×

Denúncia | Escola de SP, com surto de Covid, permanece aberta sem comunicar pais e alunos da situação

Professores, funcionários e pais de alunos da EMEF Theo Dutra, escola municipal localizada na zona norte de São Paulo, denunciam que a unidade enfrenta um surto de covid, já são 5 alunos que testaram positivo para o covid desde semana passada e há outros casos suspeitos. Apesar disso a escola segue aberta, apenas os alunos testados positivos foram afastados, as turmas frequentadas pelos alunos doentes não foram fechadas, inclusive mesmo os funcionários e alunos que tiveram contato com os estudantes doentes não foram afastados.

quinta-feira 16 de setembro | Edição do dia

Professores, funcionários e pais de alunos da EMEF Theo Dutra, escola municipal localizada na zona norte de São Paulo, denunciam que a unidade enfrenta um surto de covid, já são 5 alunos que testaram positivo para o covid desde semana passada e há outros casos suspeitos. Apesar disso a escola segue aberta, apenas os alunos testados positivos foram afastados, as turmas frequentadas pelos alunos doentes não foram fechadas, inclusive mesmo os funcionários e alunos que tiveram contato com os estudantes doentes não foram afastados.

Funcionários e professores da escola relatam que um grupo de professores cobrou providências da direção da escola, que alegou ter entrado em contato com a Diretoria Regional de Educação e ter recebido a orientação de seguir afastando apenas os casos confirmados com testagem positiva.

Para agravar a situação funcionários e familiares de alunos denunciam a falta de transparência da gestão da escola, segundo denúncias a direção da unidade não está comunicando os pais e alunos dos casos. Diante disso pais estão descobrindo os casos de alunos doentes através da comunicação entre eles e por grupos de whatsapp.

A Secretária Municipal de Educação afirmou que os protocolos orientados pela saúde estão sendo seguidos com o afastamento dos casos que testaram positivo para o covid, assim como o de seus contactantes, porém não é isso que relatam os educadores de diversas regiões do município. Desde que a prefeitura, sob a batuta de Ricardo Nunes (MDB) e seu secretário de educação Fernando Padula ampliaram a capacidade das escolas para até 100%, mantendo o distanciamento de um metro entre alunos (o que na prática significou que a maioria das EMEFs funcione em rodízio de alunos), educadores, inclusive diretores de escolas, relatam sofrer pressão das diretorias de ensino para não fechar turmas e escolas. Sabemos de escolas em que um professor é afastado por estar com Covid e os alunos são simplesmente remanejados para outras salas. Que protocolos são esses?! Pela forma como as famílias e educadores estão denunciando, com certeza, se fosse a comunidade escolar que tivesse o poder para definir como as escolas deveriam funcionar na pandemia, as coisas seriam diferentes. Mais um exemplo do porquê defendemos que as comunidades escolares se organizem em comissões para ampliar sua voz e sua força.

Saiba mais: Que cada escola e comunidade escolar se organize em comissões para amplificar nossa força, alcance e voz

A situação da EMEF Theo Dutra é emblemática. Em meio a tanto assédio, falta de transparência e subnotificação relatadas em toda a rede, quantos surtos já não aconteceram ou estão acontecendo? Se trata de um política de manter as escolas abertas de qualquer jeito e a qualquer custo, mesmo que para isso se coloque em risco as vidas dos educadores, alunos e seus familiares.

💬 Quer denunciar? Mande seu relato para +55 11 97750-9596

Acompanhe a Comunidade do Esquerda Diário para colocar a luta de classes na sua mão.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias