Mundo Operário

DEMISSÕES

Em meio à pandemia, hospitais privados irão demitir 350 mil funcionários em prol do lucro

Mesmo com o Banco Nacional de Desenvolvimento dando 2,2 bilhões para hospitais com faturamento acima de 300 milhões durante a pandemia, recebendo também historicamente outras diversas ajudas do governo e lucrando absurdos todos os anos usando a saúde como mercadoria, os capitalistas pretendem jogar na rua cerca de 350 mil pessoas.

sexta-feira 19 de junho| Edição do dia

Fonte: Rede social de Rodrigo Neves, prefeito de Niterói/RJ.

Clínicas da saúde privada de médio porte desde o início da pandemia deixaram de lucrar 18 bilhões de reais por queda de 60% das ocupações, pelo adiamento de consultas, exames e cerca de 70% de cirurgias suspensas. Segundo informações da UOL, 45 milhões de pessoas devem morrer nos próximos meses vítimas de cânceres não tratados nesse período. Mesmo com o Banco Nacional de Desenvolvimento dando 2,2 bilhões para hospitais com faturamento acima de 300 milhões durante a pandemia, recebendo também historicamente outras diversas ajudas do governo e lucrando absurdos todos os anos usando a saúde como mercadoria, por essa perda de lucro, esses capitalistas pretendem jogar na rua 10% de trabalhadores, cerca de 350 mil pessoas.

Escândalos como esses só mostram mais uma vez a irracionalidade do sistema capitalista e a irracionalidade das medidas sanitárias tomadas pelo Estado que, além das mortes por Covid, causará também mortes por doenças não tratadas. Com uma quarentena inefetiva que a população não recebe testagem massiva, nem faz o correto isolamento das pessoas que são portadoras dos vírus, é apenas isolado quem tem a oportunidade receber licença remunerada ou fazer home office, uma minúscula parcela da população. Assim, o vírus circula na cidade e as pessoas podem contraí-lo na rua, em seus trabalhos e principalmente nos hospitais, evitando ir a estes para tratar e descobrir outras doenças. Devido a isso, após o período de isolamento social necessário (se é que podemos chamar assim ou simplesmente imunidade de rebanho, devido às medidas adotadas pelos governantes) as consultas aos hospitais irão ter um crescimento muito maior devido a fila que se formará dos adiamentos, sendo comparado a um tsunami.

Além de deixar milhares de pessoas em enormes filas de espera após a pandemia, a saúde privada jogará, em meio a pandemia, centenas de milhares de trabalhadores da saúde ao desemprego, mesmo hospitais públicos estando superlotados e com falta de profissionais da saúde, que estão cumprindo jornadas de trabalho imensas para tentarem dar conta da demanda, sendo trabalhadores essenciais no momento. Isso mostra como para Bolsonaro e governadores, o que se deseja salvar não são vidas, mas sim o lucro dos grande empresários.

Frente à isso, é extremamente necessário lutarmos pela centralização de todo o sistema de saúde, públicos e privados, com uma fila única de pacientes e sob controle dos próprios trabalhadores da saúde que são os que realmente tem interesse em salvar vidas. Juntamente à essas medidas, é necessário lutarmos pela proibição de todas as demissões e inclusive pela contratação de mais profissionais que estão desempregados ou ainda estudantes que possam receber treinamento e investimento na saúde para abertura de mais leitos e compra de respiradores, para suprir a real demanda da população.

Essas medidas mínimas de combate a pandemia precisam vir acompanhadas de muitas outras, moradias e saneamento básico para todos, junto com um auxílio emergencial digno. Sabemos que isso não virá dos governadores que já demonstram completo descaso e muito menos do governo de Bolsonaro e Mourão. É de extrema importância a auto-organização de trabalhadores em cada local de trabalho junto ao apoio da juventude para lutar por uma saída de independência da classe trabalhadora onde possamos evitar qualquer morte desnecessária, sendo pelo vírus ou pelas balas da polícia. Precisamos nos mobilizar, sair às ruas nos juntando aos atos antifascistas e anti-racistas, respeitando as medidas sanitárias e mostrar para o governo e para os capitalistas que nós não aceitaremos, que as nossas vidas valem mais que o lucro dos capitalistas.

Temos que lutar pelo Fora Bolsonaro e Mourão, sem ilusão apenas no impeachment do Bolsonaro que pode colocar mais um inimigo reacionário na presidência. Precisamos lutar para mudar esse regime que a já defunta Constituição de 1988 permite acontecer. Lutar uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana a todos os Poderes da Constituição atual permite que sejam os próprios trabalhadores possam debater os rumos do país de acordo com as reais necessidades de sua classe!




Tópicos relacionados

Sistema de saúde   /    Crise na Saúde   /    saúde pública   /    Privatização da Saúde   /    trabalhadores da saúde   /    Saúde   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar