Internacional

Escandaloso: Governo do Chile reconhece que ocultou dados de assintomáticos desde o início da pandemia

Desde 28 de Abril, o governo chileno começou a contabilizar pacientes assintomáticos com COVID-19, então registrou 520 sintomáticos e 250 assintomáticos até as 21 horas do mesmo dia.

segunda-feira 4 de maio| Edição do dia

O ministério da saúde chileno informou na manhã da última quarta-feira que foram reportados 520 novos casos de COVID-19, e com isso o total nacional chega aos 14.885 contágios. Porém, foram registrados 250 pacientes sem sintomas de coronavírus que deram positivo nos exames PCR, mas que não foram contemplados na primeira identificação nem no acumulado de infectados em todo o Chile.

Oito semanas após início da pandemia no Chile o número de contagiados divulgado no último dia 19 foi o mais alto até então de novos casos e coincide com o novo registro que o governo vai implementar: considerar os casos assintomáticos.

Enquanto o governo chama à “nova normalidade” com o retorno presencial dos trabalhos não essenciais arriscando a saúde de milhares de trabalhadores sem equipamentos de segurança e higiene, os leitos de UTI começam a colapsar nos principais centros de saúde como foi com o hospital El Salvador, segundo informa a recente reportagem do jornal Interferência

Irresponsabilidade criminosa: 770 contágios no total

“Incorporamos no dia de hoje, dois tipos de pessoas notificadas como positivas para coronavírus: primeiro, o que já vínhamos informando, os pacientes que tem sintomas e que tem um exame positivo para a doença e em segundo lugar, e isso é a novidade, pessoas que não tem sintomas mas que estiveram em contato próximo com alguém que esteve doente e teve PCR positivo” declarou Jaime Mañalich, ministro da saúde.

Se tomamos os 770 confirmados para o número de testes hoje que foram 6.454, a taxa de contágio é quase 12% menos ou um terço a mais do que os 8% que dizia o ministro da saúde.

Quer dizer, segundo as cifras apresentadas hoje, a cifra real de contágios indicaria 48% a mais do que a quantidade de contagiados, ascendendo a mais de 22 mil contágios e não 14 mil como declara o governo.

[

]

Fora Mañalich! Por comissões de higiene e segurança em nossos postos de trabalho

O escandaloso reconhecimento que faz o governo demonstra a política criminosa do governo de Piñera contra a classe trabalhadora. É necessário que os trabalhadores avancem para tomar em suas mãos a atual crise sanitária e também econômica, como, por exemplo, que os trabalhadores da saúde tenham acesso a saber quantos insumos há, para quanto tempo vão durar e os distribuam segundo suas necessidades, como está sendo proposto neste momento pela bancada da FIT (Frente de Esquerda dos Trabalhadores) em Mendoza, Argentina, desde onde se propõe a distribuição gratuita de EPIs e a implementação de uma plataforma virtual de seguimento e atualização diária do estoque de EPIs disponíveis.

Junto a isso, a implementação de testes periódicos aos trabalhadores da saúde em todos os centros de atenção, a geração de áreas de isolamento voluntário, através de convênios com hotéis, que permitam que os trabalhadores da saúde na primeira linha do combate à pandemia contém com abrigo, alimentos, monitoramento e registro completo de seu estado clínico, porque na medida em que os trabalhadores da saúde estão seguros podemos garantir que o atendimento não seja prejudicado.

Artigo traduzido do La Izquerda Diario Chile.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar