Política

CORONAVÍRUS

Enquanto bola rolava no Maracanã, doentes morriam no hospital de campanha do estádio

Na noite de ontem o gramado do Maracanã foi palco do jogo que marcou a volta do Campeonato Carioca, forçada por Crivella para agradar as diretorias milionárias, apesar de protestos de especialista de saúde e da população. Enquanto isso, no hospital de campanha instalado ao lado do estádio, mais 2 pessoas morriam de coronavírus.

sexta-feira 19 de junho| Edição do dia

A pandemia do coronavírus serviu pra mostrar como os capitalistas estão dispostos a sacrificar a vida dos trabalhadores e da população para manter seus lucros. No futebol não foi diferente. Após Crivella promover uma reabertura sem nenhum critério sanitário, resolveu também recomeçar o Campeonato Carioca, apesar dos protestos de torcedores de vários times, inclusive dos times em campo.

Absurdo por si só, se torna mais absurdo quando pensamos que ao lado do estádio está instalado um hospital de campanha para pacientes de coronavírus. Enquanto o Flamengo ganhava o jogo, naquele hospital, 2 pessoas perderam coisas mais importantes: suas vidas. Vidas que poderia estar salvas se não fossem o total descaso de Crivella, Witzel e Bolsonaro frente à crise sanitária, que não promoveram testes em massa e deixaram o SUS em frangalhos.

No entanto, nada disso parece abalar Crivella e as diretorias. Os mesmos já tão organizando o resto do calendário do campeonato, mostrando sua ânsia de lucro acima de tudo.




Tópicos relacionados

Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar