Sociedade

INTERVENÇÃO FEDERAL

Empresários doam fuzis para Intervenção e exército dá ao BOPE tanques para matarem melhor

Na última terça, empresários da indústria bélica doaram fuzis e munições ao Gabinete de Intervenção Federal do Rio. Ao mesmo tempo, o Exército doou ao BOPE veículos blindados. Empresários, Exército, Polícia Militar e governo seguem de mãos dadas para garantir mais mortos no Rio de Janeiro.

quarta-feira 21 de março| Edição do dia

Foto: Blindado Urutu, que será doado ao BOPE

Ontem, 20, aconteceu um evento simbólico no Forte de Copacabana, na Zona Sul do Rio, para a entrega de 100 fuzis T4 e 100 mil munições de calibre 446, doados para o Gabinete de Intervenção Federal do Rio diretamente por Salésio Nuhs, presidente da Forja Taurus (que fabrica os fuzis), e por Fabio Luiz Munhos Mazzaro, presidente da Companhia Brasileira de Cartuchos. Um evento muito simbólico mesmo, que contou também com a presença do general Braga Netto e do secretário de segurança Richard Nunes, que simboliza exatamente a aliança existente entre o governo golpista e os empresários. Nesse caso, com esses empresários, essa aliança significa a garantia de que o Exército terá as melhores e mais tecnológicas armas do mundo para aterrorizar e assassinar principalmente a juventude negra dos morros.

Ao todo, as armas e as munições somam um valor de R$1,5 milhão, um valor altíssimo que poderia ser doado para diversas outras áreas do Rio de Janeiro em crise. Mas o governo Temer prefere fortalecer o poder bélico do Exército, já que ontem também Temer declarou que a Intervenção Federal no Rio deve receber R$1 bilhão do governo.

Ao mesmo tempo, oficiais da cúpula da Polícia Militar informaram que o Exército irá doar veículos blindados para o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar, o BOPE, que já é conhecido por subir o morro com o caveirão e descer deixando mais alguns jovens mortos em sua contagem. Essa “gentileza” cedida pelo Exército vai além da Intervenção Federal, pois é um presente para o batalhão assassino, que seguirá existindo e reprimindo independente da Intervenção Federal.

Uma semana após o brutal assassinato de Marielle, onde tudo indica ter sido uma execução pelas mãos da polícia, o golpista Temer, o Exército do general Braga Netto e os empresários da indústria bélica atuam em conjunto para garantir que essa morte seja silenciada, assim como qualquer outra manifestação que escancare a crise do Rio de Janeiro. Não nos calaremos por Marielle, e nem contra a Intervenção Federal, que ela tanto combateu. Exigimos a imediata retirada das tropas do Rio, assim como o fim das UPPs que cotidianamente assassinam nossos jovens.




Tópicos relacionados

Marielle Franco   /    Intervenção Federal   /    Sociedade   /    Violência Policial   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar