Internacional

CORONAVÍRUS NO EQUADOR

Equador: catástrofe sócio sanitária, neoliberalismo e imperialismo em tempos de coronavírus

Nos últimos dias, a situação no Equador e, especificamente, em Guayaquil, devido à pandemia de coronavírus, aumentou para níveis de catástrofe social, agravada pelas imposições do FMI e outros instrumentos imperialistas que tentam aprofundar a dependência semicolonial do país. Os trabalhadores e o povo equatorianos são pressionados pelas medidas do governo a uma situação de miséria e morte.

quarta-feira 8 de abril| Edição do dia

A crise do coronavírus atingiu várias áreas da América Latina, especialmente em países como o Equador. As consequências em províncias como Guayas, cuja capital é Guayaquil, estão sendo absolutamente devastadoras. Ainda não se sabe exatamente a magnitude da catástrofe que está causando a disseminação do Covid-19, porque o governo oculta os dados e desencadeou uma verdadeira perseguição de informações com base no Estado de Emergência. No entanto, tudo parece indicar que uma autêntica tragédia humanitária está se aproximando.

Segundo dados oficiais do dia 6/4, existem apenas 180 mortes pelo coronavírus. Mas apenas na cidade de Guayaquil existem inúmeros cadáveres nas ruas e nas casas, sem reconhecimento da morte causada pelo vírus. Estima-se que haja mais 180% de mortes do que no ano passado nesse mesmo período. Por outro lado, o número de infecções, segundo o governo de Lenin Moreno, não excede 3600. Esses dados refletem a manipulação da mídia e o fato de que testes para determinar a infecção real estão sendo absolutamente limitados.

Guayaquil: epicentro da catástrofe e do despotismo neoliberal

Em Guayaquil, com 2,3 milhões de habitantes, o panorama é de verdadeiro terror. Nos necrotérios, casas funerárias e hospitais, eles não conseguem lidar com o aumento vertiginoso de mortes. Assim, nos dias de hoje, as imagens dantescas de dezenas de cadáveres abandonados nas ruas saltam para as capas de todo o mundo. Ao mesmo tempo, é adicionado um surto de dengue, o que agrava ainda mais a situação. Muitos dos habitantes das áreas com alta pobreza denunciam como são os próprios policiais que transportam os cadáveres dos hospitais e os deixam nos bairros populares.

Essa tragédia está diretamente relacionada à gestão da crise e aos múltiplos problemas sociais e estruturais que o Equador e uma de suas principais cidades, Guayaquil, estão enfrentando. É nessa cidade que o despotismo e o modelo neoliberal equatoriano têm mostrado sua face mais aterrorizante. Por mais de três décadas, o principal partido da burguesia conservadora equatoriana, PSC (Partido Social Cristão), controlou a vida do povo Guayaquil com mão de ferro. O desprezo pelas classes populares por esse partido se manifestou em várias ocasiões. A última e uma das controvérsias ocorreram durante os eventos da rebelião de outubro do ano passado, quando o histórico líder social-cristão, Jaime Nebot, se enfureceu e fez declarações racistas contra aqueles que estavam se mobilizando na época. Em uma cidade onde, devido à imigração interna, uma parcela cada vez mais importante da população é indígena e faz parte principalmente da classe trabalhadora e dos setores populares, a natureza da classe que expressa o racismo e a xenofobia da burguesia de Guayaquil e de seus políticos porta-vozes, é cada vez mais explícita.

Com a crise do coronavírus, a face do "modelo de Guayaquil bem-sucedido" finalmente entrou em colapso. Durante anos, a grande mídia colocou Guayaquil como um dos exemplos de prosperidade no país. No entanto, o que isso ocultou é a dura realidade de uma das cidades mais pobres da América Latina, com um sistema de saúde público quase inexistente. Onde 16% da população vive nos subúrbios sem nenhum dos serviços básicos, como água, luz ou telefone; e o nível de violência social contra os setores empobrecidos é absolutamente cruel. Isso se reflete nos dados chocantes, anteriores à chegada do coronavírus, segundo os quais cerca de 260 mil pessoas vivem na extrema pobreza.

Um governo de joelhos para o FMI e para os grandes capitalistas, em meio a catástrofe humanitária

Mas não são apenas as autoridades municipais que estão causando uma catástrofe social nesta cidade. O governo de Lenin Moreno também mostrou como a vida das classes populares não é uma de suas prioridades. O vice-presidente, que assumiu oficialmente a liderança na gestão da crise, destacou-se tanto pela perversidade de suas declarações quanto por seu oportunismo político nojento. Desse modo, na semana passada, ele chegou a Guayaquil com uma exibição esmagadora da mídia que visava fortalecer sua eventual candidatura à presidência nas eleições do próximo ano, em vez de oferecer uma verdadeira solução para a catástrofe humanitária. Uma de suas primeiras propostas foi desfazer-se dos cadáveres através de uma imensa vala comum. Ao mesmo tempo, ele ameaçou o povo de Guayaquil dizendo que "se não cooperarem, teremos que decidir quem salvar e quem não salvar". Finalmente, junto com o prefeito de Guayaquil, eles entregaram centenas de caixas de papelão na forma de uma "doação de solidariedade", para que os parentes possam enterrar seus mortos.

Essa maneira desumanizada de lidar com a crise da saúde é o outro lado das tentativas do governo de agradar às organizações econômicas internacionais. Lenin Moreno e seus ministros tomaram a polêmica decisão de cumprir rigorosamente os compromissos financeiros com a dívida externa do país, apesar de a crise da saúde em Guayaquil já ser uma realidade. Em 24 de março, foram desembolsados mais de 300 milhões de dólares em dinheiro do Estado, destinados principalmente ao Fundo Monetário Internacional e a outras entidades financeiras internacionais.

O FMI, como instrumento de submissão imperialista, parece estar disposto a tirar proveito da situação e, com a conivência do governo, está se preparando para finalmente enfiar os dentes no Equador. Depois que as tentativas de reformas radicais impostas por esse órgão foram derrubadas em outubro pela massiva rebelião popular, um novo empréstimo de bilhões de dólares pretende ser a ponte para dar um salto na dependência semicolonial do país.

Lenin Moreno, em um exercício de cinismo escandaloso, deu a entender que, se tivesse conseguido executar seus planos econômicos em outubro, que incluíam um aumento de mais de 100% nos combustíveis, uma reforma trabalhista profundamente prejudicial e outros cortes importantes, certamente a crise do coronavírus não teria sido tão virulenta. É uma tentativa descarada de não assumir nenhum tipo de responsabilidade, ao mesmo tempo em que tenta criminalizar os jovens, trabalhadores e indígenas que saíram para protestar contra as condições de miséria que Moreno queria impor.

Mas a realidade é que essa crise socio-sanitária que os equatorianos estão enfrentando está diretamente relacionada à degradação da saúde pública que todo e qualquer governo anterior realizou. Dessa forma, o Equador é um dos países com o sistema de saúde mais precário da região. Essa regressão dos principais serviços públicos, e especificamente da saúde, com a chegada de Moreno, deu um salto qualitativo. Somente no último ano, os cortes na saúde chegaram a quase 100 milhões de dólares e passou de um orçamento de 3 bilhões de dólares em 2017 em saúde para outro de 2,200 bi em 2019. Um corte no orçamento da saúde, de dimensões gigantescas que, junto à chegada do Covid-19, fez a saúde do Equador voar pelos ares.

No pessoal médico, isso resultou na demissão de 2.500 pessoas apenas em 2019. Ao mesmo tempo em que a saúde pública foi desmantelada e as condições de seus trabalhadores se tornaram precárias, empresas privadas estavam ocupando esse espaço, tornando a saúde o privilégio de uns poucos.

A outra medida de choque que o governo de Lenin Moreno tomou é parar de pagar os salários dos funcionários públicos, exceto a polícia, o exército e o pessoal médico. Isso combinado com as facilidades fornecidas pelo Estado para que as empresas possam demitir seus trabalhadores, é um verdadeiro plano da fome com o objetivo de garantir os benefícios dos grandes capitalistas nacionais e internacionais.

Trabalhadoras da saúde denunciam a situação desesperadora que se vive nos hospitais, que carecem de médicos, como visto em uma infinidade de vídeos transmitidos nas redes. As enfermeiras, na linha de frente da luta nos hospitais, denunciam a barbaridade de que é não ter ninguém para atendê-las, quando pegarem o vírus.

Dessa maneira, o Equador está sangrando até a morte devido ao peso de uma catástrofe sem precedentes e às garras do FMI e do capital internacional, que veem essa crise como sua melhor oportunidade para avançar em seus planos econômicos. É a face mais amarga de um regime semicolonial que está disposto, se necessário, a afogar uma cidade inteira em uma pilha de cadáveres, apenas para manter seu sistema de dominação.

A necessidade de que a classe trabalhadora lute por uma saída da maioria do povo

A situação está longe de melhorar. Para milhões de pessoas que vivem em trabalho informal ou que foram demitidas, a quarentena apenas pode significar morrer de fome. A necessidade de um plano de emergência que permita combater a pandemia, ao mesmo tempo em que retire milhões de pessoas da miséria, é uma questão vital no momento para o povo equatoriano.

Apesar de o Equador ser um país com altos níveis de pobreza, existem enormes recursos que nos permitiriam enfrentar esta crise, priorizando a vida da maioria e não os lucros de um punhado de capitalistas. O pagamento de uma dívida que muitas vezes excede em muito o orçamento da saúde, é um crime contra a humanidade no momento. Esses fundos poderiam fortalecer muito o sistema de saúde do Equador, que teria que avançar na sua centralização, incluindo a saúde privada, e deixá-la sob o controle de seus trabalhadores e especialistas.

A gravidade da situação torna essas e outras medidas essenciais neste momento. Para isso, o povo equatoriano e especialmente as organizações de trabalhadores têm a obrigação de olhar corajosamente para essa realidade e de lançar um programa independente de qualquer fração capitalista e de se preparar para a luta contra um governo e algumas oligarquias que demonstraram que não tremem o pulso quando se trata de defender seus interesses.

A barbárie capitalista subiu para níveis intoleráveis com esta crise, prevendo no caso equatoriano o que pode acontecer em vários países semi-coloniais. No entanto, a classe trabalhadora no Equador e em todo o mundo está demonstrando o papel que desempenha na sociedade, não apenas sendo a principal vítima da pandemia, mas também carregando nos próprios ombros o peso dessa situação. Assim, em todos os países, são as trabalhadoras da saúde em condições terríveis que garantem que o número de mortos não seja maior; ou aqueles que trabalham em setores essenciais, como alimentação ou transporte, que prestam um serviço que, em muitos casos, permite que as condições de vida da maioria da população não se degradem ainda mais.

Essa solidariedade e as diferentes expressões da rebelião dos trabalhadores que começam a surgir em diferentes partes do planeta levantam a possibilidade de construir uma alternativa que nos permita superar essa crise, reorganizando profundamente a sociedade e a economia. Onde são a classe trabalhadora e os setores populares que podem decidir seus próprios destinos de maneira democrática e solidária em nível internacional. Em contraste com o futuro sombrio e decadente para o qual o sistema capitalista está nos empurrando, apoiando-se em um imperialismo feroz e um nacionalismo mesquinho.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    neoliberalismo   /    Imperialismo   /    Internacional

Comentários

Comentar