Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Em quarto dia de votação da previdência, Centrais Sindicais não deram sinal de vida

sexta-feira 12 de julho| Edição do dia

Foto: Luan Borges /Ag. A TARDE

Com a Reforma da Previdência já aprovada em primeiro turno e a Câmara de Deputados votando propostas de alteração na reforma que mantém de conjunto um ataque histórico ao direito de se aposentar, a passividade das Centrais Sindicais continua com força. Já foram 4 dias desse show de ataques do legislativo e as Centrais Sindicais não esboçam resistência.

No dia 10, manifestações esparsas convocadas pelas Centrais Sindicais em alguns locais do país deram o tom da "resistência". Não se organizou assembleias nos locais de trabalho para preparar o combate dos trabalhadores contra este ataque, o que na prática garante que tudo fique funcionando normalmente enquanto os deputados atacam com esta reforma. Já a "estratégia de resistência" adotada durante a votação da reforma foi a de pressão aos deputados nos aeroportos - estes que receberam milhões em emendas parlamentares e que nunca tiveram nenhuma preocupação com os direitos do povo trabalhador.

Leia mais: Entre a estratégia da pressão e da obstrução do PT e PCdoB, avança a cruel reforma da previdência

Centrais Sindicais como a CUT - ligada ao PT - e a CTB - ligada ao PCdoB - apostaram na estratégia da obstrução, que perdeu faz 3 dias já. Enquanto que Centrais Sindicais como a Força Sindical e a UGT, estas são ligadas a partidos que diretamente votaram à favor da Reforma da Previdência - como é o caso do Solidariedade, de Paulinho da Força, que votou todo à favor.

Leia mais: "É uma vergonha que no dia da votação da reforma as centrais não tenham organizado nenhum ato", diz Marcello Pablito

Basicamente, são dezenas de milhões de trabalhadores que contribuem para os seus diferentes sindicatos como forma de organização política - e estes sindicatos deveriam estar lutando pelos direitos dos trabalhadores mas não o fazem, especialmente quando é um ataque histórico como este que está ocorrendo e já entra em seu quarto dia.

Leia mais: Reforma da previdência de Bolsonaro GARANTE privilégios. Conheça 6 fatos que provam isso

Como a Medida Provisória de Bolsonaro que proibia o desconto em folha do imposto sindical não está mais valendo, muitos começam à especular nas redes se por acaso, essa passividade da CUT e da CTB e das outras Centrais Sindicais (Força Sindical, UGT, etc) não fazem parte de um acordo com Rodrigo Maia para que não se pautasse a MP de Bolsonaro e os sindicatos pudessem voltar a cobrar o imposto sindical direto em folha. Se isso for verdade, não seria à toa que Bolsonaro teria chamado Rodrigo Maia de "general da reforma".




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Rodrigo Maia   /    Reforma da Previdência   /    Centrais Sindicais   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar