Mundo Operário

TELEMARKETING

Empresa de telemarketing ATENTO obriga terceirizados a trabalharem expostas ao COVID-19

Segundo denúncias anônimas os trabalhadores tercerizados da empresa que presta serviço aos grandes empresários capitalistas mantém seus funcionários trabalhando normalmente.

quarta-feira 18 de março| Edição do dia

Os trabalhadores de prestação de telemarketing estão sendo obrigados a trabalhar mesmo com as medidas de prevenção do próprio governo. Mais uma vez as grandes empresas colocam seus interesses no lucro acima da própria vida dos trabalhadores.

Segundo relatos, os terceirizados da ATENTO reivindicaram escalas de trabalho para evitar a propagação do vírus e aglomerações no trabalho, porém a empresa negou e segue com a linha de manter trabalho normal para todos.

A categoria de trabalhadores de telemarketing são expostos cotidianamente a precarização e assédios nos seus locais de trabalhos. Essa categoria em sua esmagadora maioria são mulheres negras e pobres que sofrem a violência do racismo, machismo e capitalismo. Várias idosos e jovens no primeiro emprego estão expostos ao vírus sem nenhuma expectativa de liberação da empresa.

Os trabalhadores terceirizados seguem em seus trabalhos sem nenhuma informação ou material de prevenção nos locais de atendimento ao telemarketing, segundo funcionários a ATENTO diz que não tem estoque para fornecer álcool em gel.

No site oficial da Atento a empresa está entre as 25 melhores empresas para se trabalhar, prestar seus serviços em nome do lucro, não garantir escalas, não garantir matérias de prevenção e manter trabalhadores e trabalhadoras idosas trabalhando normalmente a Atento representa as grandes empresas capitalistas que querem que morremos trabalhando. A pressão no local de trabalho só aumenta.

Por isso exigimos a liberação imediata dos funcionários dos serviços não emergenciais com garantia de pagamento dos salários, proibição de demissão. Nossas vidas vale mais do que os lucros deles.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Telemarketing   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar