Mundo Operário

ABSURDO

Entregador morre em acidente e empresa vai ao local recolher maquininha e caixa de transporte

Nesta quarta-feira (24), o entregador da Pizzaria Barão, Mario, morreu em Porto Alegre, vítima de um acidente diretamente relacionado ao processo de precarização do trabalho. De acordo com depoimentos anônimos, a empresa terceirizada, prestadora de serviços, Fredex, foi até o local para retirar a maquininha e as comandas do corpo, não levando somente a caixa de transporte por ter sido impedida pelos entregadores, que estavam no local.

sábado 27 de junho| Edição do dia

Nesta quarta-feira, em Porto Alegre, um entregador sofreu um acidente fatal durante seu trabalho. De acordo com depoimentos recebidos, a empresa Fredex teria ido ao local do acidente para retirar do corpo do entregador a maquininha para cartões e as comandas de pedidos. Os entregadores que estavam no local ainda tiveram que impedi-la de levar a caixa de transporte para comida. Em nota, a pizzaria diz que os itens mencionados foram roubados antes de chegada das autoridades no local.

Independente da narrativa apresentada, o que fica evidente com a morte de Mario e de outros entregadores, é que o acidente está diretamente relacionado à precarização do trabalho, que tem afetado a classe trabalhadora, sobretudo, com o aprofundamento da crise em curso. Em pesquisas recentes, foram apresentados dados que mostram como o número de acidentes entre entregadores aumentou, se comparados os dados dos meses deste ano com os do ano passado.

Esse aumento, estaria diretamente relacionado com a ampliação da concorrência, uma vez que mais pessoas têm buscado postos mais precários de trabalho, em função do desemprego, o que, consequentemente, está relacionado também com a redução do valor da taxa de entrega. É preciso considerar ainda que, além de estar mais suscetível à acidentes, esse setor da classe trabalhadora também não tem direitos trabalhistas básicos, (como férias, décimo terceiro, seguro acidente), assim como são submetidos a exaustivas jornadas de trabalho e estão mais exposto à pandemia, frente a falta de oferta de EPIs por parte das empresas.

A tendência, frente ao aprofundamento da crise capitalista com a chegado do coronavírus, é a de ampliação dos postos precários de trabalho, a fim de garantir a manutenção das taxas de lucro dos empresários. Bolsonaro e as demais setores do governo (STF, Maia e governadores), em suas recentes ações também mostram que se depender deles, a classe trabalhadora deverá seguir pagando com a sua vida, tendo que trabalhar em condições cada vez piores, em meio à pandemia que já deixa mais de 55 mil mortos e 1 milhão de contaminados, somente no Brasil.

Nesse sentido, é importante o fortalecimento da mobilização internacional dos entregadores no dia 1º julho, que já tem sido apoiada por outras categorias, como os metroviários. Esse movimento, que tem como objetivo a luta pelo reconhecimento e também pelo fim dos bloqueios, fim do sistema de pontuação e aumento do valor das corridas.

Nós, do Esquerda Diário, compreendemos que as mobilizações dos entregadores são fundamentais e devem ser apoiadas por outras categorias de trabalhadores - como estão fazendo os metroviários - .
Isso exige que as grandes Centrais Sindicais (CUT e CTB) organizem seus sindicatos para que, desde as bases, os trabalhadores sejam mobilizados para isso. Acreditamos também na necessidade de uma programa que responda a essa crise atual, a partir da defesa dos empregos e de um programa de renda mínima de 2.000 reais para a população, o que deve estar combinado a medidas para responder à crise sanitária atual.

Com o aumento de mortes, falta de leitos e de testes, é essencial a luta por testes massivos e pela estatização dos leitos sob controle dos trabalhadores. Dessa forma, as medidas de combate a crise política e sanitária também devem estar articuladas a um combate ao regime atual, sem que sejam nutridas esperanças sobre este. Justamente por isso defendemos a imposição de uma Assembleia Constituinte Livre e soberana para que o povo decida os rumos do país.




Tópicos relacionados

Entregadores   /    Crise do Coronavírus   /    ifood   /    Rappi   /    Crise capitalista   /    Trabalhadores   /    Movimento Operário   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar