Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Entre "posmos" e "rojipardos", o que a esquerda espanhola está debatendo?

Josefina L. Martínez

Entre "posmos" e "rojipardos", o que a esquerda espanhola está debatendo?

Josefina L. Martínez

Abaixo, reproduzimos um artigo de Josefina Martínez que, de Madri, revê alguns debates atuais sobre a esquerda espanhola, mas que vão muito além de suas fronteiras.

Atualmente, na esquerda do Estado Espanhol, se intensificam os debates entre "posmos" [1] e "rojipardos" [2], ampliados pela virulência no Twitter. Por trás das provocações, em um estilo típico desse ambiente social, surgem controvérsias sobre a relação entre classe e diversidade, sobre racismo, feminismo e capitalismo, sobre os direitos das pessoas trans ou mesmo sobre o assunto revolucionário. Aqui, o leitor encontrará um mapeamento de alguns desses debates, para abrir caminho entre esse emaranhado.

Rojipardos e nostálgicos: anti-feministas e anti-antirracistas?

Não quero me concentrar no estilo provocativo de alguns personagens que encontram seu próprio "nicho de mercado" no mundo do Twitter, mas em seus argumentos. Veja o caso de Jon Illescas, autor do livro Educação Tóxica, que, seguindo a tese de Daniel Bernabé em A armadilha da diversidade, se posiciona como "trabalhista" e opositor ao feminismo, ao ambientalismo e ao antirracismo.

Sua abordagem, esquematicamente, é a seguinte: 1) O feminismo, o antirracismo e os movimentos LGTBI são facilmente assimilados pela indústria cultural e promovidos pelo neoliberalismo para dividir a classe trabalhadora; 2) A “esquerda pós-moderna” substituiu a classe por múltiplos “ismos” (feminismo, ambientalismo, antirracismo), tornando o sistema funcional; 3) Essas questões relacionadas à "identidade" são secundárias para a classe trabalhadora, típica de "setores burgueses"; e 4) Isso tudo é aproveitado pela extrema direita, que atende as "preocupações reais e materiais que qualquer trabalhador entende perfeitamente." [3].

Vamos admitir que os dois primeiros argumentos se baseiam, em parte, na evolução da política de identidade no quadro do neoliberalismo progressivo, bem como no abandono da política de classe por grandes setores da esquerda reformista. Mas as críticas unilaterais de Illescas aos movimentos contra a opressão, negando qualquer elemento progressista a essas lutas, só podem terminar em uma política conservadora, como expressado nas duas últimas afirmações.

Esses posicionamentos, sustentados por um suposto "marxismo anti-moderno", tinham na época o movimento feminista como um de seus principais alvos de ataque e agora apontam contra os protestos antirracistas #BlackLivesMatter ou os direitos das pessoas trans. Neste último caso, mostrando uma curiosa confluência de argumentos com setores do feminismo radical mais essencialista e da extrema direita. Foi assim que Illescas explicou em um artigo que sintetiza suas idéias:

Outro ponto a ser observado é que esses problemas, por definição de setores minoritários, não são prioritários, nem serão, para a classe trabalhadora como um todo, o que, lembre-se, continua sendo o maior e melhor agente disponível à esquerda para a transformação social (por quantidade e localização no sistema produtivo). Além disso, essas preocupações de identidade costumam ser problemas do setor operário mais ideologicamente burguês que, uma vez atingido um mínimo material, podem se preocupar com questões de representação simbólica. Um setor de profissionais liberais e / ou de funcionários com estudos universitários e conhecedores de vários idiomas, geralmente é visto como privilegiado por grande parte da classe trabalhadora (que por sua vez é estigmatizada por esses aspirantes à inexistente "classe média" sob os nomes de "chonis", "garrulos" etc.) [4].

É paradoxal, no entanto, que alguém que estudou na Universidade Complutense e se apresenta como uma nova estrela youtuber do marxismo ignore ou omita que a classe trabalhadora seja composta por milhões de trabalhadores e trabalhadoras precarizados, imigrantes, latinos e negros, que estão na parte mais baixa da pirâmide laboral, enfrentando maior precariedade, racismo e perseguição policial. Por acaso, são setores burgueses as domésticas que moram em seus locais de trabalho e não têm direito ao descanso, expostas ao assédio sexual por seus patrões e que, em muitos casos, não podem denunciar por medo de serem deportadas? São setores burgueses os camelôs que podem cair sem vida nas ruas de Lavapiés depois de correr ao escapar da polícia? São setores burgueses as jovens precarizadas, que vieram da América Central para a Espanha, com "contratos de origem" [5] para trabalhar nas redes de fast food ? São setores burgueses as trabalhadoras temporárias, de lugares como Huelva ou Lleida, expostas ao contágio porque o vírus conhece racismo, precariedade e classes sociais?

Além disso, é necessário ser cego o suficiente para garantir que o racismo ou a opressão de gênero seja um problema de "representação simbólica" típico do debate da academia e que não diga respeito à classe trabalhadora. Nosso youtuber poderia passar um dia visitando a CIE de Aluche ou os campos de Huelva para descobrir o quão pouco é "simbólico" o racismo institucional.

A propósito, Illescas informou em seu artigo que "não há questões a serem alteradas para alcançar a igualdade das mulheres em relação aos homens", apenas para apontar que, em sua opinião, "o problema é que nos métodos para alcançar, podem produzir novas injustiças " e que "é honesto reconhecer que as mulheres já foram iguais em muitos aspectos aos homens quando não foram colocadas acima de si mesmas em algumas questões nos países desenvolvidos ". O autor não apenas desafia o movimento feminista como um todo, com abordagens que parecem mais típicas de movimentos misóginos como o "incel" (involuntariamente celibatário), mas também ataca o "feminismo marxista". Para ele, de acordo com uma citação que leu no Manifesto Comunista, Marx previu que "o capitalismo era o máximo destruidor da sociedade patriarcal", de modo que a luta contra a opressão das mulheres seria "secundária" desde então, algo que o capitalismo já está lidando, com a introdução de mulheres no mercado de trabalho.

Poderíamos recomendar a Illescas outros textos de Marx e Engels, antes de fazer tais afirmações obtusas; como “A origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado”, de Engels, passando por vários capítulos de “O Capital”, sem mencionar todos os trabalhos posteriores de autores como Clara Zetkin, Rosa Luxemburgo, Aleksandra Kollontai, Lenin ou Trotsky, que consideraram que o machismo deveria ser combatido entre os "camaradas" dentro das organizações revolucionárias e dentro da classe trabalhadora, ao mesmo tempo em que desenvolveram um programa específico como parte da luta pelo socialismo no combate à opressão das mulheres.

A introdução das mulheres no mercado de trabalho não só não termina com a opressão patriarcal, mas o capitalismo a usa em proveito próprio, nas novas condições criadas pelo trabalho assalariado. Por um lado, porque as mulheres da classe trabalhadora realizam principalmente o trabalho de reprodução doméstica em casa (um trabalho fundamental para a reprodução da força de trabalho) em um "segundo dia útil" não remunerado. Além disso, porque as trabalhadoras são as que, junto com os setores precarizados e imigrantes, ocupam a maioria do “exército industrial de reserva”, sendo, em geral, as primeiras a serem demitidas em períodos de crise. E, finalmente, porque no local de trabalho ou em setores inteiros de produção, a “divisão sexual do trabalho” também se aplica, com a existência de setores mais feminizados (empregadas domésticas, enfermeiras, operadoras de telemarketing etc.) em condições mais precárias e salários mais baixos.

Ao contrário do que Illescas pensa, o que divide a classe trabalhadora não é a luta contra a opressão, mas a persistência do machismo, do racismo e da homofobia dentro dela, promovida pelo próprio sistema para que haja a classificação entre "trabalhadores de primeira classe" e "trabalhadores de segunda classe". A fragmentação da classe trabalhadora também aumentou nas últimas décadas, como resultado de políticas de flexibilização trabalhista, terceirização ou trabalho temporário, políticas que as burocracias sindicais deixaram passar sem luta. Mas a luta contra essas múltiplas opressões, bem como a superação das fragmentações internas da classe trabalhadora, é algo que historicamente tem sido negligenciado por setores que mantêm uma visão economicista ou sindicalista de classe, setores que Lenin considerou como expressão da "política burguesa da classe trabalhadora".

Finalmente, para Illescas, os “sentidos comuns” que VOX desafia e que a esquerda deve atender são nada menos que a unidade da Espanha - contra o movimento de independência que considera, como um todo, “regressivo e pós-feudal”, sem questionar a política reacionária do nacionalismo espanhol, anti-feminista e anti-antirracismo. Isso é rojipartidarismo. Uma política que, por trás da verborragia esquerdista, pressupõe que existe uma base comum de ação entre a extrema direita e o comunismo, que apenas "mude a abordagem", para que esses "sentidos comuns" não sigam um curso "regressivo", mas um "progressivo". Assim, enquanto Illescas aponta para a "esquerda pós-moderna" como principal responsável pelo crescimento da extrema direita, ele reproduz como caricatura os vícios da esquerda stalinista que, em diferentes épocas, assumiram posições corporativas nos setores mais privilegiados da classe trabalhadora.

A questão trans e o sujeito revolucionário

Entrando no debate, Antonio Maestre afirma em um artigo recente que "O maior problema da esquerda contemporânea na Espanha é usar os debates teóricos como desculpa para resolver disputas de poder". Refere-se à luta furiosa pelos direitos das pessoas trans e aos ataques combinados de setores do feminismo radical, setores ligados ao PSOE e alguns "homens alfa do marxismo twittero".

A polêmica com as teorias queer, de fato, se tornou uma desculpa para defender posições conservadoras de certos feminismos e da esquerda stalinista, que negam os direitos das pessoas trans. Nesse sentido, Maestre assinala corretamente que, por trás do debate sobre os direitos das pessoas trans, também há setores ligados ao PSOE que se afirmam no poder com cotas dentro do feminismo e no Estado.

No entanto, seus argumentos vão além. Para Maestre, a partir do marxismo, a classe trabalhadora tem sido historicamente apresentada como uma "entidade idealizada", algo que deve ser mudado porque, segundo ele, a classe trabalhadora não tem mais capacidade transformadora. Em seus termos:

Não existe possibilidade radicalmente transformadora no movimento de trabalhadores na atualidade em que o sujeito político está mitificado e não corresponda à sua capacidade performativa. O ecossocialismo e o feminismo, e não o exclusivo trans, mas aquele que abraça o trans em uma bandeira, é o movimento conjunto que tem capacidade disruptiva em 2020 para resolver os problemas da classe trabalhadora. Queira ou não, o assunto político revolucionário de hoje é Greta Thunberg de braços dados com uma adolescente feminista e uma trans de 10 anos. Um marxista ficaria atrás disso [6].

Aqui encontramos a réplica invertida da posição de Illescas. Enquanto o primeiro se opõe a reconhecer todas as capacidades potencialmente perturbadoras de movimentos, como o da juventude contra as mudanças climáticas, o feminismo ou o antirracismo, Maestre nega a capacidade revolucionária da classe trabalhadora e propõe sua substituição pela soma de "novos" movimentos sociais. Sua "revolução", aparentemente, não passa de algum tipo de resistência cultural dentro da estrutura do sistema capitalista, o que não é contraditório ao seu apoio ao governo social-liberal "progressista" do PSOE-Podemos.

Além disso, quando Maestre questiona o marxismo, ele aponta para a versão barata e vulgar que Illescas representa, deixando de lado a rica tradição teórica e estratégica do marxismo revolucionário para articular a luta contra a opressão e a exploração.

A história do capitalismo está ligada, desde suas origens, ao racismo e à opressão das mulheres, ao mesmo tempo em que a normatividade heterossexual está na base da instituição familiar, sustentando a reprodução da força de trabalho e do próprio sistema. É por isso que as posições que negam as lutas contra essas opressões são reacionárias, quando deveriam fazer parte de uma estratégia revolucionária e hegemônica da classe trabalhadora. Estratégia que visa não apenas superar a fragmentação interna (entre empregados e desempregados, nativos e estrangeiros, homens e mulheres, trabalhadores permanentes e terceirizados, etc.), mas também estabelecer alianças com outros setores oprimidos na luta contra o capitalismo.

Por fim, é verdade que, dentro dos movimentos sociais, há setores que buscam impor políticas liberais, social-democratas ou de conciliação de classes. Nos últimos tempos, vimos isso claramente no feminismo, que representa o feminismo conservador do PSOE ou de Lidia Falcón, punitivista e transfóbico, bem como em diferentes expressões da política de identidade em uma chave neoliberal, do Pink Money ao greenwashing.

