Economia

CRISE?

Em meio a crise, bancos têm maior lucro trimestral desde 2006

Os quatro maiores bancos no Brasil com ações na bolsa (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) tiveram seu maior lucro trimestral desde 2006, ano dos primeiros dados registrados pela empresa financeira Economatica.

sexta-feira 9 de novembro| Edição do dia

Foi divulgado ontem que o lucro no terceiro trimestre deste ano (julho a setembro) dos quatro maiores bancos com ações na bolsa, sendo eles banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, foi de 17,47 bilhões, maior valor consolidado nominal (sem considerar a inflação) desde 2006. o aumento em relação ao terceiro trimestre de 2017 foi de 28,5% e se comparado com o segundo trimestre deste ano, foi de 3,5%.

Quando considerado a inflação da época e ajustado pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), este é o maior lucro desde o segundo trimestre de 2015. O banco com maior lucro é o Itaú Unibanco, seguido de Bradesco, Banco do Brasil e Santander.

Crise pra quem?

Em meio a uma crise econômica internacional que se arrasta desde 2008, foram vários os ataques aos trabalhadores e população desde a PEC do teto, que limita os gastos em áreas como saúde e educação, até a aprovação da terceirização irrestrita e reforma trabalhista, que busca acabar com o que ainda resta de direitos trabalhistas.

Agora, com a vitória de Bolsonaro nas eleições mais manipuladas da história recente, esses ataques se aprofundam. Bolsonaro já anunciou que quer acabar com o ministério do trabalho e as leis trabalhistas e a reforma da previdência é sua prioridade máxima. E com o ultra neoliberal Paulo Guedes a frente, quer um país cada vez mais submisso ao imperialismo norte americano.

Mesmo assim, os lucros dos banqueiros continuam batendo recordes, mostrando que quem paga pela crise são os trabalhadores e a população. Crise essa que foi criada pelos próprio capitalistas.




Tópicos relacionados

Não ao pagamento da dívida pública!   /    Bancos   /    Imperialismo   /    Pelo não pagamento da dívida pública   /    Dívida pública   /    crise econômica   /    Economia

Comentários

Comentar