Política

SAMPAPREV

Em mais uma manobra parlamentar, vereadores querem votar relatório do SAMPAPREV hoje

Bruno Covas e Milton Leite buscam formas de abrir caminho para que a votação do projeto do SAMPAPREV se dê ainda nesse ano.

terça-feira 18 de dezembro de 2018| Edição do dia

Conforme denúncia postada pelo vereador Toninho Vespoli em sua página do facebook, os membros da comissão fraudulenta de debate do SAMPAPREV querem votar o relatório do projeto no dia de amanhã as 15h, preparando o terreno para que projeto vá para votação no plenário da Câmara ainda este ano.

Essa é a mais recente manobra parlamentar executada por Milton Leite (DEM) e seus comparsas sedentos pela aprovação do ataque contra os professores e servidores do município. De início a comissão deveria contar com 120 dias para a discussão do projeto, que foram reduzidos para apenas 30 dias de estudo e sem a participação dos servidores, do próprio sindicato e da população. Agora em mais um golpe, antes mesmo dos 30 dias, já está pronto o relatório a ser votado, e que certamente terá um posicionamento favorável ao SAMPAPREV, já que 8 dos 10 vereadores que a compõe tem interesse em sua aprovação.

Apesar de se colocarem como oposição na comissão, a estratégia parlamentar e superestrutural de Cláudio Fonseca do PPS e do SINPEEM, e de Juliana Cardoso do PT e ligada aos sindicatos dos servidores dirigidos pela CUT, conduz a essa contradição: na demagogia estão contra o projeto, mas na prática elegeram junto a toda base aliada do governo Eduardo Tuma (PSDB) como presidente da Câmara, que mostra a conivência da parte deles com a continuidade dos ataques aplicados sob os professores e trabalhadores com mão de ferro por Milton Leite.

Os professores e servidores frente à tudo isso são os únicos que se entrarem em cena podem passar por cima dessa comissão absurda, das negociatas do PT e do PPS e fazer de fato frente ao SAMPAPREV e ao conjunto dos ataques contra os trabalhadores à população.Não há que esperar nada desses políticos, só podemos confiar nas nossas próprias forças se aliando em defesa dos direitos da população para barrar o Sampaprev de Covas, Milton Leite e Tuma.

A paralisação e assembleia de servidores que acontecerá dia 21 tem que expressar, para derrotar definitivamente o SAMPAPREV, a força do funcionalismo em defesa não só de sua aposentadoria mas do restante da classe trabalhadora, pois podemos daqui abrir caminho para derrotarem a Reforma nacional da previdência que Bolsonaro e os golpistas querem aprovar ano que vem.




Tópicos relacionados

Bruno Covas   /    Sampaprev   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar