Política

CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

Em escalada repressiva, Temer autoriza exército a confiscar caminhões nas estradas

Antes de decretar a GLO nacional para reprimir manifestantes, Temer baixou um decreto para autorizar os homens do exército a apreender e dirigir os caminhões paralisados nas estradas.

sexta-feira 25 de maio| Edição do dia

Imagem: IG/ Marcos Corrêa

Temer decretou a Garantia de Lei e Ordem e pode agora apreender caminhões e usar as forças armadas para desbloquear as estradas. Além disso, Temer também saiu com um decreto que permite que os militares dirijam os caminhões para manter o abastecimento da população.

Isso demonstra uma grande debilidade do governo Temer que recorreu diversas vezes às forças armadas, tendo acionado a GLO pela segunda vez em seu governo. A situação mais emblemática do uso da força contra os trabalhadores e a população pobre é intervenção federal no Rio de Janeiro, buscando resolver pela força a imensa crise que o Estado do Rio enfrenta.

Essa medida pode ser implementada contra qualquer greve ou manifestação dos trabalhadores contra medidas do governo, garantindo que a crise seja descarregada nas nossas costas.

Acionar a GLO escancara a falência do governo golpista de Temer, evidenciando ainda mais o avanço do autoritarismo em seu governo, que se apoia não somente no uso dos aparatos repressivos do Estado, mas também no Judiciário, que continua atacando todos os direitos dos trabalhadores, até mesmo o direito mais elementar que é o direito ao voto.

As centrais sindicais precisam urgentemente romper com seu imobilismo, que trava a luta da classe trabalhadora, organizando os trabalhadores através de seus métodos, como assembleias e comitês nos locais de trabalho, contra o aumento de todos os combustíveis, não só o diesel, mas o gás de cozinha e a gasolina. Unificando também, a luta contra esse aumento com a mobilização dos trabalhadores petroleiros, pela estatização completa da Petobras, sob controle dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

crise combustíveis   /    Exército   /    Forças Armadas   /    Crise da Petrobrás   /    Política

Comentários

Comentar