Política

GREVE DOS PROFESSORES

Em meio a greve no RS, professores receberão todo o salário de outubro em dezembro

Professores estaduais do Rio Grande do Sul, em greve desde segunda-feira (18), só receberão todo seu salário do mês de outubro na segunda semana de dezembro.

sábado 23 de novembro| Edição do dia

A categoria que está em greve contra o pacote cruel do governador Eduardo Leite, recebe seus salários parcelados há cinco anos. Leite, que se elegeu com promessas de priorizar o fim do parcelamento do salário do funcionalismo público, continua e aprofunda essa política implementada desde o governo Sartori.

Leia também: Hipocrisia: Leite diz que plano de carreira é a causa da situação precária dos professores

Os servidores públicos que recebem acima de R$ 1,7 mil líquido, tiveram depositada em suas contas nesta segunda-feira a primeira parcela do salário do mês de outubro, no valor de R$700. O calendário de outubro terá o pagamento estendido até 13 de dezembro:

Parcela 2 - 10/12
R$ 1000

Parcela 3 - 11/12
R$ 800

Parcela 4 - 12/12
R$ 1.100

Parcela 5 - 13/12
Saldo (restante do valor devido)

A classe trabalhadora gaúcha, deve acreditar em sua própria força em lutar e mobilizar para enfrentar os ataques do governo.. Os processos de luta de classes que se ativaram na América Latina nas últimas semanas, como a greve geral de 12/11 no Chile (a maior desde o fim da ditatura de Pinochet) e a grande greve geral na Colômbia, devem servir de aprendizado para o funcionalismo.

Leia também: As lutas na América Latina precisam contagiar os professores do RS para derrotar Leite

A saída para derrotar Leite a nível regional, bem como os ataques de Bolsonaro e Guedes no patamar nacional, está na luta de classes. A auto-organização dos trabalhadores, com independência de classe (afinal, o histórico de traições das burocracias sindicais são conhecidas de todos), através da formação de comitês de base que discutam em assembleias os rumos do movimento é a política a ser impulsionada. A greve tem tido grande apoio na sociedade e este deve ser aproveitado pra promover alianças entre as categorias afetadas, demais setores da classe trabalhadora e a juventude estudantil, para construir uma grande greve geral no estado e derrotar o governo Leite.




Tópicos relacionados

Eduardo Leite   /    Rio Grande do Sul   /    Greve Professores RS   /    Política

Comentários

Comentar