PDV

Em meio às ameaças de Bolsonaro, EBC reabre PDV

segunda-feira 26 de novembro| Edição do dia

Em meio as ameaças de Bolsonaro e sua cúpula de extinguir estruturas da empresa e as manifestações contrárias de seus funcionários, a EBC (Empresa Brasil de Comunicação) responsável pela Agência Brasil, a TV Brasil (umas das quais Bolsonaro ameaça fechar) e a Rádio Nacional, entre outros veículos, informou a seus trabalhadores na sexta (23) que abrirá, a partir do dia 27, uma segunda rodada de adesões ao Plano de Demissão Voluntária (PDV). O governo separou R$ 80 milhões para efetuar o PDV deste ano.

Segundo o comunicado enviado por e-mail aos trabalhadores, o objetivo é “readequação da estrutura organizacional da EBC, redimensionamento da força de trabalho e redução de custos”.
“Diferentemente do primeiro PDV, iniciado em dezembro de 2017, neste todos os empregados do quadro da empresa poderão aderir, independentemente de idade ou tempo de casa”, informa a direção da EBC, vinculada à Secretaria-Geral da Presidência da República, explicando que desta vez o plano de demissões será ampliado.

Integrantes do governo Temer, o PDV foi definido há cerca de dois meses e autorizado pelo Ministério do Planejamento, em uma tentativa de reduzir o quadro de funcionários. Na primeira rodada realizada em dezembro, 96 funcionários foram desligados da empresa.

A intenção do futuro governo de Bolsonaro é cortar o valor total pela metade. A ideia é manter apenas a NBR (agência oficial do governo), a Rádio Nacional e a Voz do Brasil.

A ameaça ao funcionamento da imprensa é apenas mais uma das medidas autoritárias de Bolsonaro. Planos de demissão voluntária são o primeiro passo, mínimo, para um governo que pretende destruir os serviços públicos.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    PDV   /    Bolsonaro   /    Demissões

Comentários

Comentar