Política

PT

Em troca de cargos, PT pode apoiar o DEM para presidência da Câmara

No dia 2 de fevereiro ocorrerá a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, e o PT ainda está definindo quem apoiará, mas já sinaliza possível apoio ao candidato do DEM.

quarta-feira 18 de janeiro de 2017| Edição do dia

Até essa terça-feira, apenas três deputados confirmaram suas candidaturas: Rogério Rosso (PSD-DF), Jovair Arantes (PTB-GO) e André Figueiredo (PDT-CE). Rodrigo Maia (DEM-RJ) não oficializou candidatura, porém tem oferecido jantares a parlamentares nos últimos dias.

Desses quatro nomes, apenas um (André Figueiredo) é opositor ao governo de Michel Temer. Parte da bancada petista tem declarado apoio a esse candidato, porém outros membros da bancada têm preferência por Jovair Arantes, que foi o relator do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, e por Rodrigo Maia, peça fundamental no avanço das reformas de Temer no Legislativo.

Entre os que preferem um acordo com o possível candidato do Democratas está o ex-presidente Lula, que, segundo o Jornal O Estado de São Paulo, deu o aval para que o PT negocie cargos na Mesa Diretora da Câmara e em comissões, em troca do apoio a Maia.

Para se definir quem o PT apoiará para a presidência foi formada uma comissão com 9 de seus deputados federais. Segundo o deputado Paulo Teixeira, "É uma comissão que foi designada pela bancada para discutir com os quatro candidatos. [...] Esta comissão vai dialogar com o presidente Lula na quinta-feira e com o Rui também, antes da Executiva".

A Executiva referida é a Comissão Executiva Nacional do PT, que se reunirá na quinta-feira (19). No dia seguinte, se reunirá o Diretório Nacional do partido. Esses encontros devem definir quem a legenda apoiará para a presidência da Câmara.

Após a reunião da bancada petista ocorrida ontem (17), o deputado paulista Carlos Zarattini foi questionado pela imprensa sobre o desconforto que seria criado por um apoio do partido a um aliado de Temer. Sobre isso, o parlamentar respondeu: “Esta questão é secundária para nós, desde que haja respeito às regras democráticas, ao regimento, à proporcionalidade”. Também o presidente do PT, Rui Falcão, falou à imprensa, afirmando ser importante a presença do partido na Mesa Diretora para fazer oposição ao governo Temer.

Mais e mais conciliações

A tal “oposição responsável” que o PT afirmou que faria a Temer, cada dia mais mostra sua cara. E é a cara da conciliação e dos acordões com os golpistas. Em troca de um cargo na Mesa Diretora e da presidência de uma ou outra comissão, os petistas aceitam negociar com todos: de Jovair Arantes, que foi relator do processo de impeachment que culminou no show de horrores da votação em abril do ano passado, a Rodrigo Maia, que tem feito a Câmara trabalhar rapidamente para aprovar as reformas que retiram nossos direitos e precarizam ainda mais nossas condições de vida, como a Reforma da Previdência.

Não é possível criar ilusões nas negociatas que Lula e o PT estão organizando. A localização de deputados petistas nos cargos pretendidos nada pode fazer para impedir a votação dos ataques do governo golpista.

Apenas a organização dos trabalhadores e dos demais setores atacados pelas reformas pode barrar a agenda de retrocessos e de precarização vindos de Temer. Não será pela via parlamentar que defenderemos nossos direitos, mas a partir da organização nos locais de trabalho e estudo. Ao invés de acordões e trégua com o governo, é necessário que CUT , CTB e UNE organizem assembleias de base, para discutir planos de luta concretos para barrar as reformas.

Com informações da Agência Estado




Tópicos relacionados

Câmara dos Deputados   /    PT   /    Lula   /    Política

Comentários

Comentar