REDE DE PRECAZIDADOS

Entregadores da Rappi, iFood e Uber Eats: enviem suas denúncias para o Esquerda Diário!

Convidamos a todos os trabalhadores de aplicativos como Rappi, iFood, Uber e UberEats, que estão sendo obrigados a se exporem por entregas de R$4,00 ao coronavírus e ao abuso dessas empresas, quem enviem suas denúncias ao nosso site. Nos colocamos a serviço de dar voz a sua luta!

sexta-feira 5 de junho| Edição do dia

Nesse período de quarentena, sabemos que os entregadores de empresas com Rappi, iFood e Uber Eats estão em uma situação ainda pior que o normal: expostos ao vírus e recebendo quantidades insuficientes de produtos de higiene, como luvas e álcool gel. Além disso, sabemos que suas taxas de entregas são baixas, as empresas não dão o mínimo de condições de trabalho como banheiros e bloqueiam trabalhadores sem nenhuma razão ou explicação.

Entre estes trabalhadores, os negros, que são maioria, são os que sofrem mais, por causa do racismo, sendo às vezes impedidos até de usar banheiros nos restaurantes e lojas onde tem que pegar os pedidos.

O ato de hoje em São Paulo foi muito importante para iniciar uma luta contra essas empresas que praticamente escravizam os entregadores, como disse um dos manifestantes, falando em “empreendedorismo”.

Por isso o Esquerda Diário, que é uma mídia independente dos patrões e das empresas, quer ecoar as vozes destes trabalhadores e desta juventude que ganha a vida em cima de uma moto ou de uma bicicleta, carregando de comida até sacos de carvão. Estão sempre na correria, sofrendo com o risco de acidentes, que a empresa não se responsabiliza, e ainda cria dívidas para que sigam sendo cada vez mais explorados.

Estamos abertos a receber denúncias de abusos e de violações feitos pelas empresas, que colocam os seus lucros à frente da vida e da saúde dos entregadores, para que elas possam ser vistas nos diferentes cantos do Brasil.

Envie fotos, vídeos e o que mais quiser para o número de Whatapp do Esquerda Diário. Publicaremos no nosso site, que chega a 2 milhões de pessoas mensalmente dando voz aos trabalhadores, a juventude e a todos os oprimidos.

Continuaremos apoiando e participando de todas as lutas dos trabalhadores de aplicativos e convidamos todos eles a irem aos atos anti-racistas e antifascistas que vão acontecer no próximo domingo, 7, em diversas cidades pelo país.

Essas manifestações se contagiaram pela luta negra nos EUA, que tem na sua linha de frente os trabalhadores de aplicativo e precários dizendo "As Vidas Negras Importam" após o brutal assassinato de George Floyd.

O racismo existe para dividir os trabalhadores e impôr aos negros uma exploração ainda mais dura e cruel. Aqui no Brasil, é uma herança escravista negada pelos patrões e seus governantes, como o General Mourão, vice de Bolsonaro, que disse essa semana que "não existe ódio racial" no país.

Quando nos enchemos de raiva com a morte de João Pedro, de 14 anos, sabemos que isso é mentira. Que a polícia mata mais negros no Brasil que nos EUA, e que a justiça daqui, como o STF, que se diz "opositor" ao Bolsonaro, prende os negros e deixa mais de 40% sem sequer o julgamento nas celas lotadas.

Portanto, apostamos no chamado a essas manifestações de domingo com todas as nossas forças, e convidamos cada trabalhador de aplicativo e precarizado a se juntar ao Esquerda Diário para dizer que Vida Negras Importam: basta de morrer pelas balas policiais, pela COVID-19 e pelo lucro capitalista. Fora Bolsonaro, Mourão e os militares!

A unidade dos trabalhadores efetivos, sindicalizados, com os temporários, terceirizados e de aplicativo, é a maior força que temos para derrotar o seu governo, os militares e todo esse regime político escravista e acabar com a exploração capitalista. Assim é possível libertar as novas gerações para um futuro onde possamos desfrutar um mundo livre dos patrões, da opressão racista e da violência policial.




Tópicos relacionados

antifascismo   /    #BlackLivesMatter   /    Coronavírus   /    ifood   /    Rappi   /    Racismo   /    uber   /    Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    Trabalho Precário

Comentários

Comentar