Juventude

REPRESSÃO POLICIAL

ESCÂNDALO: Polícia prende estudante por se colocar contra pós-graduação paga na FATEC

Henrique Domingues, presidente do DCE da FATEC Ipiranga, ao passar nas salas de aula para passar um comunicado aos estudantes com conteúdo contrário à tentativa do Conselho Estadual de Educação de cobrar mensalidade nos cursos de pós-graduação da FATEC, foi preso pela polícia, que respondeu o chamado da diretora da instituição.

sábado 1º de abril de 2017| Edição do dia

O Conselho Estadual de Educação iria votar nessa última quinta-feira, 29, uma proposta de fazer com que os cursos de pós-graduação da Faculdade de Tecnologia de São Paulo, administrada pelo Centro Paula Souza, começassem a cobrar mensalidade dos estudantes. Porém, a pressão da mobilização dos estudantes conseguiu que o item fosse retirado da pauta.

A proposta do conselho apoiada pela diretoria repressora da FATEC consiste em uma política de intensificar o caráter extremamente elitista dos cursos de pró-graduação do país, dificilmente acessíveis aos jovens trabalhadores e de família de baixa renda, em função do conjunto de barreiras que o ensino superior impõe a esses jovens, como o próprio vestibular.

Esse projeto perverso do governo do Estado de São Paulo em consonância com o projeto golpista do governo Temer, implementado com a Reforma do Ensino Médio, mas principalmente com a PEC votada nessa semana na Câmara de Deputados, que tentou implementar a cobrança de mensalidade nas pós-graduações das universidades públicas de todo o país. Esse projeto na Câmara de Deputados não foi aprovado, mas não foi com a ajuda da oposição, em especial o PT, que liberou os seus parlamentares para votarem como quisessem na proposta, muitos sendo favoráveis.

Foi por simplesmente tentar informar seus colegas estudantes sobre esse projeto, com a qual precisam se enfrentar se quiserem ter direito à pós-graduação, que a polícia prendeu Henrique em sala de aula, na frente dos seus colegas, exercendo seu papel repressor e intimidador, para que os ataques aos direitos dos estudantes sejam retirados a torto e a direita pelo Estado capitalista.

Essa mesma polícia que prende um jovem universitário em sala é a que matou a jovem de 13 anos Maria Eduarda no Rio de Janeiro, com três tiros de fuzil nas suas costas enquanto bebia água na aula de Educação Física. É a polícia, com o discurso de segurança pública, que na realidade exerce o papel de assassinos institucionalizados, pagos para exterminar a juventude negra nas periferias, destruir sonhos e garantir que o futuro dessa juventude seja o de empregos precários, instáveis e sem direitos.

Nós jovens não vamos nos intimidar agora com essa violência, pois o ódio que gera em toda uma geração será nossa maior força para se enfrentar com os ataques ao nosso direito à vida e ao futuro.

A UNE, entidade estudantil que está em inúmeras universidades públicas e privadas, assim como em diversos colégios secundários, até agora marcou apenas um “Dia Nacional de Luta” para o dia 7 de abril, ou seja, sem paralisação das aulas, mas também sem convocar assembleias nos cursos ou qualquer outra forma de organização séria dos estudantes.

Temos que cobrar da UNE um verdadeiro plano de lutas, que se ligue aos trabalhadores que saíram no dia de ontem, mas principalmente no 15M, e que demonstraram muita disposição deles também em se enfrentar com os ataques.

Precisamos começar a nos organizar nos nossos locais de estudo, realizando assembleias, cobrando da UNE que convoque essas assembleias nos locais onde ela está, para que passemos a nos organizar pela base, em comitês de mobilização, traçar um plano de lutas capaz de vencer todo esse projeto golpista, elitista e repressor da burguesia

Reproduzimos aqui a nota do Diretório Acadêmico da Fatec Zona Leste divulgada em repúdio à prisão do estudante.

NOTA DE REPÚDIO À PRISÃO VIOLENTA DO ALUNO DA FATEC

O aluno Henrique Domingues foi preso violentamente pela Polícia Militar dentro das dependências da Fatec Ipiranga, o que configura grave atentado ao movimento dos estudantes fatecanos em poder estar em seu local de direito.

Henrique é presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e tem autorização do Centro Paula Souza para falar com os alunos nas dependências de TODAS as faculdades de tecnologia. O documento foi enviado a TODOS os diretores, mas a Fatec Ipiranga impediu que ele pudesse passar nas salas em nome do movimento estudantil e chamou a polícia militar para retirá-lo à força da unidade.

O DA FATEC ZL, repudia esta lamentável ação violenta contra o fatecano e apoia os movimentos estudantis.




Tópicos relacionados

Repressão   /    violência policial   /    Juventude

Comentários

Comentar