ATAQUE AOS POVOS INDÍGENAS

Escola e posto de saúde indígenas em PE são incendiados pós eleição de Bolsonaro

Ataque aconteceu logo após as eleições de Domingo. Incêndio foi criminoso e ocorreu na esteira da eleição do ultrarreacionário Bolsonaro, que já afirmou que “Se eu assumir, índio não terá mais 1 cm de terra”.

Luiz Henrique

Professor da rede estadual em Resende, RJ

segunda-feira 29 de outubro| Edição do dia

Os Pankaruru são o segundo maior povo indígena de Pernambuco, com uma população de 7500 pessoas, habitando duas terras indígenas: Entre Serras e Pankaruru, localizadas nos municípios de Petrolândia, Tacaratu e Jatobá. Da família linguística Kariri, este povo iniciou um processo de regularização fundiária na década de 30, que nunca foi concluído e agora vivem uma situação de conflito com cerca de 300 posseiros que habitam no limite de suas terras.

Em Maio desse ano uma ordem judicial que previa a retirada dos posseiros foi suspensa e desde então o clima na região tornou-se mais tenso. Hoje, 11 indígenas pankaruru estão ameaçados e fazem parte do Programa Estadual de Proteção dos Defensores dos Direitos Humanos.

Confira a nota do povo Pankararu a respeito dos incêndios:

A barbárie começou

Hoje nosso povo acorda com uma escola e um PSF destruídos pelo fogo do ódio, preconceito e da intolerância. A Escola São José e o PSF, prédios da Prefeitura de Jatobá, localizados na aldeia Bem Querer de Baixo, foram criminosamente incendiados tendo praticamente perda total da estrutura física, móveis, documentos, equipamentos… Pouca coisa se salvou.
A comunidade Bem Querer de Baixo é uma das principais áreas de conflitos entre indígenas e posseiros e onde recentemente tivemos ganho de causa pela reintegração de posse da nossa reserva.
Os maiores prejudicados são as crianças sem escola nas vésperas do fim do ano letivo, a comunidade sem o PSF onde eram realizados cerca de 500 atendimentos mensais e a nossa alma que é constantemente ferida, machucada… Mas jamais silenciada.

Que se faça a devida investigação, que os culpados sejam punidos, que haja justiça!
Hoje, mais do que nunca, resistir é a palavra de ordem.

Que a Força Encantada nos proteja.

Precisamos nos organizar para derrotar essa extrema-direita que ganha profundo respaldo agora com a eleição de Jair Bolsonaro. Precisamos organizar comitês de luta contra Bolsonaro e seu plano de governo em cada local de trabalho e de estudo, batalhando pela autoorganização dos trabalhadores de maneira independente do PT, que já demonstrou a falência de sua estratégia eleitoralista e de conciliação.




Tópicos relacionados

Extrema-direita   /    Bolsonaro   /    Indígenas   /    Povos indígenas

Comentários

Comentar