Mundo Operário

RJ: SAÚDE

Eduardo Paes cancela plano de saúde dos trabalhadores da Rio Saúde sem aviso prévio

Trabalhadores da Rio Saúde que já vinham sofrendo com falta de recursos na alimentação, agora tem seus planos de saúde cancelados.

quarta-feira 24 de fevereiro| Edição do dia

Foto: Reprodução - CNN

Trabalhadores da Rio Saúde tiveram uma surpresa nada agradável, o cancelamento de seus planos de saúde. Sem quaisquer declaração ou aviso prévio, algum destes trabalhadores só tiveram ciência do corte após passarem por consultas médicas, tendo que tirar do próprio bolso para pagar pelo atendimento. Há relato de que uma trabalhadora está sendo cobrada por sua internação após um procedimento cirúrgico. Com o cancelamento do plano, a mesma está sendo cobrada para pagar a diária de internação, porém não tem dinheiro para custear o procedimento.

Como se não fosse suficiente, um outro ataque vem à tona aos trabalhadores da saúde. Segundo a Secretaria Mundial da Saúde, devido os pagamentos atrasados da gestão anterior do ex-prefeito Marcelo Crivela, ocasionou-se dificuldades em relação ao financiamento de fornecimentos, fazendo com que trabalhadores da UPA estejam há três semanas comendo ovo cozido. Diante do fato, fica evidente o descaso do governo com os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente contra a Covid-19, sem se quer terem o direito à alimentação, tendo a qualidade das refeições precarizadas a semanas. Em alguns casos, o ovo é contado: um para cada pessoa. Já em outras unidades, não há o fornecimento da refeição.

É uma total falta de respeito com os agentes de saúde que na sua maioria trabalham em plantões com 12h ou 14h ficarem sem comida e atendimento médico. Um funcionário da rede de hospital municipal do Rio declara: “Profissionais de saúde do mundo todo são tratados como heróis, e aqui a gente fica sem direito à refeição". Ao atacarem a saúde, prejudicam diretamente a população que necessita de atendimento médico de qualidade, ainda mais em tempos de pandemia que a atenção aos atendimentos médicos é redobrada.

A presidente do SATEMRJ, Miriam Lopes, entrou em contato com o Secretário de Saúde Daniel Soranz para esclarecer o ocorrido das suspensões do plano de saúde. A presidente declara: "Nossos profissionais enfrentam uma pandemia, sequelas física e emocional, sobrecarga de trabalho. Não podemos agora ter mais essa perda, de um plano que não é dado, mas descontado. Queremos respostas e ações de valorização aos nossos heróis."

Os trabalhadores da saúde que trabalharam no meio do feriado de Carnaval para garantir a vacinação da população mais uma vez sofrem ataques de Eduardo Paes que tal como Crivella mostra que a saúde não é prioridade. Não devemos pagar por uma crise que não é nossa. É tempo de luta e combate a escassez que o governo nos impõe diariamente. Reivindiquemos o direito a uma vida digna para os trabalhadores da saúde, na qual merecem respeito, o oposto do que estão sendo obrigados a passar.

Décimo terceiro que não sai nem prevê, OS sem negociação, vacina sendo usada para demagogia contrariando a orientação técnica do Programa de Imunizações, trabalhador da atenção básica trabalhando em feriado nacional sem nenhuma necessidade, vai vendo.




Tópicos relacionados

trabalhadores da saúde   /    Saúde   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar