Política

Enquanto aprova terceirização irrestrita, Justiça desbloqueia bens de Crivella

sexta-feira 31 de agosto| Edição do dia

A seletividade da justiça se escancara todo dia. Na mesma semana em que mandam soltar a mulher do ex-governador Sérgio Cabral e o filho de Picciani, que o TSE suspendeu a cassação da chapa Pezão Dornelles , e quese cala frente a denúncia de Jacob Barata de pagar Caixa 2, a justiça também desbloqueia os bens de Crivella. O prefeito do Rio, que é coberto de denúncias, como de favorecer fiéis na fila da SUS->http://www.esquerdadiario.com.br/Crivella-facilita-agendamentos-para-fieis-enquanto-populacao-espera-anos-por-cirurgias], teve seus bens desbloqueados pela justiça por não haver “comprovação” de atos ilícitos.

Isso se dá na mesma semana em que o judiciário teve um aumento do governo Temer, passando a ganhar R$39 mil, e que o STF aprovou a terceirização irrestrita, e marca uma sessão relâmpago para vetar a candidatura de Lula.

Se o judiciário e a Operação Lava Jato conseguiram, no seu início, convencer alguém com sua demagogia “anticorrupção”, fica cada vez mais claro que esta casta de juízes não está nem aí para os trabalhadores, é apenas capacho do grande capital, atuando para escolher a dedo o próximo presidente que aplicará os ataques aos trabalhadores, e trabalhando ativamente para isso, como na reforma trabalhista e na terceirização irrestrita.

Nós não defendemos o PT e seu projeto conciliador, que fez acordos com essa direita reacionária, aplicou ajustes aos trabalhadores e abriu espaço para a direita golpista. Porém não cabe à essa casta privilegiada determinar em quem o povo deve ou não votar! Abaixo à manipulação eleitoral do judiciário! Que todo juiz seja eleito e revogável a qualquer momento e ganhe o mesmo que uma professora! Que os casos de corrupção sejam julgados por júri popular, e que os bens de corruptos e corruptores sejam confiscados e investidos nos serviços públicos e na criação de empregos!




Tópicos relacionados

Marcelo Crivella   /    Poder Judiciário   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar