Internacional

ELEIÇÕES NA FRANÇA

Eleições municipais na França com revés para Macron e abstenção histórica

Em uma votação marcada pela abstenção histórica, os resultados do segundo turno das eleições municipais na França nos permitem tirar algumas lições. Para a coalizão de Emmanuel Macron (A República em Marcha), foi uma derrota anunciada. Para a formação da Europa Ecologia - OS Verdes (EEOV) e as coalizões de centro-esquerda que se formaram, houve um avanço significativo, continuidade do bom desempenho que tiveram nas eleições europeias.

segunda-feira 29 de junho| Edição do dia

Abstenção nunca vista em eleições municipais

O primeiros dadosa ser considerados no segundo turno das eleições francesas que ocorreram no domingo (28) é o alto nível de abstenção. Ao longo do dia, analistas políticos espantados mencionaram que a abstenção poderia ser histórica, mas o resultado saiu às 8 horas da noite, quando se sabia que o nível de participação havia sido de apenas 40,5%. Isso é 21,5 pontos a menos do que no segundo turno da votação municipal em 2014.

Certamente, o contexto da pandemia certamente jogou a favor dessa abstenção recorde, mas não explica tudo. Embora os prefeitos sejam geralmente os representantes eleitos mais populares em toda a Quinta República, as eleições municipais não estão à margem da tendência geral de aumentar a abstenção que afeta todas as eleições desde os anos 2000. Entre o segundo turno de 2001 e 2014, a taxa de participação diminuiu continuamente, de 69% para 62%.

O registro de abstenção das eleições atuais marca um ponto de virada, em que pela primeira vez há uma taxa de participação abaixo de 50%, sem dúvida amplificada pela situação atual, mas explicada principalmente por uma tendência fundamental que revela uma desconfiança, cada vez mais acentuada, em relação a representantes políticos, inclusive locais.

O avanço do Europa Ecologia - Os Verdes (EEOV)

Este é um avanço significativo. Em sintonia com o bom desempenho alcançado nas eleições europeias, o EEOV obteve um verdadeiro impulso nas eleições em 28 de junho. Tendo realizado diferentes coalizões de centro-esquerda, embora também nos lugares em que foram sem elas, o EEOV não apenas manteve o conselho da cidade de Grenoble, mas também pôs os pés em uma série de cidades de médio porte, como Besançon, Annecy ou Poitiers.

No entanto, é em um punhado de cidades muito grandes onde o EELV alcançou vitórias retumbantes. O mais importante, sem dúvida, é a vitória da prefeitura de Lyon (terceira cidade da França) com 53,5% dos votos, que em outras ocasiões sabiam ser um baluarte de apoio a Emmanuel Macron. Segundo estimativas iniciais, os candidatos do EEOV também venceram em Estrasburgo e Bordeaux (bastião histórico à direita) e estão na disputa em Marselha.

Revés para Macron e A República em Marcha

Para La République En Marche (LREM), resta apenas mostrar o triunfo do primeiro ministro Édouard Philippe, que foi reeleito por 58,8% dos votos em sua cidade natal, Le Havre. Mas Philippe nem sequer é membro do partido presidencial (que foi formado como uma coalizão eleitoral que levou Macron à presidência e desde então vem se decompondo pouco a pouco). Portanto, os resultados municipais são um tapa na cara do partido LREM de Macron. Eles perderam Lyon e além disso não ganharão nenhuma grande cidade.

O avanço ambiental é uma nova pressão sobre Macron, principalmente em vista das eleições de 2022. As alianças de direita não poderiam conter esta queda. Em Paris, o ex-ministro da Saúde de Macron, Agnès Buzyn, obteve apenas 16% em Paris, onde Anne Hidalgo, do Partido Socialista em coalizão com os Verdes, obteve 50,2%.

A extrema direita do Reagrupamento Nacional com uma vitória simbólica

O partido de extrema direita xenofóbica de Marine Le Pen, o Reagrupamento Nacional (RN), alcançou uma vitória simbólica na cidade de Perpignan, mas isso apenas esconde o fracasso em termos de inserção territorial.

O candidato do RN Louis Aliot ganhou 53% dos votos em Perpignan. Uma novidade para este partido de extrema direita, que agora administrará uma cidade com mais de 100.000 habitantes.

Se a formação de Marine Le Pen obteve uma vitória simbólica extremamente forte nesta cidade, marcada pelo alto desemprego, os resultados nos municípios como um todo são muito pobres. O objetivo inicial, isto é, estabelecer uma verdadeira ancoragem em todo o território, com vistas à conquista do Palácio do Eliseu em 2022, está longe de ser alcançado. Pelo contrário, o progresso do RN tem sido marginal.

Em Bordeaux, apesar da pressão de uma votação útil, a extrema esquerda mantém seu histórico voto no primeiro turno

O único candidato anticapitalista e revolucionário que ainda concorre ao segundo turno, Philippe Poutou, de Bordeaux em Luta, teria obtido resultados aproximadamente equivalentes aos do primeiro turno, ou seja, cerca de 10%.

Um resultado extremamente satisfatório, pois a pressão pelo "voto útil" foi forte em Bordeaux. No final, o candidato ecológico Hurmic ganhará o conselho da cidade, encerrando mais de 70 anos do reinado da direita em Bordeaux. Nesse contexto, Bordeaux em Luta terá um lugar no "parlamento de Bordeaux" e, portanto, será um ponto de apoio às lutas sociais. Uma vitória importante para a extrema esquerda em um contexto social e econômico explosivo.




Tópicos relacionados

Emmanuel Macron   /    Eleições na França   /    França   /    Internacional

Comentários

Comentar