos a greve do dia 30 de junho.

quarta-feira 14 de junho| Edição do dia

O MRT e o Esquerda Diário lançam a partir dessa semana uma campanha com diversos materiais, como cartazes, panfletos, adesivos para tomar as ruas e locais de trabalho, e também na internet com materiais virtuais como vídeos, imagens e máscaras de perfil. Essa campanha pretende levar aos trabalhadores a discussão sobre como podemos ser os sujeitos sociais que derrubem Temer e suas reformas, e a necessidade de lutarmos por uma Assembleia Constituinte.

Com o mote de "Tomar a greve em nossas mãos", trazemos a ideia de que os comitês de base, construídos nos locais de trabalho fundamentalmente, mas também nos locais de estudo, nos bairros, devem ser um ponto de apoio para a construção de uma greve no dia 30 de junho ainda maior do que a do 28 de abril, e que nossa organização de base possa servir para superarmos as direções sindicais que tentam usar nossa mobilização para sues próprios objetivos, como fortalecer o "Lula 2018" no caso de CUT e CTB, ou negociar as reformas com Temer, no caso de Força Sindical ou UGT.

Outra questão fundamental é debater com os trabalhadores a saída política para a crise, colocando que contra a manutenção de Temer ou as eleições indiretas no parlamento, a alternativa dos trabalhadores não pode ser a de diretas nem de Lula 2018, como estão propondo PT, PSOL, CUT, CTB, porque não podemos admitir que a política continue com essas regras e esses esquemas onde quem manda em tudo é um punhado de empresários bilionários, como temos visto. Assim, trazemos o debate sobre a necessidade de lutar por uma Assembleia Constituinte.

Veja o primeiro vídeo da campanha:

Veja abaixo o texto do panfleto que distribuiremos aos milhares na campanha:

30 DE JUNHO TOMAR A GREVE GERAL NAS NOSSAS MÃOS

Os políticos e os capitalistas querem resolver a crise política entre eles. Depois do golpe institucional que tinha como objetivo fazer ataques ainda mais duros do que o PT já vinha fazendo, eles estão buscando a melhor figura para conseguir implementar todas as reformas. Enquanto não acham alguém, vão sobrevivendo e buscando saídas para poder descarregar a crise econômica nas nossas costas.

Nós trabalhadores, ao lado da juventude, mostramos no dia 28 de abril um pouco da nossa força em uma grande greve geral, a maior das últimas décadas. Nós fizemos o governo Temer e seus ataques tremerem, apontando uma saída pra crise, que não podemos confiar que vai vir da Lava Jato nem das empresas delatoras, que lucram bilhões com nosso suor. Agora, temos a tarefa de fazer uma greve geral ainda maior no dia 30 de junho, e para isso precisamos tomar esta greve em nossas mãos.

Exigimos das grandes centrais sindicais como a CUT, CTB, Força Sindical, entre outras, um plano de luta concreto para fazer uma greve efetiva, com milhares de comitês de base e assembleias em todo o país. Nossa tarefa é derrubar essas reformas e também derrubar esse governo golpista de Temer, com a força da nossa mobilização. A CSP-Conlutas, as Intersindicais, o MTST, os parlamentares do PSOL e todos os sindicatos e organizações de esquerda precisam construir um polo independente da burocracia sindical para responder a crise nacional.

É por isso que não basta mudar os jogadores com uma eleição direta mantendo o atual sistema. É preciso mudar as regras do jogo. Grande parte da população que teve seu direito democrático do voto arrancado com o golpe institucional quer poder votar. Mas chamamos todos a batalharem para ir além de um voto em novas caras sem mudar esse sistema corrompido. Com a força de uma greve geral podemos impor a derrubada de Temer, das suas reformas, do Congresso e fazer uma eleição de representantes para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, onde a própria população possa decidir os rumos do país. A primeira tarefa desta Assembleia Constituinte seria anular a PEC 55 do congelamento de gastos, que precariza ainda mais a saúde e a educação do país; a reforma trabalhista, a lei da terceirização e a reforma da previdência. Mas também anular todas as leis anti-operárias e anti-populares dos governos anteriores.

Por tudo isso, chamamos você, trabalhador, estudante, jovem, mulher, negro e LGBT: vamos tomar a greve geral do dia 30 de junho nas nossas mãos! Somemos forças para garantir que essa greve seja maior que a do dia 28! Não podemos confiar nas centrais sindicais que buscam ataques menores ou que querem fortalecer a candidatura de Lula em 2018: nós precisamos de um plano de lutas para derrotar as reformas agora, com nossa força em cada fábrica e local de trabalho, em cada escola e universidade podemos construir esta greve pela base e impor uma grande greve geral no dia 30. Construa um comitê de base! Vamos derrotar as reformas e Temer! Constituinte Já! Que os capitalistas paguem pela crise!


Cartaz da campanha

Há muitas formas simples de participar da campanha, como usando esse twibbon nas fotos de perfil das redes sociais como Facebook ou Instagram, ou utilizando as fotos de capa do perfil no Facebook que estão ao longo desse artigo. Se você concorda com essas ideias, te chamamos a fazer parte da construção dessa campanha em todo o país!




Tópicos relacionados

Tomar a Greve Geral nas nossas mãos   /    Greve geral   /    Greve   /    MRT

Comentários

Comentar