Internacional

EUA: Minnesota é um estado democrata. Onde está o "mal menor" agora?

O assassinato de George Floyd não é apenas responsabilidade da polícia. A violência estatal é constante em Minneapolis, um estado governado pelos democratas. O prefeito Jacob Frey trabalhou em conjunto com o governador Tim Waltz para reprimir os atuais protestos contra a brutalidade policial e o racismo.

domingo 31 de maio| Edição do dia

O assassinato brutal e racista de George Floyd pela polícia de Minneapolis provocou uma onda de indignação, protestos e uma crise política na cidade. Os quatro policiais envolvidos no assassinato foram demitidos pelo Departamento de Polícia de Minneapolis (MPD sigla na língua inglesa) e, depois de duas noites de enorme pressão das ruas, Derek Chauvin, o policial que com o joelho na garganta Floyd, foi preso. Mas a demanda por justiça ainda não foi atendida: três dos quatro policiais em cena permanecem livres e a responsabilidade dos chefes do MPD não foi investigada. O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, um democrata progressista, pediu publicamente que os policiais assassinos fossem presos. No entanto, ele não hesitou em permitir o envio da Guarda Nacional pelo governador de Minnesota, Tim Walz, outro democrata, depois dos protestos na noite de quarta-feira.

O envio dessas forças de segurança falhou em silenciar os protestos, que continuam a tomar as ruas e ganharam o apoio de sindicatos, organizações sociais e ativistas políticos. A resposta dos democratas aos manifestantes foi declarar um toque de recolher e permitir à polícia realizar prisões em massa. Agora, Waltz anunciou que ativará totalmente a Guarda Nacional para interromper as manifestações.

Durante a semana, a polícia de Minnesota protegeu a casa do assassino, Derek Chauvin, e a de Michael Freeman, o procurador do condado de Hennepin que finalmente decidira sobre a prisão dos policiais. Ambas as casas foram cercadas por manifestantes, exigindo justiça para George Floyd.

O caso não é isolado. Chauvin e Tou Thao, outro policial no local do assassinato de Floyd, têm uma longa história de abuso policial. Há alguns anos, Chauvin fazia parte de um grupo de policiais que mataram um homem indígena. O Departamento de Polícia de Minneapolis manteve esses policiais em atividade por anos, até que se tornou inconveniente: eles só foram demitidos depois que vídeos do assassinato de Floyd se tornaram virais. Enquanto o prefeito e o departamento de polícia sustentam que os policiais devem seguir os protocolos, na prática, eles têm liberdade para abusos e crimes contra os mais vulneráveis. A Federação da Polícia e o Procurador Geral pediram paciência enquanto o caso é investigado.

A ex-candidata à presidência e atual candidata à vice-presidência de Joe Biden, Amy Klobuchar, também está ligada a este caso. Embora a senadora de Minnesota pareça estar exigindo justiça por Floyd, tendo feito várias declarações públicas nesse sentido nos últimos dias, sua retórica não se sustenta e não passa de uma farsa. Klobuchar construiu sua carreira política com base em sua experiência como procuradora do condado de Hennepin, o condado de Minnesota que inclui Minneapolis. Durante o seu mandato, ela adotou uma abordagem dura contra o crime, levando ao hiper policiamento e ao excesso de acusação de pessoas negras, especialmente jovens negros.

No entanto, desde o assassinato de Floyd, uma parte ainda mais nefasta de seu mandato se revelou. Como procuradora do condado, Klobuchar se recusou a apresentar acusações contra policiais acusados ​​de brutalidade, incluindo Chauvin. Após protestos públicos - incluindo a tendência #Klobocop - o escritório do advogado do condado apresentou-se para reivindicar que, no momento em que o caso foi instaurado, Klobuchar havia deixado o cargo, deixando a decisão ao seu sucessor, que não apresentou acusações. O que está claro é que Klobuchar decidiu intencionalmente não processar os agressores policiais. Como seu sucessor, estava perfeitamente disposta a fechar os olhos para a má conduta policial, tanto no caso de Chauvin quanto em outros, tendo permitido que outros policiais assassinos ficassem fora do gancho ao se recusar a processar dezenas de casos de violência e má conduta policial.

Essa situação também revela os limites do "mal menor" e do trabalho com o partido democrata. Minnesota é um estado azul e Minneapolis, uma cidade azul profunda, com governador e prefeito democrata. Além disso, o procurador-geral de Minneapolis é Keith Ellison, um defensor de longa data de Bernie Sanders, que realizou uma campanha insurgente para presidente do DNC(sigla em língua inglesa para Convenção Nacional do Partido Democrata) em 2017, prometendo reformar o partido e reforçar a ala progressista. No entanto, todos os três homens estão atrás de implantar a Guarda Nacional para reprimir os protestos. Todos os três homens discutiram a necessidade de justiça, mas nenhum ordenou a prisão dos policiais em questão. Todos os três homens denunciaram o ’sistema’, mas nenhum considerou seu próprio papel nele. Isso levanta uma questão vital: se o prefeito, o procurador-geral, o governador e o presidente da Câmara são todos democratas, e os democratas supostamente estão interessados ​​na justiça racial, o que exatamente está impedindo-os? Qual é o sistema contra o qual estão se enfurecendo e por que, mesmo com todas as principais posições de poder no estado, nenhum democrata é capaz de responder suficientemente?

A resposta deve ser clara: os democratas, tanto as alas progressistas quanto as do establishment, não são substancialmente diferentes dos republicanos quando o papel do estado capitalista é posto em questão. Quando chegar a hora, um governo democrata e um governo republicano terão essencialmente a mesma resposta aos protestos: eles os reprimirão por todos os meios necessários. Os protestos não refletem apenas a dor e a raiva pelo assassinato de George Floyd, mas também a desigualdade social, econômica e racial sistemática que foi exposta durante o curso desta pandemia. Por décadas, o Partido Democrata governou com muitas promessas e sem mudanças substanciais na vida dos negros.

Mesmo que essa contradição entre retórica e ação seja evidente, é quase risível que as autoridades do Partido Democrata continuem seu antigo esforço para eliminar problemas sistemáticos por meio do voto. Muitos estão tentando se virar para Trump e sua resposta ultrajante, perigosa e racista. Os pedidos de ’votem em novembro’ são apresentados como se o voto em Joe Biden resolvesse a crise que vem se desenrolando. Mesmo que Joe Biden fosse uma força mágica que resolveria todos os problemas do racismo - e ele já era vice-presidente de Ferguson - a idéia de que a maneira de resolver uma crise em maio é esperar cinco meses para votar é absurda. Com uma enorme crise ocorrendo em um estado azul(democratas são comumente chamados de azuis e republicanos de vermelhos), onde eles controlam essencialmente todos os níveis de poder, os democratas foram desmascarados, pois utilizam as asas armadas do poder do estado para reprimir protestos. Enquanto isso, a atual pandemia continuará a piorar os problemas para os negros.

A crise do coronavírus mostrou que profundas desigualdades que afetam a comunidade negra persistem em Minneapolis e Minnesota. O problema da habitação e do desemprego foi exacerbado, e a maioria dos empregos essenciais precários são ocupados por pessoas de cor. O uso das forças policiais para gerenciar medidas de distanciamento social através da pandemia não significou segurança, mas perigo e morte para pessoas de cor.

Frey - prefeito de Minneapolis - e outros representantes democratas pediram pacificação dos protestos, equiparando a violência das manifestações à violência racista perpetrada pelo Estado, do qual eles fazem parte. A classe política em Minneapolis, em particular, e Minnesota está tentando impedir uma escalada dessa crise para, entre outras razões, proteger os interesses capitalistas. A Target, de propriedade da família Dayton, surgiu como um local de protesto e saques. Uma das famílias, o ex-governador democrata de Minnesota, Mark Dayton, serviu até 2019 e foi posteriormente sucedido por Walz. A Target se beneficiou da pandemia com um aumento de 141% em suas compras digitais, de acordo com a Axios. Os interesses dos partidos capitalistas estão cada vez mais expostos à pandemia e à violência econômica e social contra os trabalhadores e o avanço oprimido. Os trabalhadores-alvo, por outro lado, manifestaram solidariedade com os manifestantes.

O presidente Trump disse que entrou em contato com Walz para oferecer mais guardas nacionais para reprimir os protestos, twittando mais tarde, dizendo que "quando o saque começa, o tiroteio começa". Essas declarações apenas permitem violência repressiva e ataques racistas contra negros. Enquanto condenam publicamente a morte de Floyd, republicanos e democratas são responsáveis ​​pela criminalização e violência sistemática contra pessoas de cor. Os protestos em Minneapolis mostram a enorme raiva enraizada na marginalização, abuso e exploração dos mais oprimidos da classe trabalhadora. O estado capitalista é responsável pela violência e repressão. O caso de George Floyd encorajou milhares de pessoas em Minneapolis e em todo o país a protestar. Estamos testemunhando uma rebelião das fileiras mais oprimidas da classe trabalhadora. É uma batalha em que precisaremos da unidade da classe trabalhadora - como vemos nos numerosos exemplos de solidariedade - junto com a independência política daqueles que se dizem nossos amigos, mas são (literalmente) nossos açougueiros.

Publicado originalmente no Left Voice.




Tópicos relacionados

Justiça para George Floyd   /    George Floyd   /    Crise do Coronavírus   /    Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar