Economia

ELEIÇÕES 2018

Economistas de Bolsonaro planejam continuar cortes em gastos sociais iniciados por Temer

Paulo Guedes, guru ultraneoliberal de Bolsonaro, organiza com grupo de economistas da campanha do ex-militar os primeiros ajustes fiscais e ataques aos trabalhadores do seu eventual mandato.

sexta-feira 5 de outubro| Edição do dia

Esse planejamento é uma nova investida aos mercados de sua candidatura, reforçando as medidas escravistas que Bolsonaro irá implementar em seu governo. Desde a Reforma da Previdência, fim do 13º, privatização generalizada, cobrança de impostos aos mais pobres, agora sua equipe planeja realizar cortes estabelecidos pela Lei Orçamentária aprovada por Temer.

Ou seja, Bolsonaro quer passar aos mercados a imagem de ser a radicalização dos ataques aos trabalhadores do governo Temer. A reforma da Previdência é a principal medida que sua equipe quer usar para encaixar o orçamento na LDO.

O próprio Paulo Guedes, junto a Mourão, veio se reunindo com secretários de governo de Michel Temer, discutindo uma tentativa de aprovar a reforma da Previdência ainda esse ano caso Bolsonaro vença o pleito. Defensores da PEC do teto dos gastos públicos, é certo que planejam ainda mais cortes na saúde e educação em seu governo.

Haddad e o PT, por outro lado, também sinalizam aos mercados que aprovarão a Reforma da Previdência e disse se comprometer com a Lei de Responsabilidade Fiscal. A partir da sua proposta de pacto com golpistas escravistas do MDB ao PSDB, querem repetir a tragédia da conciliação com um suposto “mal menor”, mas que deverá batalhar por ataques profundos aos trabalhadores e aos setores oprimidos.




Tópicos relacionados

neoliberalismo   /    Bolsonaro   /    PEC 241/55   /    Governo Temer   /    Economia

Comentários

Comentar