Política

PRIVILÉGIOS DOS POLÍTICOS

Enquanto nosso salário diminui, Câmara paga R$45 mil por passagem aérea de Deputados

segunda-feira 15 de janeiro| Edição do dia

Segundo dados obtidos pelo Estadão através da Lei de Acesso a Informação, desde 2015 foram feitas 1,4 mil viagens oficiais, com gasto total de R$7,6 Milhões.
O valor absurdo das passagens, que passam facilmente o salário de um ano todo de um trabalhador, é tirado dos nossos bolsos. Como é o exemplo dos deputados Claudio Cajado (DEM) e Antonio Imbassahy (PSDB), Bahia, que em dezembro de 2015 fizeram viagens para o Casaquistão e para Georgia, com o custo de R$45,5 mil e R$45,3 mil, respectivamente.

Também leia: Congresso brasileiro é o segundo mais caro do mundo dentre 110 países

Segundo Cajado “nenhum de nós tem o interesse de comprar a passagem mais cara”, sendo que ele foi um dos deputados que mais fez a Casa desembolsar verbas para suas viagens, chegando no valor de R$280 mil em 3 anos.

Também leia: 94% dos brasileiros acha que os cortes do governo deveriam ser nos privilégios de políticos

A farra das passagens continua, assim como a implementação de ataques e retiradas de nossos direitos. São políticos com uma série de privilégios, que vão desde auxílio terno até passagens aéreas, no setor executivo, de até R$45 mil, os mesmos que querem nos fazer trabalhar até morrer sem nos aposentar, que nos querem em situação de trabalho análoga a escravidão com o trabalho intermitente e a tercerização irrestrita. Políticos esses, que não sobreviveriam um único mês com o salário de uma professora da rede pública de ensino.

Também leia: É preciso uma estratégia pra enfrentar os privilégios da casta política, diz Diana Assunção

Família Bolsonaro recebeu R$ 730 mil de auxílio-moradia enquanto adquiria inúmeros imóveis




Comentários

Comentar