Mas deve-se acrescentar que também existem setores importantes dentro do movimento dos trabalhadores que tentam impor políticas corporativas ou "burguesas", como conciliação com governos ou empregadores, algo que se forma nas burocracias sindicais. É notório que nos debates entre "posmos" e "rojipardos" ninguém questiona as burocracias sindicais, que são os representantes da política burguesa dentro do movimento trabalhista e um fator-chave na manutenção do regime. Parte do "Estado ampliado", nas palavras de Antonio Gramsci, ou uma camada privilegiada dentro da classe trabalhadora, que atua como agente da ordem capitalista.

Mas isso não significa que a luta contra a opressão deva ser abandonada, nem a organização dentro dos sindicatos, mas o contrário. De qualquer forma, o que você precisa tentar construir são correntes revolucionárias nos movimentos progressistas e na classe trabalhadora. Para isso, será necessário superar os programas corporativos, bem como as ilusões de reforma ou humanização do capitalismo, combinando as batalhas pelas mais sinceras demandas, como a luta contra o racismo, a violência policial, a precariedade, a violência machista e a transfobia, pelo fim das demissões, pela falta de moradia etc., com um conjunto de reivindicações que visam questionar a propriedade privada dos capitalistas.

A classe trabalhadora continua sendo a que, devido às suas posições estratégicas de produção, de circulação e de reprodução em todo o mundo, pode articular a força social para subverter a ordem existente e derrotar a minoria social dos capitalistas que mantém a exploração e as opressões. Milhões de trabalhadores e trabalhadoras do campo, enfermeiras, domésticas, caminhoneiros, da logística, da indústria de alimentos, das telecomunicações, do transporte, da limpeza, as caixas de supermercado, trabalhadores de bancos e comércio, da produção de aço ou de energia; nativos, imigrantes, de todas as etnias e gêneros, sem esses "essenciais" o mundo não se move, como ficou claro durante a crise do coronavírus.

Em momentos de irrupção da luta de classes, a tendência de união nas ruas entre todos os oprimidos é uma realidade que supera as descrições teóricas de muitos tweeters. Vemos isso nos Estados Unidos, onde jovens negros se juntam a trabalhadores e trabalhadoras precarizados, com ativistas LGBTIs e sindicatos combativos em uma luta comum contra o Estado racista, contra a violência policial e as consequências da crise que já gerou milhões de novos desempregados.

Além do debate entre "posmos" e "rojipardos", o que devemos nos perguntar é qual assunto é necessário para qual estratégia. Se o objetivo é limitado a humanizar o capitalismo de alguma forma, por trás de uma perspectiva focada no caminho parlamentar, apoiando variantes do "mal menor" representado pelo governo do PSOE-Podemos, então o debate sobre o "sujeito revolucionário" não tem sentido. Também não é uma alternativa a nostalgia de Illescas pela antiga Esquerda Unida e pelo PCE que, não devemos esquecer, foi um ator fundamental na sustentação do regime de 78, desde suas origens, junto com a monarquia.

Chegará a hora de levantar a necessidade de uma estratégia política revolucionária para combater todas as opressões e explorações, procurando maneiras de construir uma força material para lutar por ela.

Notas:
[1] O termos posmos se refere ao setores ligados aos partidos do Estado Espanhol: PSOE e Podemos. (N.T.).

[2] O termo rojipardismo, usado no Estado Espanhol, se refere aos setores de esquerda que estão cedendo ao nacionalismo e aos setores conservadores e reacionários (N. E.).

[3] Jon Illescas, “Frente a VOX: clase obrera”, Viejo Topo, enero 2019, https://www.elviejotopo.com/articulo/frente-a-vox-habra-izquierda-para-la-clase-obrera/.

[4] Illescas, Ibídem.

[5] Trabalhadores contratados diretamente por empresas espanholas na América Central ou no Marrocos e cuja residência no Estado Espanhol depende deste contrato.

[6] Antonio Maestre, “El sujeto político revolucionario es una niña trans”, El Diario.es, 4/07/2020, https://www.eldiario.es/opinion/zona-critica/sujeto-politico-revolucionario-nina-trans_129_6081601.html.

Traduzido para o português por: Ana Dyonisio

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Teoria]

Josefina L. Martínez

Madrid | @josefinamar14
Comentários